08 set 2016

Cachos: dicas para quem tem cabelos cacheados

Nunca foi tão legal usar cachos!

Shakira - a cabeça de cachos mais lindos!

Shakira – uma das cabeças de cachos mais lindos!

Eu me empoderei dos meus cachos logo após o nascimento do Bennjamin, quando estava de licença maternidade, amamentando aquele bebezico no sofá, quando vi pela primeira vez o comercial da Natura Plant e aquela música ecoou meus ouvidos.

Oh, cabelo
Cabelo meu
Tão belo, tão poderoso, tão eu
Rebelde às vezes, às vezes dócil
Crespo, liso, ondulado, pichaim
Jeitoso assim, de qualquer jeito
Solto, preso, molhado, cheiroso, brilhante e macio

Até então, só tinha sido feliz com meu cabelo na época do surgimento da escova progressiva, quando também fiquei escrava dela. Daí que engravidei, e fui proibida de fazer qualquer procedimento químico, principalmente a progressiva. Sabemos que o cabelo cresce feito grama na gravidez, né? O meu cresceu e ficou aquela belezura de metade ondulada e outra metade lisa e ressecada. Acreditem, marido me ajudava a escovar o cabelo.

Quando vi pela primeira vez o comercial da Natura Plant, algo mudou dentro de mim. Na mesma hora marquei com meu cabeleireiro e no sábado seguinte cortei todo o meu cabelo que estava enoooooorme, na altura do ombro. Comprei o creme de pentear da Natura Plant para cachos e… comecei um caso de amor com meu cabelo.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

05 set 2016

Escolhas

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

– Ben, você foi convidado para participar da corrida Cartoon Network e um adulto pode correr junto. Com quem você quer correr, com o papai ou com a mamãe?, perguntou o pai ao menino.

– Quero ir com a mamãe!, respondeu o menino.

– Por que com a mamãe???, questionou o pai um pouco decepcionado.

– Porque uma vez com cada um, ué…

– Mas quando a gente vai correr de novo?

– Numa outra oportunidade, uma vez cada um, primeiro a mamãe, depois com você.

 

E ontem, lá fomo nós, a convite da OMO, participar da primeira corrida juntos. #CorridaCN Cartoon Network.

Escolhas-bossa-mae

 

Tive um sobressalto ao ouvir esse diálogo. Eu tinha oferecido para o marido correr com o Benjamin e ele decidiu perguntar o que o menino preferia. Eu não teria feito Benjamin escolher entre eu e o pai. Primeiro porque acho que isso não se faz com uma criança, segundo porque sou ciumenta e ficaria mal caso a escolha dele não fosse eu – mesmo sabendo que nada e ninguém ocupa o espaço que tenho no coração e na vida dele, terceiro porque eu sempre imaginei que a escolha dele em primeiro lugar fosse o pai, principalmente para uma atividade assim que eles tem algo mais em comum. Portanto, eu não me atreveria (fazê-lo) passar por isso. Foi uma grande surpresa ao ouvi-lo me escolher. Meu eu interior pulou, dançou, deu gritinhos, puxou os cabelos, tudo de felicidade. Mas acho que foi uma grande surpresa para o marido também.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

29 ago 2016

Não sinto falta da minha vida antes da maternidade

É um tal de “filho cansa, não consigo ser a mãe que quero, estou exausta, sinto falta da vida sem filhos” e por aí vai… Não discordo de nada disso, mas não sinto falta da minha vida antes da maternidade

maternidade-bossa-mãe

 

Confesso, tenho meus momentos de baixo astral, mas prefiro sempre ver o lado bom da vida, seja ela materna ou não. Não sinto falta da minha vida antes da maternidade. Acho que tudo vivido antes dos filhos foi demais e aproveitei na intensidade necessária para deixar lembranças agradáveis, tanto que só tenho boas lembranças. Eu não trocaria nada nessa vida para voltar no tempo, não sinto saudade a ponto de me lamentar.

O contraditório disso tudo é que nunca me imaginei casada e com filhos. Sempre achei que essa tal de maternidade não era pra mim. Eu sonhava em desbravar o mundo. Mas a vida é muito louca e toma rumos inexplicáveis. E hoje eu não imagino a minha vida sem filhos. Casei com um cara que conheci num desses encontros às escuras. Quase isso. Eu trabalhava numa assessoria de imprensa que atendia a empresa para qual ele trabalha. Então nos falávamos todos os dias por telefone e e-mail, até que um dia ele começou a me chamar para sair. A história é longa… resumidamente, ao vê-lo, por nenhum segundo passou pela minha cabeça que viveríamos tudo o que já vivemos juntos. Nosso encontro virou uma paixão, que se transformou em amor e quando vimos não tínhamos mais para onde fugir, não adiantava resistir. O amor foi crescendo, crescendo, crescendo e… transbordou. Transbordou em forma de filhos. Estamos indo para um casamento de 8 anos. E quando olho para trás não consigo sentir falta da minha vida antes dele e de nossos filhos.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

23 ago 2016

Você é produtiva ou ocupada?

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Você é produtiva ou Ocupada – Esse foi o título de uma das matérias de capa da revista Glamour, edição de agosto e que ficou martelando minha cabeça por dias

 

você é produtiva

 

Em julho, tirei duas semanas de férias e foram dias nada produtivos. Ficamos em casa eu e Benjamin, alternando alguns passeios dia sim outro não. Os dias em que ficamos em casa, pra mim, foram dias em que eu tinha a sensação de não conseguir fazer nada. Primeiro porque acordávamos lá pelas 10:00 e aí a manhã não rendia, o almoço ficava pronto lá pelas 14:30, o dia acabava rapidamente deixando a sensação de ter um monte de coisas por fazer. Tinha mesmo, mas também abri mão e me dei o prazer de curtir o dolce far niente.

Voltando das férias, a rotina voltou ao normal e vejo o quanto eu consigo produzir, o quanto a falta de rotina me faz mal. Agora outra sensação me acompanha. A de ter um monte de coisas por fazer e mais um monte que eu adoraria incluir na lista, mas que por falta de tempo não consigo. E aí me vejo naquela tarefa árdua de fazer escolhas. É ainda mais difícil fazer escolhas quando se tem filhos pequenos, pois não queremos abrir mão de ficar com eles para fazer qualquer outra coisa que gratifique nosso lado pessoal. Também não dá para enchermos nosso tempo com tudo o que desejamos fazer, afinal um dia a vida pede prestação de contas. É preciso ter calma.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

12 ago 2016

10 coisas sobre paternidade

Perguntei ao marido: fala 10 coisas que ninguém diz sobre paternidade? Ele prontamente me mandou um texto sobre o assunto. Confira abaixo.

 

paternidade

 

Por Roberto Piffer, pai do Benjamin e Stella

Não chega a ser segredo, mas tem coisas que ninguém anda dizendo por aí sobre paternidade. Imaginem que existe um outro lado, avesso à maternidade, onde coisas diferentes acontecem, mas quase nunca são reveladas… até então! Veja a lista abaixo e entenda um pouco mais do lado paterno da vida das crianças, do ponto de vista do homenageado do próximo domingo:

1. O parto
A hora do parto é um momento de muito nervosismo e tensão para o pai (acho que por isso alguns chegam a desmaiar). Lógico, para mãe muito mais, mas a verdade é que ao pai, dá uma sensação de paralisia, pois temos que ficar esperando longamente e, quando somos chamados para a sala, não tem o que fazer, a não ser não encostar em nada, falar pouco e ficar assistindo a tudo. É estranho e ruim, podia ter um carrinho com bebidas por lá. Mas a recompensa de sentir o filho pela primeira vez no seu colo é impossível de descrever (lembrando que a mãe larga na frente, pois já sente a criança dentro da barriga).
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

08 ago 2016

Deixe o pai do seu filho participar dos cuidados e criação

Em comemoração ao Dia dos Pais, essa semana aqui no blog, os textos serão especialmente dedicado a eles, o primeiro, um conselho às mamães: deixe o pai do seu filho participar

 

pai do seu filho

Não é novidade que nós, mães, concentramos a maior parte das tarefas relacionadas exclusivamente ao bebê e, vamos combinar, parte disso é porque não deixamos o pai fazer do jeito dele, sempre estamos metendo o bedelho. A imagem que se tem de um pai é a de um cara bagunceiro, indisciplinado, sem noção, que deixa as crianças jogadas, não lembra os horários das refeições e ainda as alimenta com porcarias e assim por diante. Essa imagem precisa ser deletada, pois os papais tem participado cada vez mais da criação dos filhos e também dos cuidados do lar. Está na hora de pararmos de reforçar por aí a imagem de que o pai faz tudo errado e, principalmente, de deixá-los fazer do seu jeito.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

27 jun 2016

O poder do discurso materno

O poder do discurso materno

As lembranças se organizam na consciência por meio de palavras, que quase sempre foram proferidas por nossa mãe. Assim, organizamos as lembranças do ponto de vista do discurso materno – que em geral está distante da nossa real experiência infantil – e acabamos por vestir certos personagens, atuando sempre da mesma forma na esperança de obter amor e aceitação. Quantas de nossas dificuldades afetivas, profissionais e familiares advém daí? – (O poder do discurso materno)

o poder do discurso materno

Tenho muitas opiniões sobre o livro de Laura Gutman: O poder do discurso materno. A autora me decepciona um pouco ao final da obra, quando fala sobre abuso sexual. Na verdade, a Laura me decepcionou na palestra que assisti recentemente, quando afirmou que a culpa dos abusos sexuais que algumas crianças sofrem, é da mãe. Mas não quero falar sobre isso nesse momento. Quero falar do aprendizado positivo do livro. Achei um pouco dolorido lê-lo porque nos reconecta com a nossa infância, com a criança que fomos, com os rótulos e personagens que ganhamos ao longo da vida. Por outro lado, essa conexão é importante para nos fazer enxergar o mundo e os nossos filhos a partir da nossa vivência.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

03 jun 2016

De quem é a culpa?

Por que acontece tantos casos de estupros? Por que as pessoas matam, violentam e se drogam? De quem é a culpa?

culpa

Há uma semana estou tentando digerir essa história do estupro coletivo cometido por #33 homens. Há tempos venho tentando digerir comentários das pessoas na internet, whatsapp sobre tudo. Política, racismo, piadas infames. E agora mais essa, sobre o estupro. Ao mesmo tempo que a internet nos aproxima um do outro, também nos aproxima da imbecilidade e boçalidade do outro. Nesse mundo digital conhecemos um pouco o lado B do seres humanos, porque é através da internet que rostos ganham vozes. E, gente, como essas vozes são boçais. É impressionante como em pleno século 21 o mundo ainda reaja com tanto descaso, tanto preconceito.

Dessa história toda dos #33 estupradores, muita coisa me deixa absurdamente incrédula. Uma jovem foi estuprada. Não importa se foi 1, 2, 33. É fato. Foi estuprada. E isso acontece a cada 11 minutos no Brasil. Como uma mulher é estuprada, violentada e  ainda não tinham, até domingo passado, prendido nenhum suspeito?! Gente, os caras não só filmaram a barbaridade, como compartilharam nas redes sociais orgulhosos do seu feito. Além de tirar sarro da vítima, isso indica sarro da sua cara, da minha, da polícia, da sociedade em geral, porque ao fazerem isso eles acreditam fielmente que não serão punidos. Desconfio que devem ter razão, afinal por que não prenderam os caras na hora que esse vídeo vazou na internet?! O negócio tomou uma proporção imensurável no mundo e simplesmente ninguém tinha sido preso até outro dia. Impressionante e assustador, muitas pessoas culparem a vítima e não os agressores. Simplesmente porque os ignorantes acham que “as meninas que vão para o funk procuram isso; a mulher não se dá o respeito vestindo certas roupas; se tivesse lavando louça em casa, não teria sido estuprada; etc, etc, etc”. Oi? Para o mundo que eu quero descer! Aliás, que mundo é esse? É o mundo no qual a palavra da mulher não tem valor.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

17 maio 2016

10 coisas que aprendemos com a maternidade

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Maternidade e muito mais no encontro com Cris Guerra no Seminário Pais & Filhos “Mãe Também é Gente”

Maternidade -Cris Guerra

Domingo aconteceu o Seminário Pais & Filhos “Mãe Também é gente”. O evento contou com a participação de palestrantes bem interessantes, conteúdo relevante e de qualidade. Todos merecem destaque, mas hoje vou falar da Cris Guerra, publicitária, mãe de Francisco, autora do blog Hoje Vou Assim e dos 4 livros: Para Francisco, Moda Intuitiva, Mãe, e, Que ninguém nos ouça – esse escrito com a jornalista Leila Ferreira.

Cris Guerra mesmo com toda a sua história de perdas, é uma pessoa leve e com senso de humor. Consegue transmitir leveza àqueles que estão por perto e a sensação de que a vida vale a pena sim apesar de tudo. E afirma:

A vida é feita de duas partes: uma que a gente não escolhe e outra que está em nossas mãos.

Em sua palestra “Mãe não é um bicho frágil”, ela compartilha um pouco da sua vida, fala sobre temas universais e nos alerta: a vida não tem controle, e quando aprendemos isso, aprendemos a entregar. Saí com algumas reflexões, uma delas sobre o quanto nós mães, às vezes, podemos ser egoístas com os nossos próprios filhos. Basta pensar no nosso desejo de não querer perder nenhuma primeira vez dos nossos pequenos. Queremos que eles andem, mas que sejam conosco os primeiros passos. Que andem de avião, mas que seja com a gente. Cris contou um episódio, no qual Francisco foi ver pela primeira vez o mar com os avós paternos. Sofreu, mas depois pensou: que bom que ele viu o mar! Depois verá outro dia comigo. E por falar em sogros… Cris faz uma ponte entre o filho e os avós paternos, inclusive únicos avós.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

6

comente!

16 maio 2016

Bebês são detetives emocionais

Bebês – detetives emocionais

bebês

A revista ÉPOCA da semana passada (9 de maio, nº934), trouxe uma entrevista com o psicólogo americano Andrew Meltzoff, uma das maiores autoridades mundiais no estudo da infância, sobre o desenvolvimento infantil. Achei muito interessante algumas coisas ditas por ele, como o fato da criança ser capaz de assimilar os preconceitos mais sutis de seus pais e de perceber ambientes hostis. Eu, por exemplo, vivo em busca da melhor forma e jeito de falar, pois um volume de voz mais alto ou um tom pouco mais alterado, meu filho Benjamin já acha que estou brava. Acredito muito em tudo o que psicólogo diz na entrevista, inclusive que os bebês são detetives emocionais, até porque nosso humor reflete também no dele. Essa entrevista também me fez refletir na importância da escolha com quem deixamos nossos filhos, seja um cuidador ou escola. Compartilho agora com vocês.

ÉPOCA – Por que o senhor privilegia em suas pesquisas a importância da fase entre o nascimento e os 5 anos de idade?Andrew MeltzoffHá evidências científicas de que o desenvolvimento da criança no começo de sua vida ajuda a determinar o adulto que ele será. O cérebro do bebê é esculpido pelas experiências. Ele é profundamente afetado pelas interações sociais e físicas que tem com o mundo. Nesse período o bebê aprende mais do que aprenderá em qualquer outro período cronológico similar.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

10

comente!

Página 4 de 10Primeira...234567...Última