23 mar 2015

Diálogos com Benjamin

por
Gabi Miranda

Comportamento, Filhos

Uma das melhores coisas que existem são os diálogos com os filhos. Criança tem as curiosidades mais engraçadas do mundo e nos fazem enxergar a vida de outra maneira. Mais leve e menos complicada. Eu aconselharia anotarmos todas as coisas que nossos filhos falam. Que seja no bloco de notas, num caderninho. Só para não esquecermos…

diálogos

 

Diálogos com meu Benjamin

– Vaca amarela cagou na panela quem falar primeiro como todo o coco dela.
– Eu não quero comer o coco da vaca, não gosto de coco. Gosto só do leite dela.

*

– Pai, por que o xixi sai pelo pinto?

*

– Mãe, como o neném foi parar na sua barriga?!
– Pergunta pro seu pai, Ben. Ele sabe explicar melhor.

*

– Mãe, eu quero um irmãozinho. E quero que ele chame Minion.

*

– Ben, você precisa por um controle no pinto pra não fazer xixi na cama.
Benjamin saiu do banho e foi direto no sofá:
– Papai, olha o controle (remoto) – e aproximou do pinto.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

17 mar 2015

Eu não quero ser grande, mãe! (sobre a transição da mamadeira)

transição da mamadeira

Estamos adiando há um tempo a transição da mamadeira do Ben. Ano passado até fizemos algumas tentativas, mas nada com propósito firme, até por sugestão da pediatra dele – que acha que já passou do tempo, mas acreditava que não era a hora por conta da perda da avó. Então, adiamos.

Sábado desses (28/02), não lembro como, na mesa do restaurante, entramos no assunto de Páscoa e Benjamin falou que o coelho é quem traz o ovo e queria pedir um. Perguntei qual era o ovo que ele queria e aí lancei que o coelhinho da Páscoa traz o ovo mas leva uma coisa em troca.

– O quê ele leva?, perguntou o Benjamin.
– Ele leva a mamadeira da criança e deixa o ovo de Páscoa no lugar.
– Por quê?
– Porque ele tem que entregar um presente para todas as crianças desde bebê. Mas bebê não come chocolate, toma leite. Então ele leva a mamadeira para um bebê que precisa e deixa um ovo de Páscoa para a criança que quer trocar.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

3

comente!

10 fev 2015

Vou ganhar um irmãozinho

por
Gabi Miranda

Bebê, Comportamento, Filhos

Uma pergunta constante e que me deixa feliz – sinal de que se preocupam com o primogênito – é a seguinte: “como Benjamin está reagindo, gostou de saber que vai ganhar um irmãozinho (a)?”. Respondo que foi ele o portador da notícia. Duas semanas antes de confirmamos a gravidez, Benjamin foi até meu quarto onde me encontrou deitada e afirmou “mamãe, tem um neném aqui na sua barriga”.

Nos dias que se passaram, essa afirmação foi virando algo constante. Ele falava até publicamente, o que me deixava um pouco sem graça (devo estar acima do peso, né?!). Numa visita ao meu ginecologista para levar exames de rotina que havia realizado, Benjamin que me aguardava na sala de espera com o pai, ao me ver sair da sala do Dr., perguntou ao médico “cadê meu irmãozinho?”. Todos rimos e o doctor respondeu “é cara, eu também estou achando que já está aí na barriga da sua mãe”.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

11 nov 2014

TV pra que TE VER?

por
Gabi Miranda

Comportamento, Desenvolvimento, Filhos

Fico tentando lembrar quando começou minha relação com a TV. Se me lembro bem, nunca fui fanática por desenho. Já a minha irmã caçula passava tardes inteiras com a TV ligada em canais infantis. Sempre gostei muito de novela. Fui uma noveleira incorrigível. Um dia, meu Ben me pediu para colocar a TV no quarto dele. Achei um pedido muito avançado para a idade dele. Isso porque algumas vezes ele queria dormir no sofá assistindo desenho – algo nada legal. Acredito que a luz da TV atrapalha a gente a pegar no sono e impede um sono tranquilo.

TV

Há três meses, passamos a manter a TV desligada lá em casa. O motivo principal foi o fato de achar que Benjamin ficava muito tempo em frente à TV, mesmo fazendo outras atividades, e, perdia atenção facilmente com outras coisas. A professora dele chegou a conversar comigo, dizendo que estava achando ele muito disperso. Foi a deixa para eu culpar o aparelho. Na escola sei que ele já tem o momento da TV, então foi tranquilo manter a nossa desligada. Outros dois fatores decisivos: i) a enxurrada de publicidade, principalmente nos canais infantis; ii) conteúdos impróprios para crianças. Aqui não falo de programas com sexo, por exemplo, mas diálogos inadequados para a idade do Benjamin que está numa fase de repetir tudo o que ouve ou vê.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

10 nov 2014

O valor da educação

por
Gabi Miranda

Comportamento, Educação, Filhos

Quanto vale hoje educar um filho com os princípios do bom costume?

educação

Imagem do Google

Minha mãe sempre repetia a antiga frase “educação vem de berço”. Toda vez que reparo o comportamento das pessoas, essa frase faz ainda mais sentido.

Recentemente, num determinado lugar, peguei no flagra uma criança batendo no Benjamin. Com habilidade em demasia para uma criança de uns 5 anos, o menino segurava a nuca do Benjamin e batia a cabeça dele numa parede de vidro. Meu impulso foi na mesma hora separar e dar uma bronca na criança, enquanto num giro de 360° procurava a mãe dela. Ainda bem que não a encontrei de imediato, pois acho que no calor da emoção, sairia um barraco.

Depois, brava, falei para o Benjamin que ele tinha que se defender, que se batessem nele, ele tinha que dar o troco. Aonde eu estava com a cabeça?! Imagina, cadê a máxima de ser sempre superior? Benjamin me olho como quem dizia  “e aquele seu papo de que é feio bater, não pode revidar, não pode ser vingativo…?” Perdi a noção e a razão. Assim, como acho que falta noção de limite para o agressor mirim.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

07 nov 2014

Da série: Diálogos com Benjamin

por
Gabi Miranda

Comportamento, Filhos

Da série: Diálogos do Ben

Da série: Diálogos

– Ben, vamos andar de bicicleta?
– Não!
– Por quê?
– Porque eu não sou o Benjamin, sou o Homem Aranha! E o Homem Aranha não anda de bicicleta, ele sobe nos prédios.

*

Benjamin na Av. Paulista vê uma torre iluminada e diz empolgado:

– Olha, Paris!!!

*

Toda vez para ir ao banheiro fazer o número 2, Benjamin pede a companhia de alguém. De preferência sempre do pai (ele poupa a mãe nesse momento!), dia desses ouvi ele comentando com o pai:

– Quando eu crescer, vou cagar sozinho.

*

Ele pensando no que ser quando crescer…

– Quando eu crescer quero ser o Buzz.

*

Pai, da um pedaço de pizza para o Hulk e o Homem Aranha.

O pai finge dar a pizza para os super heróis.

– Pai, o homem aranha não comeu! Ele está de máscara, tem que tirar antes.

*

Mãe, a mulher do Hulk é a Hulka e ela é da cor verde claro.

*

– Ben, vamos tomar banho!
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

22 out 2014

Mamãe, super-herói morre?

Mamãe, super-herói morre?

E com essa pergunta você se vê diante de um dilema. Responde sim ou não?! Conta qual história para ilustrar?! Pessoas queridas (até animais de estimação) morrem e a criança já sabe disso. E todo ser humano tem um quê de herói. Nossos pais. Mestres. Irmãos. Amigos. Eles não voam e não tem poderes sobrenaturais, mas exercem papel fundamental em nossa vida. Neles podemos encontrar coisas que os fazem super-heróis incríveis, nossos ídolos.

super-herói morre

Benjamin conheceu a morte muito cedo. E agora em suas brincadeiras, percebo sempre jogar um boneco e dizer “morreu, sumiu”. “Sumir” é o entendimento que ele tem da morte. As pessoas “morridas”, somem. Logo, todos a sua volta podem sumir, mamãe, papai, inclusive ídolos como Neymar e porque seria diferente com Buzz, Woody, Homem de Ferro…?!

Ninguém vive para sempre. Um dia as pessoas se vão. E quando perdemos pessoas que amamos, perdemos um pedaço da gente também. Parte das lembranças que vivemos com o outro, vai embora junto. É dilacerante. Mas um dia tudo acaba. E recomeça outra vez. Afinal, a morte pode ser isso, um renascimento. É assustador, mas ídolos humanos morrem e viram estrelas.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

08 out 2014

Chegou o grande dia: o passeio escolar

por
Gabi Miranda

Comportamento, Educação, Filhos

E ontem foi o grande dia! O primeiro passeio escolar do Benjamin. O primeiro (talvez o segundo, terceiro, quarto…também) passeio escolar do filho, desperta inúmeros sentimentos nos pais. Enquanto as crianças são tomadas pela ansiedade, os pais são tomados por preocupações, inseguranças, incertezas e aquela nítida sensação de que seu bebê já é uma criança que está crescendo e ganhando o mundo (ou mundo ganhando ela).

passeio escolar

Benjamin no ônibus de passeio e assistindo a peça Peter Pan

No dia anterior ao passeio, acordei meio esquisita, sem muita vontade de nada, até que na metade do dia lembrei do passeio. No dia D, eu sentia um frio na barriga incontrolável. Ocupei-me com os meus compromissos para não ficar pensando muito. Liguei na escola apenas no início da tarde, quando fui informada que já tinham voltado, almoçado e estavam todos dormindo. Quando eu e meu Ben nos encontramos, ao ser indagado como tinha sido o passeio, ele respondeu: “na próxima vez quero que você vá junto e quero sentar em seu colo”. É muito amor!
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

07 out 2014

Como manter segura a carteira de vacinação do seu filho

por
Gabi Miranda

Comportamento, Filhos, Saúde

Minha mãe mudou muito de casa quando eu era pequena e sabemos que toda mudança envolve deixar algo para trás. Ou no sentido figurativo, de deixar para trás o que não faz bem para a nossa vida. Ou no sentido de perder mesmo algo. Minha mãe deve ter perdido muitas coisas. Entre elas, minha carteira de vacinação.

Já na vida adulta, toda vez que eu ia tomar vacina, me deparava com a seguinte reação das pessoas do posto: “nossa, mas você não tomou quase nenhuma vacina!!!”. Depois que me tornei mãe, fiz a leitura dessa reação. “Nossa, mas como sua mãe é irresponsável, não te levou para tomar quase nenhuma vacina”. Em resposta eu dava aquele olhar de quem queria dizer “se eu não tivesse tomado, não estaria aqui na sua frente agora”.

E só depois que me tornei mãe, juntamente a esses episódios, passei a dar a devida importância à carteira de vacinação. Primeiro, antigamente, os postos de saúde não faziam histórico de vacina do indivíduo. Atualmente, é possível encontrar postos que fazem esse tipo de registro. No entanto só das vacinas que seu filho tomou naquele mesmo local. Ou seja, todas as vacinas que a criança tomar naquele determinado local, ficarão registradas num computador. As vacinas que não foram tomadas no mesmo local, não ficam disponíveis. Por isso, a importância das vacinas ficarem registradas na carteira de vacinação.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

09 set 2014

Comunicado: chegou a hora do primeiro passeio escolar. E agora?

por
Gabi Miranda

Comportamento, Filhos

primeiro passeio escolar

E aí você está achando sua vida materna tranquila, calma, sem novidades, até que chega um comunicado. Chegou a hora do primeiro passeio escolar do seu filho. Como você reage:

a) acha maravilhoso e responde logo SIM, afinal seu filho está crescendo e é uma oportunidade de você estimular a autonomia dele;
b) fica em pânico! é o primeiro passeio escolar! e, em 30 segundos, pensa em 30 coisas terríveis que podem acontecer!;
c) se questiona se ele não é muito novo para essa primeira vez. Ele só tem TRÊS anos!!!;
d) antes de dar a resposta, envia um questionário para a escola;
e) todas as alternativas estão corretas, mas não exatamente nessa ordem.

Fiquei, ou melhor, estou em pânico. Outro dia mesmo, estava falando que jamais deixaria Benjamin ir num passeio com a escola, pois o achava muito novo para isso. Mas nem esquentava a cabeça com esse assunto, pois acreditava que era algo distante para acontecer. A inocente aqui achava que esses passeios escolares começavam aos 5 anos de idade. Sabe de nada! Agora o primeiro passeio escolar será daqui a 30 dias e eu sofrendo por antecipação – como diria minha mãe.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

16

comente!

Página 5 de 7Primeira...234567