19 mar 2015

Eu não dou conta de tudo!

por
Gabi Miranda

Comportamento, Maternidade

Há semanas recebi e-mail de uma leitora super querida com a seguinte pergunta:

Como você se organiza para trabalhar fora, cuidar do Ben, da casa e ainda escrever o blog?

Fico feliz com os e-mails que recebo das leitoras e sempre me geram boas reflexões e ideias para posts. Esse não foi diferente. Eu nunca tinha pensado em como me organizo. E pra falar a verdade acho que não faço isso. Tento manter uma ordem, mas não tenho um cronograma, não tenho um plano de organização e depois dessa reflexão comecei a achar até que devia ter. A verdade é que eu não dou conta de tudo.

Eu passo a maior parte do tempo do meu dia trabalhando fora. Saímos às 06:40 de casa e acordo sempre no último minuto do segundo tempo, quando deveria acordar mais cedo, fazer as coisas com mais calma, tomar um café da manhã. Meu trabalho é uma loucura. Vivemos correndo dentro e fora da empresa.

Fico pouco tempo com o Benjamin e esse mesmo tempo é o que tenho para cuidar de mim, me dedicar a ele, ao marido, à casa e ao blog. Nunca tive um plano de estratégia para o blog. Até um ano atrás, eu conseguia atualizá-lo diariamente. Atualmente, já não consigo manter a atualização por 5 dias (não conseguia, estou voltando e quero me disciplinar quanto a isso). E, embora o blog tenha virado também um meio que me traz algum retorno financeiro, de comunicação e divulgação, costumo dizer que ele é meu hobby, o que me dá prazer na vida.

Toda vez que preciso fazer uma matéria ou um publieditorial ou comparecer num evento, ninguém me ouve falando “preciso trabalhar”. Não produzo o blog como uma obrigação. E não funcionaria assim. Eu não consigo sentar e simplesmente sair digitando. Preciso pensar, sentir e deixar fluir. Não escrevo se não fizer sentido pra mim.

Refletir sobre esse assunto de organização me faz sofrer um pouco. Eu me acho organizada, mas não sou tanto quanto poderia ser. Sou no sentido de manter as minhas coisas em ordem, a casa limpa e arrumada, as tarefas do trabalho alinhadas. Mas não a ponto de ter regras, listas, etc. Tenho lista de afazeres do dia no trabalho, mas não tenho uma lista semanal do que tenho que fazer na minha vida em geral. Pra não dizer que não tenho, rola uma lista mental: “essa semana preciso fazer compras, marcar médico, comprar a vitamina, escrever no blog…”. Mas não tenho e não uso métodos de gerenciamento e organização.

No ano passado, li o livro “Vida Organizada” e amei! Mas até hoje não consegui colocar algumas dicas em prática. Logo depois engravidei e devo confessar que fiquei um desleixo maior ainda nesse quesito. Minha casa, bolsa, carteira, guarda roupa, carro, home office, minha vida… estão uma bagunça! Tanto que para melhorar um pouco a situação, contratamos uma diarista – a casa pelo menos precisa estar limpa e arrumada.

Eu acredito que ter um gerenciamento de organização ajuda muito a nossa vida fluir de forma mais leve, além de ajudar a construir uma rotina mais tranquila, sem que a correria insana do dia a dia nos engula, faz com que a gente produza melhor. E tenho pensado que vou precisar a pensar numa forma de me organizar melhor, principalmente com a chegada do segundo bebê, que com certeza trará uma demanda ainda maior para nossas vidas. Penso constantemente nisso, se darei conta e se terei disposição. Hoje me sinto sem pique para muitas coisas e não tenho mais colaboração de ninguém.

Ops, é até injusto falar isso. Claro que tenho colaboração! Conto com o apoio do marido. Sem ele a vida estaria um caos. Tenho um marido que não “ajuda”, mas que faz de boa parte das tarefas e demandas parte integrante do seu dia a dia, contribuindo para que as coisas fluam. Marido que faz e desfaz mochila do Benjamin, que tem feito janta, preparado meu prato, o do Ben, lavado louça, banho no Benjamin, acorda mais cedo, prepara o leite, arruma o Ben pra escola, põe roupa pra lavar, cuida da Capitu, nos finais de semana acorda mais cedo com Benjamin e me deixa dormir mais um tempo…

…taí, talvez esse seja o meu segredo, escolhi a pessoa certa para caminhar ao meu lado e ser pai dos meus filhos.

Resumindo: eu não dou conta de tudo. Mas também descobri com a Diiirce, que nem preciso dar conta de tudo, só do que vai me fazer feliz hoje. 😉

compartilhe!

2

comente!

2 respostas para “Eu não dou conta de tudo!”

  1. Ricardo disse:

    Muito obrigado, conteúdo muito bom!

  2. Julia disse:

    Gabi, querida! Te entendo tanto! Mas eu sofro muito com isso às vezes. Há alguns meses comecei a fazer terapia e isso está me ajudando bastante. Mas, até então, eu realmente achava que era possível dar conta de tudo. De tudo e de todos, porque eu me envolvia nas questões da família inteira, de amigos… E fui vendo que não é bem assim. Hoje, faço questão de acordar cedo, bastante tempo antes da hora de sair de casa… Sinto que isso me ajuda de maneira surpreendente. Eu e Luquinha acordamos uma hora antes dele entrar na escola.. É o tempo que nosso corpo precisa para ficar de bem com a vida. rs É estressante quando acordamos atrasado e temos que fazer tudo correndo. Outra coisa que eu tenho feito questão é de colocar o Lucas para dormir na hora certa. Eu amo estar com ele, e, como você, trabalho fora, mas é saudável para nós dois que ele não vá dormir tarde. Então, eu chego do trabalho, brincamos, eu faço o leite dele, coloco o desenho, conto história, dou banho, escovo os dentes… E coloco ele para dormir. Depois tenho ainda umas três horinhas para mim mesma, antes de dormir… rs Fazem muita diferença. Outra coisa que eu sinto que me ajuda é o meu desapego em relação às tarefas domésticas. Não varro a casa, deixo para a faxineira, que vai uma vez por semana. Neste dia, inclusive, é o único em que se lava roupa por lá. E que se estende, e se recolhe. rs E nem preciso dizer, né… Na maioria dos dias, passo longe da cozinha. rs No mais, a gente vai se virando, e aprendendo que não dá para fazer tudo… e tudo bem. 😉 Beijos e adorei o post, mais uma vez!

Comente!