12 jul 2017

15 sugestões para educar crianças feministas

Criar crianças feministas quer dizer educar crianças para que não haja diferença entre gêneros. Porque feminismo é isso, um movimento social que busca por direitos iguais entre gêneros. Nunca o feminismo esteve tão em alta e mulheres se sentem mais à vontade para falar como se sentem num mundo onde a desigualdade no mercado de trabalho, assédio e estupros são fatos crescentes. Sempre me preocupei em como educar um menino de forma a não criar uma diferença entre gêneros. Lá em casa, antes de existir a Stella, nunca teve esse negócio de rosa é de menina e azul é de menino. Mas então a Stella chegou e essa preocupação cresceu em mim. Ter uma menina significou pra mim um aumento gigante de responsabilidade. Eu vivo preocupada com os perigos que ela pode correr pelo simples fato de ser mulher.

O mesmo aconteceu com a autora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, conhecida como um dos nomes mais importantes entre os leitores de literatura africana. Conheci a história dela através de um artigo que ela escreveu para a revista Vogue, no qual ela conta como a gravidez a levou para um momento de reflexão profunda.  Há anos ela se preocupava com a maternidade e a forma de educar uma criança. Mas foi quando uma amiga de infância lhe perguntou como deveria fazer para criar uma filha feminista, que Chimamanda colocou os pensamentos em ordem.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

09 jun 2017

Equilibrosa, o livro

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros, Puericultura

 

Conheci o blog Equilibrosa por indicação de uma grande amiga e madrinha da Stella, a Dani. Lembro que entrei primeiro na página do facebook e me deparei com a seguinte frase:

“Quando nasce uma criança, nasce também uma oportunidade, e isso vale pra mãe, pro pai, pra tia, pra avó…”

Aquela frase tinha tudo a ver com a minha crença, sempre enxerguei a maternidade como uma grande oportunidade de criar um ser humano e contribuir para um mundo melhor, oportunidade para viver e enxergar o mundo com outros olhos. Foi o suficiente para pular pro blog e ler numa tacada só o blog todo.

Dois anos depois, agora em 2017, nasceu virtualmente uma amizade entre eu e a Mônica, a autora do blog Equilibrosa. Quem nos uniu foi a escritora italiana Elena Ferrante. Vejo muita semelhança entre a escrita de uma com a da outra. Virei fã incondicional das duas.

Gosto do Equilibrosa por vários motivos. Com a chegada da Stella passei a me identificar ainda mais com as histórias e reconhecer ali que não estou sozinha nessa jornada. É um blog materno diferenciado, feito com amor e nada comercial – coisa rara atualmente. Naquele espaço não encontramos dicas, mas histórias reais como a minha, a sua e a de um milhão de mães por aí. Além de amor, tem empatia de sobra.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

03 abr 2017

Criando meninas

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros, Puericultura

Criando meninas

Li recentemente o livro “Criando meninas”, do psicólogo Steve Biddulph, mesmo autor de “Criando meninos”, e a obra me trouxe bastante reflexões. A leitura me fez pensar muito sobre a criança que fui, sobre algumas experiências que tive na infância, o quanto estou me conhecendo melhor através do convívio com a Stella, sobre a minha responsabilidade em criar uma menina – pois sabemos, os perigos de ser uma mulher é grande!, na mulher que eu desejo que ela se torne, no quanto precisamos ensinar as meninas se defenderem e expressar claramente suas necessidades e opiniões, no quanto terá de mim dentro da minha filha (nós somos muito parecidas com as nossas mães, embora possa não parecer), na importância de ter por perto mulheres fortes que exerçam outras formas de influências (e aí sinto muito por minha mãe não estar aqui e ser uma dessas mulheres). E me fez pensar, sobretudo, outra coisa: que oportunidade maravilhosa essa tal de maternidade.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

15 ago 2016

Por que o bebê chora quando você sai do quarto?

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos, Livros, Puericultura

Porque o bebê chora quando você sai do quarto?

 

por que o bebê chora

Imagem do Google

Do livro Bésame Mucho – Como criar seus filhos com amor
Dr. Carlos González

O imediatismo é uma das características do choro infantil que assombra e irrita algumas pessoas. “É deixá-lo no berço e ele começa a chorar como se o estivessem matando”. Para alguns especialistas em educação, essa é uma desagradável faceta da personalidade infantil, e o objetivo deve ser vencer o seu “egoísmo” e a sua “obstinação”, ensiná-los a atrasar a satisfação dos seus desejos. Por que não pode ter um pouco mais de paciência, por que não pode esperar um pouco mais?

Nossos filhos pequenos começam a chorar com todas as suas forças quando se separam da mãe. Choram ainda mais forte em cinco minutos e somente param de chorar por esgotamento. Não parece lógico! Mas, sim, é lógico. Começar a chorar de maneira imediata é o comportamento “lógico”, o comportamento adaptativo, o comportamento que a seleção natural favoreceu durante milhões de anos, porque facilita a sobrevivência do indivíduo. Naquela tribo de 100.ooo anos atrás, se um bebê separado de uma mãe chorasse de forma imediata e com toda a potência do seu pulmão, sua mãe provavelmente voltaria imediatamente para pegá-lo. Porque essa mãe não tinha cultura, nem religião, nem conhecia os conceitos de “bem, “caridade”, “dever” ou “justiça”. Não cuidava de seu filho porque pensava que era sua obrigação, nem porque tinha medo da prisão ou do inferno. O choro do bebê simplesmente desencadeava nela um impulso forte, irresistível, de acudi-lo e acalmá-lo.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

27 jun 2016

O poder do discurso materno

O poder do discurso materno

As lembranças se organizam na consciência por meio de palavras, que quase sempre foram proferidas por nossa mãe. Assim, organizamos as lembranças do ponto de vista do discurso materno – que em geral está distante da nossa real experiência infantil – e acabamos por vestir certos personagens, atuando sempre da mesma forma na esperança de obter amor e aceitação. Quantas de nossas dificuldades afetivas, profissionais e familiares advém daí? – (O poder do discurso materno)

o poder do discurso materno

Tenho muitas opiniões sobre o livro de Laura Gutman: O poder do discurso materno. A autora me decepciona um pouco ao final da obra, quando fala sobre abuso sexual. Na verdade, a Laura me decepcionou na palestra que assisti recentemente, quando afirmou que a culpa dos abusos sexuais que algumas crianças sofrem, é da mãe. Mas não quero falar sobre isso nesse momento. Quero falar do aprendizado positivo do livro. Achei um pouco dolorido lê-lo porque nos reconecta com a nossa infância, com a criança que fomos, com os rótulos e personagens que ganhamos ao longo da vida. Por outro lado, essa conexão é importante para nos fazer enxergar o mundo e os nossos filhos a partir da nossa vivência.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

05 abr 2016

A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros, Puericultura

A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória, mostra como a sociedade não acolhe a mãe

Li o livro “A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória” grávida da Stella. Ao ler achei um pouco pesado para o momento, mas na época fiz anotações no próprio. Dia desses estava refletindo sobre como a maternagem nos transforma e nos faz questionar, no quanto a prática de maternar é diferente da teoria. Isso tudo porque eu pensava no esquema de vida que tenho com as duas crianças e traçava com os conselhos alheios. Porque sempre tem alguém, na tentativa de querer ajudar, pronto para “aconselhar” o que é melhor para você e sua família – e acredito mesmo que não seja por mal. Mas a realidade é sempre bem diferente da teoria. Foi quando procurando um livro, me deparei com esse novamente e peguei para folhear. Lá estavam todas as questões grifadas por mim, todas que nessa licença maternidade me assombraram ainda mais do que em qualquer momento desde que me tornei mãe.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

16 nov 2015

Os segredos de uma encantadora de bebês

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros, Puericultura

Li a primeira vez “Os segredos de uma encantadora de bebês – como ter uma relação tranquila e saudável com seu bebê” logo quando Benjamin nasceu. E li novamente agora com o nascimento da Stella. Impressionante como a gente esquece as primeiras semanas com o bebê, assim como esquecemos algumas leituras que fazemos. Esse livro é cheio de boas dicas que podem ser aplicadas no dia a dia. Claro, é aquela velha história, nem tudo que tem num livro tem cabimento e nem sempre cabe para todas as famílias e bebês, mas sempre dá pra tirar algum proveito, ainda mais dos segredos da encantadora de bebês.

encantadora de bbs

No início da obra tem um teste “conheça seu bebê”. São 20 questões a respeito do bebê e para cada uma o leitor escolhe a melhor resposta que descreve o comportamento do seu filho na maior parte do tempo. Foi uma surpresa descobrir marcações que tinha feito na época em que li, há pouco mais de 4 anos. O resultado sobre Benjamin era um empate entre bebê anjo e bebê livro-texto. Refiz o teste avaliando a Stella e por estar com ela no colo acabei não fazendo as contas para ter o resultado. Já sabia que daria algo como bebê sensível, desencanei e decidi ler o livro novamente sem saber a resposta.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

09 out 2015

Livro: O Diário de Bordo do Parto

por
Gabi Miranda

Livros, Puericultura

livro

Recentemente foi lançado o livro o Diário de Bordo do Parto, da autora Luciana Herrero, pediatra e educadora perinatal com mais de 20 anos de experiência no atendimento de mães,  família, grávidas. Para minha agradável surpresa recebi a obra em casa autografada pela Dra. e adorei o trabalho dela. Nesse livro, o tema principal é a escolha de um parto feliz e consciente.

Trata-se de um guia prático, resultado de anos de estudo, onde encontramos entrevistas com diferentes profissionais que lidam diariamente com parto e relatos dos mais diversos tipos de partos. É bem diferente de alguns livros que já vi sobre o assunto, é ilustrado, leve, cheio de dicas para que as gravidinhas e a família se sintam mais confiáveis e com menos medo. Apresenta e explica muitas práticas confiáveis baseadas em evidências científicas e descarta, com informações claras e objetivas, os mitos e “achimos” que podem confundir ou iludir as gestantes.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

07 jul 2015

A chegada de um irmão

por
Gabi Miranda

Livros, Puericultura

A chega de um irmão exige muita preparação junto do irmão mais velho

Eu e marido estamos passando por uma reciclagem sobre educação e comportamento infantil. Uma tentativa para driblar melhor as manhas que Benjamin tem feito e nos prepararmos para criar duas crianças ao mesmo tempo.Consiste em ler livros e materiais sobre o assunto. Na verdade, ele me pediu indicações de livros que temos sobre o tema e o primeiro que indiquei foi o famoso “Quem ama educa!“, de Içami Tiba. Minha indicação foi intencional. Eu não li esse livro inteiro, perdi o interesse na metade e pensei que se ele lesse, talvez me despertasse curiosidade a partir do que compartilhasse comigo sobre a leitura. Gol! Tem vários pontos interessantes no livro e um deles é esse que compartilho hoje: a chegada de um irmão. Vem muito de encontro com o que pensamos aqui em casa e com o que estamos tentando pregar desde o início da nossa gestação. Acredito que estamos nos saindo bem, apesar das manhas que Benzoca tem feito, o que imagino ser normal nessa fase, ele tem se mostrado carinhoso e se refere ao bebê como “nosso bebê”.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

22 set 2014

Crianças francesas dia a dia – 100 dicas para educar seus filhos

por
Gabi Miranda

Livros, Puericultura

Crianças francesas dia a dia

Recebi o livro “Crianças francesas dia a dia“, exatamente há seis meses, quando ele foi lançado. Ele estava lá na minha cabeceira somado a outros tantos livros esperando meu ânimo voltar. Quando o peguei, não larguei mais. É daqueles livros fáceis e delícia de ler. Eu já tinha lido “Crianças francesas não fazem manha” (e falei do livro AQUI e AQUI, da mesma autora, a jornalista Pamela Druckerman). Quem conhece, sabe que ela foi morar na França e por lá teve seus filhos, e foi onde aprendeu a educá-los. A educação na França é muito baseada por conceitos da psicanalista francesa Françoise Dolto, profissional admirada e mais famosa em criação de filhos na França. Gostei muito do primeiro livro, embora tivesse coisas que não concordava, com várias outras concordei e aprendi.

Alguns princípios norteadores dos pais franceses são:

  • a crença de que os bebês são racionais e conseguem aprendem coisas se forem ensinados;
  • combinam rigidez com liberdade;
  • Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

Página 1 de 212