18 set 2017

Desempregada nas férias – o jeito é vadiar

férias

Amo tirar férias. Ainda mais quando parece que vou surtar e as férias se tornam necessidade absoluta. E vou contar um segredo: volto uma casa quando penso em empreender e lembro que as chances de ter férias diminuem. É muito prazerosa a ideia de ganhar dinheiro durante um mês que você não vai trabalhar. Férias é momento de curtição remunerada. Mas… fiquei desempregada no último dia antes de sair de férias. Rá! O jeito agora é desencanar e vadiar nos próximos 30 dias que seriam minhas férias.

Vou viagem e tirar alguns dias de descanso. A viagem em si já é algo libertador pra mim. E fico contando as horas para chegar. Estou aqui pensando como foi difícil decidir o destino e como demorou pra chegar esse momento. Fechamos com muita antecedência e isso me faz lembrar o Leo Jaime outro dia dizendo que escolher o destino com antecedência é como saber se vamos querer transar todo dia às 11 da noite. Pois por mais que a ideia agrade, a gente nem sempre sabe se vai estar no clima. Faz sentido já que não sabemos como estará nosso humor no dia, na hora na semana (e se ficaremos desempregados). A dois dias para nossa viagem, estou bem animada. Afinal, o que não tem remédio, remediado está.

Todo ano fazemos uma viagem bacanuda. Dessas de se programar com certa antecedência, ir pra fora do Brasil. E venho refletindo que talvez seja a última. Não por nada, mas porque temos planos e nesses planos talvez não caiba mais uma viagem gradiosa como essa. (ah e também porque fiquei desempregada, não consigo pensar em outra viagem agora). Vai ficando caro viajar com filhos. Não esqueço em uma sessão de coaching quando comentei sobre o medo que tinha de sair do CLT. Disse que dois dos meus maiores medos eram ficar sem convênio saúde e não viajar mais com a família. Poxa, tanta gente no mundo não viaja e continua feliz tendo outras coisas. Só porque a blogueira de viagem tá em todo lugar a todo instante, não quer dizer que ela é feliz. Ou que você precisa fazer o mesmo para ser feliz.

A gente não precisa ir a todo os lugares que todo mundo vai. A gente não precisa fazer igual a todo mundo. E aí lembro de outra frase, a que todas as mães já disseram pelo menos 100 vezes para seus filhos. “Você não é todo mundo”. Eu precisei perder a minha mãe para enxergar como ela estava certa em tantas coisas. A gente não precisa fazer uma viagem internacional por ano para nos sentirmos realizados.

Talvez só acordar com o despertador nas férias e ter o prazer de desliga-lo e virar novamente para o lado e voltar a dormir até o corpo cansar. Tá bom, nenhuma mãe ou pai consegue fazer isso, esquece. Outro exemplo. Fazer as coisas sem pressa. Passar um dia sem dizer “vai logo” para o filho. Ficar um instante contemplando um lugar. Ler um livro inteiro numa tacada só – e isso pode ser uma grande viagem sem sair do lugar. Olhar ao seu redor e deixar que o coração sinta aquele momento.

Férias é sinônimo de bons momentos, de compartilhar histórias, tempo, afeto e ócio com quem amamos. Não importa se você vai viajar ou ficar em casa u se ficou desempregado no último dia antes das férias. O essencial agora é desperdiçar o tempo como você bem entender. Férias é uma vez ao ano, quiçá duas vezes. Se não quiser fazer nada, está tudo bem também. O importante é tirar férias do trabalho, das cobranças, da pressão do dia a dia, dos projetos de vida. FÉRIAS! E nesse momento eu quero colocar os medos de lado e vadiar. Pensar que só vou pensar em malas da minha viagem. Rá! (só o pessoal do trabalho entenderá essa frase)

Estou saindo para as minhas férias. Vou vadiar e curar o susto da demissão na Europa. Durante esse período, apareça por aqui, terá conteúdo pronto pra você toda segunda, quarta e sexta-feira. E acompanhe-nos nas redes sociais. 😉

 

Leia também: as cidades que vamos conhecer nessas férias com as crianças

compartilhe!

0

comente!

Comente!