23 maio 2016

A vida pós licença maternidade

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

A licença maternidade é um período sabático da vida profissional, é exaustiva, mas também é uma pausa maternal deliciosa

Vertical shot of a woman being deep in thought

Quando estamos grávidas idealizamos a licença maternidade e a esperamos como se fossem férias – mesmo achando ruim quando alguém se refere à licença maternidade como férias. Licença maternidade está longe disso. Trabalhamos igualmente, mas para uma causa maior. Ficamos longe do cotidiano profissional, porém somos envolvidas por outro tipo de rotina. É inexplicável tudo o que se passa conosco nesse período. Mas quero falar da vida pós licença maternidade. Após um período curto de 4 meses, precisamos nos adaptar à vida real. Nova, a vida já é desde quando o bebê nasceu, mas a realidade vai mudando a cada período. A mudança mais radical é quando a mãe tem que voltar ao trabalho. Começa aí uma adaptação para a vida funcionar. Eu lembro exatamente como foi essa moldagem com a chegada do Benjamin e agora vivo com a Stella.

Há 5 meses voltei ao trabalho, nos primeiras semanas é tudo maravilhoso. Você volta a se relacionar, ver as coisas acontecerem, se sente em movimento, volta a se sentir parte do mundo, a conversar de outros assuntos. Só que é um mundo diferente. Com o passar do tempo, você percebe que nem todo mundo vive a mesma realidade que a sua, as conversas, embora não sejam de filhos, fraldas e melhor pomada para assadura, nem sempre são tão interessantes, faltam coisas em comum. O assunto acaba sendo sempre o mesmo, na maioria das vezes: trabalho. A correria do dia-a-dia profissional passa a te consumir, cada vez temos menos tempo para pagar as contas com calma, marcar um médico, ler uma notícia, uma revista, estabelecer horários e por aí vai…
Clique e continue lendo!

compartilhe!

4

comente!

05 maio 2016

Coração de mãe é gordo

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

coração de mãe

Estávamos lanchando antes de entrar no cinema. A bebê no sling e os meninos, eram 3, todos soltos. O mais novo da outra família, me observando com a bebê, comentou baixinho com a mãe dele:

“Mãe, quando a gente tem um bebê em casa, a mãe gosta mais do bebê?!”

Aquilo me preocupou. Será que o meu menino, o mais velho da nossa família, pensava isso também?!

Quando meu Ben nasceu eu achava esquisito não sentir aquele amor todo arrebatador que ouvia falarem por aí. Ainda hoje, confesso, estranho quando vejo as colegas nas redes sociais comentando o grande e infinito amor ao ver o bebê pela primeira vez após o nascimento. Mais ainda quando vejo foto do pai agarrado a barriga fazendo declarações de amor. Estranho, inclusive, não vê-las reclamando das noites mal dormidas ou de cansaço ou do marido. Na verdade, eu me acho a esquisita porque pra mim o meu bebê era um estranho.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

5

comente!

25 abr 2016

A arte de sentir gratidão

gratidão

Minha vida, até aqui, pode ser dividida em três partes: antes e depois do Benjamin, depois da morte da minha mãe. Antes do nascimento dele eu era uma pessoa e me tornei outra completamente diferente. Quem me conhece sabe. A mudança é notável não só para quem está de fora, mas pra mim também. Benjamin encheu minha vida de sentidos e das coisas mais maravilhosas que podem existir no mundo. Ele me trouxe a fé, a esperança, a crença em um Deus.

A morte da minha mãe me causou a dor mais profunda até hoje, me afastou de Deus, abalou minha fé, mas me ensinou outras tantas coisas que, atualmente, apesar da saudade, consigo enxergar o valor que essa perda agregou na minha vida. Aprendi muitas coisas com a morte dela. Passado o luto, consigo enxergar isso. Foi no meio do luto da minha mãe que engravidei novamente, e, entre um processo de reabilitação, entre tristeza e alegria, passei a dar valor às possibilidades e oportunidades que a vida nos proporciona.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

5

comente!

19 abr 2016

10 Coisas que não se deve dizer à mãe que trabalha fora

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

Existem muitas coisas que não se deve dizer a uma mãe que trabalha fora e ao pensar em dizer, acho que vale o ditado: em boca fechada não entra mosca

mãe que trabalha fora

É comum muitas mulheres pararem de trabalhar após a maternidade e não sei se por isso, está ficando cada vez mais comum as pessoas estranharem quando encontram uma mãe que trabalha fora. Sim, ainda existem milhares de mães que não largam o emprego. Os motivos são diversos, entre eles a necessidade financeira ou realização pessoal. Afirmo, os dois fatores são meus motivos. Mas o segundo pesa mais. Eu amo meus filhos mais do que qualquer coisa nessa vida, no entanto não me vejo sem trabalhar. Eu preciso disso.

Nessa, vivo e sofro um conflito imenso na vida, pois assim como gosto de ser uma mãe que trabalha fora, gostaria de ter mais tempo com os meus filhos, óbvio. E como gostaria! Por isso, não descarto a ideia de um dia vir trabalhar meio período em casa. Mas essa ainda não é minha realidade. E fico triste porque as pessoas, em geral, não valorizam o esforço que muitas mães fazem ao optar por essa escolha. Somos julgadas por isso. Esse julgamento vem por diversas vezes explícito num comentário ou simplesmente estampado na cara de quem não vive a mesma realidade da mãe que trabalha fora.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

13

comente!

04 fev 2016

Tempo: as reflexões de uma mãe

Tempo, tempo, tempo…

reflexão

Haverá um dia em que vocês não mais encontrarão os brinquedos pelo chão.

Essa frase foi dita pela professora, na formatura da Luna, filha da minha amiga Rose, do blog Vida de Mãejestade. Desde que li, em dezembro,  ela norteia meus pensamentos. Eu vinha refletindo muito sobre as coisas que vou demorar um pouquinho para fazer, agora com uma bebê tão novinha, das viagens que eu e marido não faremos tão cedo sozinhos, da casa sempre bagunçada com coisas de criança espalhadas por todos os lados, as noites mal dormidas, da dor nas costas, das manhas, das bolsas a preparar todas as noites, os choros, das 22985637 vezes que escutamos a palavra “mãe” diariamente, da falta de tempo para um banho longo, para uma leitura, para dormir mais um pouquinho, da preguicinha que dá em fazer algumas coisas com dois filhos.

Pensamentos que contradiziam com outros. Como a velocidade implacável do tempo. Tem todas essas coisas (e muito mais) citadas acima, mas tem também o fato de que é muito gostoso ter filhos e as crianças crescem rápido demais. Outro dia mesmo, Stella era uma RN e eu chorava porque estava achando que não daria conta de passar sozinha pela licença maternidade. Chorava porque ela só queria dormir comigo na cama (e eu com ela), porque queria colo 101% do tempo e eu tinha medo que isso fosse para sempre. Quanta ingenuidade (!), nem parecia mãe de segunda viagem. Não sei em qual momento, mas havia me esquecido que tudo aquilo passaria, era só uma fase. Pois logo Stella descobriu que era mais confortável dormir em seu espaço. E eu descobri que precisava aproveitar mais cada segundo com ela. Lembro de acordar uma madrugada para atendê-la. Levantei reclamando e ao aninhá-la em meus braços e colocá-la no seio para mamar, algo iluminou minha mente como uma mensagem que dizia “isso também vai passar”.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

27 jan 2016

O lado B da maternidade

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

O lado B da maternidade existe sim, mas…

http://www.danielleguentherphotography.com/

http://www.danielleguentherphotography.com/

Tenho visto pela internet, textos com a pretensão de mostrar que a maternidade não é tão romântica como se vê por aí. Muitas amigas tem vindo comentar comigo que sentem vontade de ter filho ou de ter o segundo por conta das coisas que posto nas redes sociais sobre a minha nova vida como mãe de dois, principalmente da relação que Benjamin vem construindo com a irmã. Eu já disse que ter filhos traz felicidade, e admito que apesar de tudo, acho a maternidade maravilhosa. Esse “apesar de” trata-se do lado B da maternidade. Continuo acreditando que filhos trazem felicidade sim, mas maternar é contradição, maternar é doloroso. Ao mesmo tempo que a maternidade traz consigo muitas alegrias, traz também vários sentimentos imensuráveis. Taí a culpa – essa maldição da maternidade – que não me deixa mentir.

Alguns acham que as mães, inclusive mães blogueiras, ocultam o lado B da maternidade, eu não encaro assim. Em geral, acredito que tem o lance de culpa da culpa. Explico. Eu amo ser mãe, mas é difícil admitir que às vezes eu queria ir ao banheiro em paz, comer minha comida quentinha, dormir noites inteiras, não ser interrompida numa conversa com adultos, ir à uma festa com a única responsabilidade de me divertir sem ter hora para voltar pra casa, não ter que me preocupar com quem a criança ficará durante uma semana de férias enquanto eu trabalho. É difícil maternar quando ser mãe é sinônimo de amor incondicional, dedicação exclusiva, abrir mão de si próprio.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

12 jan 2016

Licença maternidade não é férias

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

licença maternidade

Imagem do Google

Existe uma falsa ideia de que licença maternidade é um período de descanso, algo idêntico a férias, já que a pessoa fica um período afastada da empresa, sem praticar as atividades profissionais. Nós mesmas, quando grávidas, fazemos genuinamente planos para os meses que ficaremos em casa. Vou organizar os armários da cozinha, praticar um hobby, passear, aproveitar a piscina, encontrar as amigas, ler aqueles 10 livros empoeirados há um ano na cabeceira, assistir todos os filmes vencedores do Oscar 2011,  2012, 2013, 2014 e, lógico, 2015… e mais uma lista infindável de coisas que, sinto informá-la, não serão feitas na sua licença maternidade.

Quem já tem a experiência de um filho, tem uma expectativa menor sobre o que conseguirá fazer na licença maternidade (e pode até ser que consiga fazer 2 ou 3 itens da lista) e se incomoda demais com a falsa ideia das pessoas sobre o que significa a licença maternidade. Você passa o último trimestre da gestação sem poder reclamar que está cansada, por exemplo, do trabalho. Ouve-se o tempo todo as pessoas dizerem “ah, mas logo você ficará um bom tempo em casa descansando e eu que continuarei trabalhando”. Obviamente essas pessoas não tiveram filhos e não tem a menor ideia da vida após o nascimento de um bebê. Então, você respira fundo, pois compreende, se essa pessoa não tem filhos, ela não sabe o que está falando. Mas esses comentários se tornam frenquentes durante a gestação e, inclusive, na licença maternidade há quem pense que você não faz nada e pede favores acompanhados de frases assim “você podia ver isso já que está em casa e tem mais tempo”. Imagina uma puerpéria ouvir isso. Então, dá vontade de matar o ser humano.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

07 dez 2015

Impotência define o sentimento de não conseguir amamentar

Blog_fotos-2015-5

Quando Stella completou 3 meses, recebi a notícia da pediatra que deveríamos complementar a amamentação com fórmula porque ela havia engordado apenas 200g no mês (estava com 5,600kg). Entrei em crise, chorei, fiquei mal, li tudo sobre relactação, conversei com as amigas, com o marido, fique tão chateada que não conseguia analisar friamente a situação e a amamentação da Stella. Tanto que nos três primeiros dias após a orientação da pediatra, comecei a complementar com 30ml após algumas mamadas (a pediatra havia sugerido essa quantidade após todas as mamadas). Passados esses dias, e uma garrafa de vinho que me permiti tomar, consegui examinar melhor as condições da minha bebê: mamando só no peito ela não chorava de fome, não estava desnutrida, continuava crescendo, inclusive estava dentro da curva, e as pernocas dela não aparentavam a de um bebê sem alimento.

Abre um parênteses. Antes de continuar esse post, quero fazer um agradecimento especial à minha prima e nutricionista Beatriz Miranda, que me auxiliou e aconselhou continuar amamentando a Stella no peito e também me explicou que tudo ficaria bem se eu decidisse complementar. Às amigas blogueiras Nanna Preto, Fabiana Deziderio, Patricia Cerqueira, Lelê Sordili e Diiirce que me acolheram com abraços virtuais quentinhos, palavras reconfortantes, revelações e histórias engraçadas, quando saí chorando da consulta pediátrica (e diariamente). E ao marido pela paciência e apoio de sempre, mas principalmente pelo cuidado de ter me deixado dormir mais no dia seguinte à consulta, mesmo tendo amamentado a Stella com fórmula. Fecha parênteses.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

24 nov 2015

O segundo filho é mais fácil?

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

A pergunta mais frequente que me fazem agora é essa: o segundo filho é mais fácil?

Blog_fotos-2015_3

Alguns dizem que sim. Eu acho que nem tanto. Algumas coisas são mais fáceis e só precisam novamente pegar a prática, como segurar um recém-nascido, fazer dormir, trocar fralda, dar banho, essas coisas. Tem também coisas que fazíamos no primeiro que deixamos de fazer no segundo, isso é verdade (!), como ferver a chupeta todas as vezes que ela cai no chão de casa, medir temperatura da água do banho com termômetro, usar apenas a melhor marca de fraldas, limpar o bumbum só com algodão até os 4 meses… Com o segundo filho meio que já sabemos que não fará mal algum ouvir mais a nossa intuição do que seguir à risca a orientação do pediatra, estamos prontas para as etapas que estão por vir, mesmo sabendo que um filho é diferente do outro. Estamos um pouco mais calejadas, experientes e menos melindradas.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

12 nov 2015

Birra e os momentos que ninguém vê

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

Imagem Google

Imagem Google

Sexta-feira passada comecei o dia bem. Acordei ao lado dos meus dois filhos amados, até postei uma foto nas redes sociais dizendo o quanto Benjamin é fofo com a irmã, o quanto é bacana ver a relação deles se construindo. Levantamos, preparei o café da manhã, tomamos, ajeitei as coisas e fui me arrumar. Benjamin sempre prestativo disse que ficaria brincando com a Stellinda. Era dia de pediatra e quando estava perto de sairmos, começou um daqueles momentos que ninguém vê. Benjamin começou fazer a maior birra dos últimos tempos. Benjamin é uma criança de ouro, muito comportada, boazinha, educada, mas ele tem tido momentos de birras. Ele nunca fez birra em público (meu maior pavor) e a birra aqui não é algo constante, no entanto, quando acontece dura um tempo interminável e nunca acaba como eu gostaria.

Geralmente, começam do nada e mesmo que eu o alerte sobre seu comportamento, ele continua. Não foi diferente na última sexta. Falei e respirei fundo uma, duas, três, quatro, cinco vezes e nada dele parar. Ele começou a gritar e eu perdi a paciência. Pareço boa mãe, mas fiz uma ameça horrível: “Benjamin, o prédio inteiro está ouvindo você gritar desse jeito, vão chamar a polícia pra mamãe. Quer que eu seja presa?!”. Obviamente ele disse que não, mas esse aviso não foi suficiente para ele parar. Pela primeira vez na vida, senti vontade de dar umas boas palmadas no Benjamin, mas eu continuava a respirava fundo. Stella só olhava atenta a tudo. Chegamos no carro e Benjamin continuava chorando e gritando. Foi terrível. Fiquei tão nervosa que mal conseguia dirigir. E nesse meio-tempo já havia dado a sentença a ele: sem televisão o final de semana inteiro, de sexta a domingo.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

Página 3 de 512345