04 jul 2017

Mães de A a Z – o blog indo para a telona e para a telinha

Nasceu o Mães de A a Z! Era para eu ter falado ontem sobre isso, mas a correria me impediu. Quem nos acompanha nas redes sociais, já sabe que eu e a Kah do blog Vida de Mamãe Moderna estamos no comando do programa regional Mães de A a Z, na TV Grande ABC. É um projeto lindo! Surgiu através de um convite da TV para a Kah e a louca quando veio me falar disse que só aceitaria se eu entrasse com ela nessa empreitada. Na mesma hora eu falei: Siiiiim!

maes de a a z

Gente, eu tinha o sonho de ocupar o lugar da Ana Paula Padrão na bancada do Jornal da Globo! Rá! Como não aceito uma proposta dessas? (risos)

Vi nesse convite uma oportunidade muito bacana. Não era simplesmente para fazer um programa qualquer. Era para falar sobre um assunto que  faz meus olhos brilharem: maternidade! E o que está mais perto do meu sonho de vida atual: trabalhar com maternidade, contribuir e ajudar de alguma forma as pessoas que me acompanham aqui no blog. Mais: espalhar informação de qualidade.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

08 maio 2017

O que você quer de dia das mães?

Dia das mães

Toda mãe quer vale-banheiro, uma noite inteira de sono, tempo pra ler ou para rever as amigas, presente de dia das mães não falta. Só quem é mãe sabe o quanto é maravilhoso e enriquecedor esse cargo, mas também o quanto é cansativo. Vivemos ligadas mesmo dormindo, muita coisa para pensar, tem o medo de errar, a vontade de querer ser a mãe perfeita e a culpa para nos assombrar vez ou outra. A responsabilidade é grande: participar e promover uma vida para que nossos filhos cresçam bem e saudáveis.

Estão aí as infinitas (e emocionantes) propagandas sobre as mães rolando desde abril e que não me deixam mentir. Mãe tem uma missão importante! Acompanhar, proteger – não em demasia, ensinar o caminho, deixar ir e estar sempre pronta para receber de volta. Mãe também não está pronta para ser mãe, nos construímos nessa relação transformadora que é a maternidade. Mãe é um ser humano como qualquer outro, sendo assim temos nossas próprias limitações. Mãe vale ouro (e não é de ferro). Amamos incondicionalmente. Mas temos vontade de jogar tudo para o alto sim, às vezes gritamos, perdemos o controle, incontáveis vezes, a paciência – principalmente quando a criança faz manha bem na hora que precisamos sair, quando pela milésima vez colocamos o bebê no berço e ele arregala os olhinhos.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

05 dez 2016

Ensaio fotográfico de Natal cheio de bossa

Ensaio fotográfico de Natal da Família Bossa Mãe

ensaio fotográfico de natal-bossa-mãe

Sempre gostei de Natal, mas convenhamos que ao longo dos anos essa data vai perdendo o sentido lúdico. Primeiro porque vamos crescendo e nos transformando. Segundo porque a vida vai tomando outros rumos, mudanças, perdas e ganhos. Para não endurecermos, vem a vida e nos presenteia com filhos. Ah… nada melhor que a vida com filhos! Para nos trazer de volta um olhar genuíno para as coisas simples, para fazer dessa época do ano continuar sendo mágica.

E para deixar marcado essa data, resolvemos fazer um ensaio fotográfico de Natal. Ao abrir as fotos, meu coração ficou submerso de emoção. A gente ainda não tinha feito fotos assim com a Stella maiorzinha e o resultado ficou lindo! O responsável por esse trabalho é o fotógrafo Ricardo, do estúdio Fermera Fotografia, de Santo André/SP.

Foi super difícil escolher as fotos para ilustrar esse post. Eu queria postar todas, mas resisti e fiz uma seleção (ficou um monte de fotos do mesmo jeito, rs). Enquanto eu passava de uma foto para outra, ficava embasbacada com o que o Ricardo conseguiu captar das crianças e da nossa família. O olhar da Stella, um gesto do Benjamin demonstrando o afeto dele pela irmã, nossos sorrisos sinceros e legítimos, nossa família cheia de amor. Estou apaixonada!
Clique e continue lendo!

compartilhe!

5

comente!

16 ago 2016

Filhos: um é pouco, dois é bom, três…

Um filho é pouco, dois é bom, três… ensinam muito mais!

 

Filhos-um é pouco-dois é bom- três-bossa-mae

Imagem Google

Já faz algum tempo, conheci uma mamãe de muitos. Ela tem 7 filhos e esbanja um sorrisão de orelha a orelha. Pensei: para essa aí um é pouco, dois é bom, sete é melhor ainda! Conheço algumas mães de três. Além das amigas blogueiras Diiirce e Marina, no trabalho tenho uma colega mãe de três e, recentemente, minha melhor amiga, minha irmã de coração, madrinha da Stella, anunciou sua terceira gravidez – muito desejada já há algum tempo.

Aqui em casa, tínhamos um combinado: se a segunda gestação viesse um menino, teríamos o terceiro só para ver se vinha uma menina. Marido tremia na base até que nasceu Stella e ele deu por encerrado esse assunto. Mas a mamãe aqui, para assombro do papai, começou a dizer que precisava vir um desempate, que um terceiro filho fecharia o ciclo familiar. É comum tremular após o primeiro, quem dirá após o segundo filho. É claro, depois que passamos todo aquele perrengue de enjoos nos 4 primeiros meses de gestação, noites mal dormidas, fraldas, choro, dentes nascendo, os primeiros 6 meses de vacinas intermináveis, aquela ansiedade toda… quem quer enfrentar o terceiro filho?!
Clique e continue lendo!

compartilhe!

8

comente!

12 ago 2016

10 coisas sobre paternidade

Perguntei ao marido: fala 10 coisas que ninguém diz sobre paternidade? Ele prontamente me mandou um texto sobre o assunto. Confira abaixo.

 

paternidade

 

Por Roberto Piffer, pai do Benjamin e Stella

Não chega a ser segredo, mas tem coisas que ninguém anda dizendo por aí sobre paternidade. Imaginem que existe um outro lado, avesso à maternidade, onde coisas diferentes acontecem, mas quase nunca são reveladas… até então! Veja a lista abaixo e entenda um pouco mais do lado paterno da vida das crianças, do ponto de vista do homenageado do próximo domingo:

1. O parto
A hora do parto é um momento de muito nervosismo e tensão para o pai (acho que por isso alguns chegam a desmaiar). Lógico, para mãe muito mais, mas a verdade é que ao pai, dá uma sensação de paralisia, pois temos que ficar esperando longamente e, quando somos chamados para a sala, não tem o que fazer, a não ser não encostar em nada, falar pouco e ficar assistindo a tudo. É estranho e ruim, podia ter um carrinho com bebidas por lá. Mas a recompensa de sentir o filho pela primeira vez no seu colo é impossível de descrever (lembrando que a mãe larga na frente, pois já sente a criança dentro da barriga).
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

26 jul 2016

Sobre sua avó, de mãe para filhos

por
Gabi Miranda

Destaque, Família

Sobre sua avó materna

 

Avó

Filhos,

Vocês não tem avó materna. Se servir como consolo, eu também não tive. O Benjamin ainda teve a sorte de conviver por 3 anos com minha mãe, a avó de vocês. Nós a perdemos muito cedo e apesar de continuar achando isso injusto, é como disse Benjamin outro dia pra mim “A vida é assim, às vezes a gente perde, às vezes a gente ganha”. E quando a perdemos, nós ganhamos você, Stella. A vida pode parecer injusta, mas Deus sabe mesmo o que faz.  Já sofri, já chorei e ainda faço os dois, sofro e choro. Lembro como se fosse hoje o dia em que a perdemos, no caminho até o cemitério, nas promessas que eu fazia… parece coisa de louco, mas quando a gente ama, pensamos até nas impossibilidades. Foram dias e noites em que acreditei que não teria forças para seguir. Mas chega uma hora em que aprendemos a conviver com a perda, a gente se acostuma com a falta da pessoa e para dar conta da morte a gente esquece. Não da pessoa, porque isso é impossível. Mas a gente esquece de várias coisas, de acontecimentos e quando perdemos a mãe, com o tempo, esquecemos até o que é ter mãe.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

4

comente!

06 jun 2016

O que aprendi sobre adoção

por
Gabi Miranda

Destaque, Família, Gravidez, Maternidade

Desde que realizei a visita no Grupo Boticário, fiquei com um assunto martelando a minha cabeça: ADOÇÃO!

adoção

Imagem Google

Ao final do dia no Grupo Boticário, conheci, na hora do lanche das gestantes, a Vanessa Backer. Uma jovem de 29 anos que há 5 vinha tentando engravidar. Há dois anos, Vanessa teve um aborto espontâneo com 9 semanas de gestação. Nesse meio tempo, ela e o marido decidiram entrar no processo de adoção. Hoje ela está grávida de 28 semanas. No dia em que descobriu a gestação, recebeu uma ligação com a notícia de que tinha conseguido entrar na fila de adoção. Ela conta, lindamente, com sorriso largo, olhos brilhantes: “agora estamos vivendo duas gestações. Vamos continuar na fila de adoção, não importa o sexo, a cor, nada, só queremos ser pai e mãe.”

Por mais incrível que pareça, desde então, cairam textos e mais textos no meu colo com histórias sobre adoção. Um deles contava sobre três famílias que adotaram bebês com microcefalia, a má-formação que ganhou destaque nos últimos meses com o aumento de zika no Brasil. Outros dois eram relatos de uma mãe e um pai, respectivamente, sobre o que aprenderam ao adotar uma criança, sendo que a mãe adotou uma criança mais velha, de 5 anos. Um outro texto ressaltava o aumento de pais que preferem adotar crianças com mais de 3 anos, de qualquer sexo e cor.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

03 jun 2016

De quem é a culpa?

Por que acontece tantos casos de estupros? Por que as pessoas matam, violentam e se drogam? De quem é a culpa?

culpa

Há uma semana estou tentando digerir essa história do estupro coletivo cometido por #33 homens. Há tempos venho tentando digerir comentários das pessoas na internet, whatsapp sobre tudo. Política, racismo, piadas infames. E agora mais essa, sobre o estupro. Ao mesmo tempo que a internet nos aproxima um do outro, também nos aproxima da imbecilidade e boçalidade do outro. Nesse mundo digital conhecemos um pouco o lado B do seres humanos, porque é através da internet que rostos ganham vozes. E, gente, como essas vozes são boçais. É impressionante como em pleno século 21 o mundo ainda reaja com tanto descaso, tanto preconceito.

Dessa história toda dos #33 estupradores, muita coisa me deixa absurdamente incrédula. Uma jovem foi estuprada. Não importa se foi 1, 2, 33. É fato. Foi estuprada. E isso acontece a cada 11 minutos no Brasil. Como uma mulher é estuprada, violentada e  ainda não tinham, até domingo passado, prendido nenhum suspeito?! Gente, os caras não só filmaram a barbaridade, como compartilharam nas redes sociais orgulhosos do seu feito. Além de tirar sarro da vítima, isso indica sarro da sua cara, da minha, da polícia, da sociedade em geral, porque ao fazerem isso eles acreditam fielmente que não serão punidos. Desconfio que devem ter razão, afinal por que não prenderam os caras na hora que esse vídeo vazou na internet?! O negócio tomou uma proporção imensurável no mundo e simplesmente ninguém tinha sido preso até outro dia. Impressionante e assustador, muitas pessoas culparem a vítima e não os agressores. Simplesmente porque os ignorantes acham que “as meninas que vão para o funk procuram isso; a mulher não se dá o respeito vestindo certas roupas; se tivesse lavando louça em casa, não teria sido estuprada; etc, etc, etc”. Oi? Para o mundo que eu quero descer! Aliás, que mundo é esse? É o mundo no qual a palavra da mulher não tem valor.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

01 fev 2016

6 dicas para quem vai passar o Carnaval em São Paulo

por
Gabi Miranda

Destaque, Família

Blog_fotos-2015

Eu amooooooo carnaval. Aqui em casa a tradição é passar o carnaval no Rio de Janeiro. Eu me lembro de não ter viajado apenas uma vez para o carnaval na cidade maravilhosa, foi no primeiro ano de vida com Benjamin, quando ele tinha 8 meses. Esse ano, optamos por não ir e confesso que me dá até um tiricutico de ficar em São Paulo. Meu lugar no carnaval é no Rio de Janeiro. Mas também me dá uma certa preguicinha em pensar em ir pra lá com duas crianças, sendo uma bebê, para enfrentar os blocos dessa festa tão esperada por milhares de pessoas. Além do carnaval no Rio estar cada vez mais amarrotado, o calor é insuportável e eu sinto culpa de fazer meus filhos passarem por esse inferno legal. A maternidade muda a gente e nossa prioridade passa a ser os filhos. Quero levá-los para a bagunça, mas tem que ser uma bagunça mais organizada, menos estressante. Então pela primeira vez vamos aproveitar o carnaval de São Paulo, porque da outra vez nem fizemos nada. Andei pesquisando alguns blocos para irmos com as crianças e plantar neles a sementinha do prazer por essa folia contagiante. Separei 6 dicas para quem vai passar o carnaval em São Paulo, confira:
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

28 abr 2013

A Família

por
Gabi Miranda

Família

Família. [Do lat. familia.] S.f. 1. Duas ou mais pessoas que cultivam a arte de conviver. 2. Grupo de pessoas tão iguais e tão diferentes que se amam, se desentendem, fazem as pazes e que se completam. 3. Estas pessoas queridas e felizes que aparecem aqui!

família2

O casal

Há 8 anos nos conhecemos, há quase 5 nos casamos e há 2 anos nos tornamos pessoas completas com a chegada do pequeno Benjamin.

Ela – mãe de primeira viagem, descobriu na maternidade sua vocação.

Ele – pai de primeira viagem, conseguiu a desculpa perfeita para exteriorizar a criança que existe dentro dele.

Benjamin

Foi descoberto no dia 06/10/2010. Logo mostrou a que veio. Fez a mamãe passar muito mal nos 4 primeiros meses e extremamente feliz nos meses seguintes, como a faz até hoje. Ficou sem nome até o 6 meses de vida intrauterina. Seu nome foi escolhido pela mamãe – que cada dia que passa tem certeza que fez a escolha certa – o motivo dessa escolha, o significado: Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!