23 ago 2016

Você é produtiva ou ocupada?

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Você é produtiva ou Ocupada – Esse foi o título de uma das matérias de capa da revista Glamour, edição de agosto e que ficou martelando minha cabeça por dias

 

você é produtiva

 

Em julho, tirei duas semanas de férias e foram dias nada produtivos. Ficamos em casa eu e Benjamin, alternando alguns passeios dia sim outro não. Os dias em que ficamos em casa, pra mim, foram dias em que eu tinha a sensação de não conseguir fazer nada. Primeiro porque acordávamos lá pelas 10:00 e aí a manhã não rendia, o almoço ficava pronto lá pelas 14:30, o dia acabava rapidamente deixando a sensação de ter um monte de coisas por fazer. Tinha mesmo, mas também abri mão e me dei o prazer de curtir o dolce far niente.

Voltando das férias, a rotina voltou ao normal e vejo o quanto eu consigo produzir, o quanto a falta de rotina me faz mal. Agora outra sensação me acompanha. A de ter um monte de coisas por fazer e mais um monte que eu adoraria incluir na lista, mas que por falta de tempo não consigo. E aí me vejo naquela tarefa árdua de fazer escolhas. É ainda mais difícil fazer escolhas quando se tem filhos pequenos, pois não queremos abrir mão de ficar com eles para fazer qualquer outra coisa que gratifique nosso lado pessoal. Também não dá para enchermos nosso tempo com tudo o que desejamos fazer, afinal um dia a vida pede prestação de contas. É preciso ter calma.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

22 ago 2016

5 filmes para assistir na Netflix e lembrar o lado bom da vida

por
Gabi Miranda

Entretenimento, Maternidade

Sabe aqueles dias em que está difícil ver o lado bom da vida? Então, nada como um bom filme para afastar esses pensamentos e dar mais sentido e valor à vida.

Amo filmes, embora até outro dia estivesse assistindo bem pouco, exceto filmes infantis. Quando os filhos chegam em nossa vida, acontece disso, de priorizarmos outras coisas. Desde que assinei Netflix, tenho dado um jeitinho de assistir algum filminho sem ser infantil. Filmes tem um papel importante na nossa vida, mesmo os de ficção, tem o papel de nos apresentar alguma história de pessoas e/ou lugares, nos proporciona prazer, mas também conhecimento. Ajuda, inclusive, formar opinião sobre determinado assunto e mudar nossa vida, nosso modo de pensar sobre alguma coisa. Assim como livros, acho que devemos incentivar as crianças o hábito de ver um bom filme (para elas, os filmes tem ainda um papel mais importante). Claro, o conceito de bom é subjetivo e varia de pessoa para pessoa e cada um tem sua lista de filmes preferidos. Selecionei alguns dos meus filmes preferidos que, em minha humilde opinião, tem o poder de nos fazer enxergar o lado bom da vida, cada um com uma particularidade. Todos eles estão disponíveis na Netflix. Confira!
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

tags: , ,

18 ago 2016

Festa de aniversário compartilhada dos irmãos Benjamin e Stella

por
Gabi Miranda

Destaque, Festas, Scrap Bossa

Realizar uma festa de aniversário compartilhada entre irmãos, sendo um menino e uma menina, de idades diferentes, pode ser um desafio, mas também incrivelmente divertido e inesquecível

 

festa de aniversário compartilhada

 

Decidimos há bastante tempo, Benjamin e Stella teriam uma festa de aniversário compartilhada. Apesar da diferença de idade, ele 5, e ela 1 ano, a diferença da data de aniversário deles é bem pequena, apenas 43 dias. Tentei durante meses pensar numa festa de aniversário de único tema para as crianças. Eu queria muito o tema do Snoopy. O menino Benjamin queria festa dos Guardiões da Galáxia e não teve argumento que o fizesse mudar de ideia. Depois de ouvir um diálogo entre ele e o pai, fui convencida.

– Ben, o que te faz mais feliz?, o pai perguntou.

– Os Guardiões da Galáxia!, o menino respondeu assim na lata.

Obviamente, deletei qualquer outra tentativa de fazer o menino mudar de ideia e acabei me convencendo de que a festa precisava ser o tema do sonho dele. Afinal, era seu aniversário de 5 anos! Um marco na vida de qualquer criança. Foram uns 6 meses pensando como faria uma festa infantil do Guardiões da Galáxia e nenhuma inspiração. Como fazer uma festa infantil em dose dupla para menino e menina? Guardiões da Galáxia não enche os olhos de muitas meninas por aí, muito menos de um bebê. O menino logo deu seu jeito, sugerindo um tema para a festa da irmã. Branca de Neve.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

3

comente!

16 ago 2016

Filhos: um é pouco, dois é bom, três…

Um filho é pouco, dois é bom, três… ensinam muito mais!

 

Filhos-um é pouco-dois é bom- três-bossa-mae

Imagem Google

Já faz algum tempo, conheci uma mamãe de muitos. Ela tem 7 filhos e esbanja um sorrisão de orelha a orelha. Pensei: para essa aí um é pouco, dois é bom, sete é melhor ainda! Conheço algumas mães de três. Além das amigas blogueiras Diiirce e Marina, no trabalho tenho uma colega mãe de três e, recentemente, minha melhor amiga, minha irmã de coração, madrinha da Stella, anunciou sua terceira gravidez – muito desejada já há algum tempo.

Aqui em casa, tínhamos um combinado: se a segunda gestação viesse um menino, teríamos o terceiro só para ver se vinha uma menina. Marido tremia na base até que nasceu Stella e ele deu por encerrado esse assunto. Mas a mamãe aqui, para assombro do papai, começou a dizer que precisava vir um desempate, que um terceiro filho fecharia o ciclo familiar. É comum tremular após o primeiro, quem dirá após o segundo filho. É claro, depois que passamos todo aquele perrengue de enjoos nos 4 primeiros meses de gestação, noites mal dormidas, fraldas, choro, dentes nascendo, os primeiros 6 meses de vacinas intermináveis, aquela ansiedade toda… quem quer enfrentar o terceiro filho?!
Clique e continue lendo!

compartilhe!

8

comente!

15 ago 2016

Por que o bebê chora quando você sai do quarto?

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos, Livros, Puericultura

Porque o bebê chora quando você sai do quarto?

 

por que o bebê chora

Imagem do Google

Do livro Bésame Mucho – Como criar seus filhos com amor
Dr. Carlos González

O imediatismo é uma das características do choro infantil que assombra e irrita algumas pessoas. “É deixá-lo no berço e ele começa a chorar como se o estivessem matando”. Para alguns especialistas em educação, essa é uma desagradável faceta da personalidade infantil, e o objetivo deve ser vencer o seu “egoísmo” e a sua “obstinação”, ensiná-los a atrasar a satisfação dos seus desejos. Por que não pode ter um pouco mais de paciência, por que não pode esperar um pouco mais?

Nossos filhos pequenos começam a chorar com todas as suas forças quando se separam da mãe. Choram ainda mais forte em cinco minutos e somente param de chorar por esgotamento. Não parece lógico! Mas, sim, é lógico. Começar a chorar de maneira imediata é o comportamento “lógico”, o comportamento adaptativo, o comportamento que a seleção natural favoreceu durante milhões de anos, porque facilita a sobrevivência do indivíduo. Naquela tribo de 100.ooo anos atrás, se um bebê separado de uma mãe chorasse de forma imediata e com toda a potência do seu pulmão, sua mãe provavelmente voltaria imediatamente para pegá-lo. Porque essa mãe não tinha cultura, nem religião, nem conhecia os conceitos de “bem, “caridade”, “dever” ou “justiça”. Não cuidava de seu filho porque pensava que era sua obrigação, nem porque tinha medo da prisão ou do inferno. O choro do bebê simplesmente desencadeava nela um impulso forte, irresistível, de acudi-lo e acalmá-lo.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

12 ago 2016

10 coisas sobre paternidade

Perguntei ao marido: fala 10 coisas que ninguém diz sobre paternidade? Ele prontamente me mandou um texto sobre o assunto. Confira abaixo.

 

paternidade

 

Por Roberto Piffer, pai do Benjamin e Stella

Não chega a ser segredo, mas tem coisas que ninguém anda dizendo por aí sobre paternidade. Imaginem que existe um outro lado, avesso à maternidade, onde coisas diferentes acontecem, mas quase nunca são reveladas… até então! Veja a lista abaixo e entenda um pouco mais do lado paterno da vida das crianças, do ponto de vista do homenageado do próximo domingo:

1. O parto
A hora do parto é um momento de muito nervosismo e tensão para o pai (acho que por isso alguns chegam a desmaiar). Lógico, para mãe muito mais, mas a verdade é que ao pai, dá uma sensação de paralisia, pois temos que ficar esperando longamente e, quando somos chamados para a sala, não tem o que fazer, a não ser não encostar em nada, falar pouco e ficar assistindo a tudo. É estranho e ruim, podia ter um carrinho com bebidas por lá. Mas a recompensa de sentir o filho pela primeira vez no seu colo é impossível de descrever (lembrando que a mãe larga na frente, pois já sente a criança dentro da barriga).
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

10 ago 2016

Aprendendo a ser um pouco pai

por
Gabi Miranda

Destaque

Colocando em prática um dos meus desafios do ano passado:
aprendendo a ser um pouco pai

 

aprendendo a ser um pai

Filhos e marido tem um poder sobrenatural: o de nos levar à loucura. O primeiro consegue fazer sumir magicamente nossa sanidade mental, com 10 minutos de manha, pirraça, malcriação. O segundo consegue reverter qualquer mal comportamento da criança com tranquilidade, à base de brincadeira, sem stress… e louca é a mãe!

Eu e marido somos pais dedicados, mas cada um tem seu jeito de educar. Ele com sua leveza, jogo de cintura e senso de humor. Eu sou a chata e venho tentando mudar isso, pois pedi para o marido me ensinar a ser um pouco pai também. Porque, afinal, eu não quero carregar a fama de chata para o resto da vida, até porque na verdade meu intuito (e de todas as mães) é apenas dar uma boa educação aos filhos e isso inclui apresentar-lhe limites. No entanto, seguimos os dois na tentativa de sermos os pais que idealizamos ser um dia e com a mesma coisa em comum: dar uma base sólida de educação para nossos filhos.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

09 ago 2016

Meu marido não me ajuda em casa

por
Gabi Miranda

Sem categoria

Meu marido não me ajuda em casa, nem com as crianças, ele participa ativamente fazendo a parte dele

meu marido não me ajuda

Imagem Google

 

As pessoas ficam impressionadas porque sabem que o marido participa dos afazeres domésticos aqui em casa, bem como nos cuidados das crianças. É ele quem passa roupa, por exemplo, e também leva e busca as crianças nas escolas. Ao saberem disso, as pessoas comentam e fazem cara de espanto: “seu marido te ajuda em casa???”. Outro comentário que já ouvi é “nossa, o Roberto ajuda em casa, ele passa roupa” ou “coitado, ele quem leva e pega as crianças nas escolas?”, questionamentos que algumas vezes vem carregado num tom penoso. Confesso, me irriiiiiiiiita…! Outras vezes, vem com um misto de otimismo e orgulho por verem um pai tão participativo. Mas não, definitivamente, meu marido não me ajuda em casa! Muito menos com as crianças. Ele lava louça sim, passa roupa sim, às vezes faz comida sim, tira o lixo sim, faz as compras de supermercado sim e faz tudo o que é também dever de um pai. Ele simplesmente faz! E não, não sou mal agradecida, eu também faço. Moramos todos numa casa que necessita de cuidados, ora todos tem suas obrigações e responsabilidades, até o Benjamin já tem as dele.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

08 ago 2016

Deixe o pai do seu filho participar dos cuidados e criação

Em comemoração ao Dia dos Pais, essa semana aqui no blog, os textos serão especialmente dedicado a eles, o primeiro, um conselho às mamães: deixe o pai do seu filho participar

 

pai do seu filho

Não é novidade que nós, mães, concentramos a maior parte das tarefas relacionadas exclusivamente ao bebê e, vamos combinar, parte disso é porque não deixamos o pai fazer do jeito dele, sempre estamos metendo o bedelho. A imagem que se tem de um pai é a de um cara bagunceiro, indisciplinado, sem noção, que deixa as crianças jogadas, não lembra os horários das refeições e ainda as alimenta com porcarias e assim por diante. Essa imagem precisa ser deletada, pois os papais tem participado cada vez mais da criação dos filhos e também dos cuidados do lar. Está na hora de pararmos de reforçar por aí a imagem de que o pai faz tudo errado e, principalmente, de deixá-los fazer do seu jeito.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

03 ago 2016

Amamentação: como manter com a volta ao trabalho

por
Gabi Miranda

Alimentação, Bebê, Destaque, Filhos

Amamentação: entre as dificuldades para amamentar com a volta ao trabalho, está a ordenha. Nem todas as empresas possuem local adequado e quando tem, falta informação para a mãe que retorna

Instalações do Grupo O Boticário

Instalações do Grupo O Boticário

Não é fácil ser mulher-mãe no mercado de trabalho. A empregabilidade da mulher na idade perto de ter filhos é baixa. O mercado olha com péssimo jeito para a mulher que quer ter ou já tenha filhos. Elas são rotuladas, vistas como profissionais que podem faltar a qualquer momento, deixando a empresa na mão. Em geral, as empresas não estão preparadas nem para receber de volta a mãe que acabou de ter bebê, tanto que as empresas sequer possuem local apropriado e exclusivo para amamentação. Essa é a realidade da maior parte das empresas. “O que observamos é muito mais uma “adaptação” das mães a essa situação em locais absolutamente não indicados e em condições inadequadas”, afirma Dr. Moises Chencinski, pediatra, membro do departamento de aleitamento materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo e idealizador e facilitador do movimento Eu apoio leite materno – #euapoioleitematerno.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

Página 1 de 83123456...Última