23 ago 2013

Diário do desfralde

por
Gabi Miranda

Bebê, Desenvolvimento, Filhos

12/08, Segunda-Feira

Primeiro dia do processo. Como disse AQUI, enviei a quantidade de roupas que pensei ser necessária, mas não enviei fraldas – imprescindíveis para a hora da soneca e para ir embora pra casa. A tia do Ben, muito querida, deu um jeitinho e conseguiu duas. Todas as roupas voltaram molhadas. TODAS! Inclui meias e até o tênis.

13/08, Terça-Feira

A mãe aqui ficou o dia inteiro sofrendo. Pasmem, comecei a achar que não era preciso iniciar isso agora, mesmo com os sinais que Benjamin já havia demonstrado. Sei lá, poderiam ser sinais dele ou sinais de mãe que adora contar vantagem – não que esse seja o meu caso. Apenas duas roupas voltaram molhadas. Mas Benjamin não pediu para ir ao banheiro.

14/08, Quarta-Feira

Fiquei mais tranquila ao ver que o processo era assim mesmo, meio lento e que tudo daria certo. E para tranquilizar ainda mais, nenhuma roupa veio suja. Mas Benjamin não pediu para ir ao banheiro.

15/08, Quinta-Feira

Super confiantes. Não veio nenhuma roupa suja. E demonstramos nosso orgulho, satisfação e alegria do Benjamin estar a caminho de mais uma conquista importante em sua vida. Mas ele não pediu para ir ao banheiro.

16/08, Sexta-Feira

Idem ao dia anterior.

Todos os dias anteriores ele fez cocô na fralda após acordar da soneca.

17/08, SÁBADO!!!

Dia do processo prosseguir, mas em casa, era a vez de nós, pais, atuarmos. Fiquei com um pouco de receio porque tínhamos uma festa para ir, e, sair pode não ser tão legal para esse início. Mas tinha em mente uma coisa: não colocaria a fralda nele em hipótese alguma. Já li absurdamente sobre o assunto e colocar a fralda quando já iniciou o processo, faz o negócio todo regredir, a criança ficar confusa, enfim… exceto, se os pais perceberem que a criança realmente não está preparada – ao menor sinal disso, pare tudo! Siga sua intuição.

A minha dizia que estávamos no caminho certo e que não podia colocar tudo a perder. Fomos à festa de cueca e roupas estocadas na bolsa. No Buffet, tinha banheiro infantil e algo me diz que isso foi decisório para o progresso que Benjamin teve desde então. Na festa mesmo ele passou a pedir para fazer xixi, algo que até então ele não tinha feito. Engraçado que ele vinha avisar e já saía correndo em direção ao banheiro nos chamando “Vem, mamãe” ou “ Vem, papai”.

Antes de irmos embora, colocamos fralda, pois sabíamos que Benjamin dormiria no carro. Continuou dormindo em casa. Ao acordar fez cocô na fralda. Tirei a fralda e deixei ele de cueca. Nesse mesmo dia ele passou a usar o penico – algo que até então se recusava fazer. Ficou feliz da vida quando ao fazer xixi, o penico começou a tocar uma música. JURO! Benjamin vibrou com os braços pra cima como os torcedores fazem quando seu time está goleando numa partida de futebol e como o personagem principal do seu livro “O Penico”. Ficamos todos mega felizes.

Diário do desfralde

18/08, Domingo

Fomos almoçar fora com tios e primos. Saímos sem fralda, ele dormiu, mas ele não fez xixi. Depois fomos tomar um café na casa de um primo meu e nada de Benjamin fazer xixi. Já fazia horas que estávamos fora de casa e comecei a ficar preocupada. Ele queria fazer, pedia, mas na hora não fazia.

Fatores que eu achei predominantes: a privada era do tamanho normal; Benjamin não senta, quer fazer sempre em pé e em privadas grandes fica um pouco mais desconfortável fazer em pé, pois temos que colocá-lo em cima do vaso, segurá-lo, empurrá-lo um pouco pra frente, acredito que é tudo muito inseguro para ele. Decidi colocar a fralda – sim, estava voltando atrás do meu conceito inicial, mas ele estava a horas sem fazer e eu não ia deixar meu filho apertado, sabendo que ele estava, só porque tinha medo de regredir no processo -, dar mamadeira e ver se ele dormia. Passado um tempo depois de tomar o leite, ele não dormiu e pediu para fazer xixi, se recusou a fazer na fralda. O marido levou ele ao banheiro e ele conseguiu fazer.

A noite, em casa, foi tudo tranquilo. Mas Benjamin não fez cocô.

19/08, Segunda-Feira

Já levei ele pra escolinha de cueca. Conformei-me em já ter um rapazinho em casa. Continuei enviando um estoque de roupas, tenho consciência de que ele progrediu, mas que estamos só no começo, tinha se passado apenas uma semana desde o primeiro dia. Não teve novidades. Quando cheguei na escola e o vi com a mesma roupa, meu sorriso veio de orelha a orelha. Ele dormiu no carro e ao chegar em casa, acordou, mas meio sonolento quis deitar no sofá. Incentivei-o para fazer xixi, mas ele não quis saber. Minutos depois sentei perto dele no sofá e só senti o cheiro subir. Ok, isso já era previsto. Tudo já está caminhando muito bem. Escapes acontecerão.

20/08, Terça-Feira

O marido que levou ele pra escola. De fralda. Na agenda veio o recado: “mamãe, por favor, enviar Benjamin de cueca”. Nenhuma roupa suja. Ao chegar em casa, Benjamin fez cocô. Não pediu e quando percebi era tarde para levá-lo para o penico. Não sei se acontece com todas as crianças, mas Benjamin não gosta de ser tocado quando está fazendo o número 2. Ninguém gosta, né?! E aí foi um baile para tirar a calça dele. Ele não deixava de jeito nenhum eu mexer nele. Falei, falei, falei. Tentei explicar de várias formas. Quando me vi sem argumentos, apelei. Pedi para ver um negócio, baixei a calça dele e falei “nossa, olha isso, filho, é um cocô”, aí, no desajuste de mãe e filho, o fragmento caiu no chão.

Gente, era muito grande e duro!!!! Não sei como saiu aquele troço do menininho. Era o acúmulo de três dias!!! Foi engraçado que Benjamin com o seu ar teatral fez um “Ohhhhhh” arregalando os olhos e levando a mãozinha na boca. Aí deixei a imaginação me levar, falei que tinha que jogar aquilo na Sra. Privada, que ela ia engolir e levar para a casa dos cocôs, blá blá, blá…Benjamin entrou na onda, me seguiu, quis dar o “tchau” pro cocô, já quis entrar no banho e pronto não parou de falar no tal do cocô.

21/08 – Quarta-Feira

Sem novidades vazamentos. Tudo correu normalmente, mas Benjamin não fez cocô.

22/08 – Quinta-Feira

Idem. Aliás, além desse lance do cocô, algo me chamou atenção. Desde que iniciamos o desfralde, há 12 dias, reparei que Benjamin está insuportavelmente chato. Ele simplesmente começou a se jogar no chão num drama terrível, ao menor sinal de motivo algum. Com um choro mais falso possível que depois de um tempo e certo esforço se revela um choro de verdade. E ele chora assim por uns 30 minutos intermináveis.

Eu que não tenho paciência já gritei, numa tentativa dele me ouvir, já ignorei e passei a dar chances. Tipo eu falo que vou sair e fazer tal coisa se ele não parar, ele não para. Eu saio. Ele berra mais alto ainda: “mamãe, colo; mamãe, colo”. Deixo ele chorar. Volto. Aí o filho da pirraça mãe que vos escreve me ignora, vira as costas pra mim e fala “nããããão”. Eu dou o alerta novamente “vou sair e não vou voltar”. Ele continuar a me ignorar. Eu saio. Ele começa a berrar. Eu deixo por um bom tempo. Aí vira o choro de verdade e eu volto, o pego no colo e tudo fica bem.

Até aí já foram minutos de sofrimento pra mim e pra ele. Não gosto quando acontecem essas situações. E não tenho paciência nenhuma para enfrentá-las. E TODOS os dias tem acontecido. Tenho pensado que essa pode ser minha provação na maternidade. Porque todas as fases que ouvir dizer serem difíceis, como por exemplo, bebê que não dorme, cólicas, dentição, alimentação, e agora o desfralde, pra mim tem sido algo como mamão com açúcar. Agora ter paciência e saber lidar com manha, birra, criança mimada, ahhhh, sem dúvida, taí o meu ponto fraco. Nem tudo, nem ninguém é perfeito.

compartilhe!

2

comente!

2 respostas para “Diário do desfralde”

  1. Carina disse:

    Ei Gabi, estou adorando o relato do desfralde do Ben. E é como vc mesma descreveu, tem que ter paciência nesta nova fase de aprendizado do bebê.

    Bjos,

  2. Ana Paula disse:

    aaaah….. sobre as privadas infantis, são uma blz mesmo, até pra fazerem cocô… pq ñ há perigo de cair!! quem sabe um redutor de assento resolva!!! e no caso do xixi… se vc sabe q ele tá apertado mas ñ faz por conta da altura da privada, leve-o em outro lugar: plantinha, rua.. sei lá!!! por aqui funcionou………

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.