07 fev 2017

A bebê está virando menina

por
Gabi Miranda

Bebê, Desenvolvimento, Destaque, Filhos

Stella, Stellinda, Amora. Minha bebê está virando menina! Ela completou 1 ano e 6 meses! Isso significa 18 meses, 547 dias, 13.128 horas, 787.680 minutos, 47.260.800 segundos. Nesse período todo, são muitas mudanças, aprendizados, medos, ansiedade, maturidade.

Ontem fui visitar uma grande amiga na maternidade. Ah! É a madrinha da própria personagem desse post. Ao contemplar um bebê no berçário e a nova condição da minha amiga, mãe de RN, é claro que me bateu a nostalgia. Já me parece tão distante o dia em que a Stella era um RN e quando paro pra pensar, lembro exatamente do dia em que me dei conta que precisava aproveitar ao máximo aquele bebezinho que adorava dormir no colo 24h ao invés de ficar em seu berço. Quando redescobri a maternidade.

Olhando a pitica, percebo o quanto ela desenvolveu nesse tempo, já está virando menina. Comecei despretensiosamente a listar na nota de blocos do celular, tudo o que ela anda fazendo. Porque muitas coisas ela já faz há meses e já não lembro quando começou. E nesse momento eu queria mesmo é ter uma memória de elefante para não esquecer cada detalhe do seu desenvolvimento e guardar para sempre todas as sensações que me causam ao vê-la fazendo algo novo, cada sorriso, o som da sua gargalhada. Porque parar o tempo, é impossível e nem teria graça né?! Pararia-se o tempo e também o andar dos acontecimentos.

A bebê está virando menina

Listinha de algumas coisas que a menina Stella anda fazendo

  • Responde não pra tudo.
  • E responde não quando não quer algo.
  • Há uma semana aprendeu a dizer “sim”, mas ainda é uma resposta rara na comunicação dela.
  • Tira tudo de dentro das gavetas do nosso criado mudo e tenta colocar tudo dentro novamente. E fica aquela bagunça.
  • Fica brava quando é contrariada.
  • Aprendeu o poder do seu grito. Então quando alguém a contraria, ela grita. Um grito fino e estridente e chato pra caramba, diga-se de passagem.
  • Entende tudo o que a gente fala. Por incrível que pareça, isso já faz bastante tempo, desde que começou a engatinhar e sempre me impressionou, mas agora ela já está num nível avançado, do tipo não precisar pedir, ela mesma tem a ideia e pratica, como quando dia desses marido estava dando suco no copo pra ela e ela saiu andando até a cozinha e voltou com um canudo, mostrando pra ele como quem diz: assim fica melhor.
  • Escala todo lugar possível.
  • Imita o irmão em tudo. E a mãe também.
  • Chama o marido de mãe. E eu de mamãe.
  • O Ben é e acho que sempre será o “Beeeee” dela.

A bebê está virando menina

  • Brinca de comidinha e traz refeição completa pra gente comer: pratinho com comida e copo com suco imaginário.
  • Seu vocabulário que antes se resumia em: mãe, manhê, mamãe, paiê, B, suco, água, cocô, não, vovô, cadê, acabou, achou, oi, nenê, bebê, alô, au au, está crescendo e agora ela aprende toda palavra que você ensinar pra ela. Em um dia , por exemplo, ela aprendeu: carro, gol, bola, Dedé (apelido de uma tia do colégio que ela adora)… Fala “porra” e não sei com quem ela aprendeu isso (Rá!). E tem um monte de palavras que ninguém sabe o que significa, mas a mamãe sabe.
  • Chama todas as crianças de bebê ou nenê. E adora ver um bebê menor que ela.
  • Canta, dança e já tem suas músicas preferidas (não infantis).
  • Coloca a cabeça embaixo d’água quando toma banho de balde.
  • Adora a piscina e, com boia, já fica sozinha (engolindo água).
  • Pratica saltos ornamentais.
  • Não tem medo de quase nada.
  • Ela quer tudo o que o irmão está mexendo. Seja brinquedo ou material escolar.
  • Come. Come. Come. Tanto que estamos pensando em mudar o nome dela para Magali. Come sem distinção, como outro dia num casamento que pisquei e ela estava comendo o talo de uma planta.

A bebê está virando menina

  • Está comendo e bebendo sozinha.
  • Ela grita, chora e usa toda uma artimanha pra conseguir o que quer.
  • Segue usando a chupeta. Mas agora cada vez menos. Está usando só pra dormir (que sempre cai quando ela pega no sono pesado) e quando acorda é “tchau chupeta”.
  • Ela monta na Capitu como se a cachorra fosse um cavalinho. E dá a comida que ela está comendo pra cachorra e finge que a Capitu pegou dela, choramingando, apontado pra  Capitu e falando “manhê” (demorei pra descobrir que ela fazia isso, mas descobri).
  • Mexe no celular com destreza. E adora brincar de falar o telefone.
  • Diz “oi” e “tchau” pra todo mundo que passa na frente dela.
  • Gosta de dormir na cama dela.
  • Brinca de neném com as bonecas dela. Pega sua fralda no guarda-roupa e tenta colocar nas bonecas. Dá mamadeira e comidinha.
  • Põe meus sapatos.
  • Pega minhas bolsas e sai arrastando.
  • Vira a casa toda de cabeça pra baixo. Seu tempo recorde está em 2 minutos.
  • É sempre a primeira a acordar e vai lá no nosso quarto nos acordar também.
  • Tem ciúmes quando a mamãe pega outra criança no colo ou se só chega perto. Inclusive do irmão.
  • Brinca pela casa de esconde-esconde com o Benjamin.
  • Pega livros na prateleira, senta na cama e fica folheando como se estivesse lendo.
  • Mostra com os dedinhos quando perguntamos “Cadê o narizinho”, cadê a boquinha”…
  • Fica tão sentida quando a mamãe briga com ela de verdade. Chora de cair lágrimas e faz o biquinho mais lindo do mundo. É um dos raros momentos que vejo nela um pouco de mim. Porque ela é tão igual e tão diferente de todos aqui de casa em vários aspectos.

A menina está virando menina

Durante esse um ano e seis meses, vejo o quanto me transformei como mãe. Aprendi que não é possível ser a mesma mãe para dois filhos, embora de início a gente entre nesse embate. Constantemente nos pegamos comparando um filho com o outro. Aprendemos que a comparação é meio inevitável, acontece quando você menos espera, e está tudo bem, pois logo aprendemos que cada filho é único. Com sua personalidade, peculiaridade e jeito de ser, de se expressar. Você também já não é a mesma mãe de 2 anos atrás. Crianças são diferentes e reagem de maneiras distintas em situações e ambientes também distintos. Uma coisa não muda, a dúvida: será que estou fazendo tudo certo? Ou pelo menos o que devo fazer?

Stella é muito independente e muitos sinais que surgem agora, anuncia: em breve não teremos mais um bebê em casa. A bebê está virando menina. Uma menina moleca. Ao mesmo tempo que isso me dá uma grande alegria – afinal, é lindo ver seu filho crescer, se tornar independente, passar de uma fase para outra, ganhar o mundo, é também um pouco assustador. Todo esse desenvolvimento é natural e faz parte do processo nos assustar um pouco, pois para cada nova fase, temos novos arranjos, novas adaptações e dá aquele frio na barriga.

É incrivelmente lindo e maravilhoso ver cada etapa desse desenvolvimento. Acho que nunca estaremos prontas para cada nova fase. A impressão que tenho, é que eles estão sempre mais preparados que nós.

 

Leia também: o primeiro ano de vida

 

compartilhe!

0

comente!

Comente!