16 ago 2016

Filhos: um é pouco, dois é bom, três…

Um filho é pouco, dois é bom, três… ensinam muito mais!

 

Filhos-um é pouco-dois é bom- três-bossa-mae

Imagem Google

Já faz algum tempo, conheci uma mamãe de muitos. Ela tem 7 filhos e esbanja um sorrisão de orelha a orelha. Pensei: para essa aí um é pouco, dois é bom, sete é melhor ainda! Conheço algumas mães de três. Além das amigas blogueiras Diiirce e Marina, no trabalho tenho uma colega mãe de três e, recentemente, minha melhor amiga, minha irmã de coração, madrinha da Stella, anunciou sua terceira gravidez – muito desejada já há algum tempo.

Aqui em casa, tínhamos um combinado: se a segunda gestação viesse um menino, teríamos o terceiro só para ver se vinha uma menina. Marido tremia na base até que nasceu Stella e ele deu por encerrado esse assunto. Mas a mamãe aqui, para assombro do papai, começou a dizer que precisava vir um desempate, que um terceiro filho fecharia o ciclo familiar. É comum tremular após o primeiro, quem dirá após o segundo filho. É claro, depois que passamos todo aquele perrengue de enjoos nos 4 primeiros meses de gestação, noites mal dormidas, fraldas, choro, dentes nascendo, os primeiros 6 meses de vacinas intermináveis, aquela ansiedade toda… quem quer enfrentar o terceiro filho?!

Eu imagino, assim como depois do primeiro filho, a gente esquece de tudo o que passou e ficam só as lembranças boas que aquecem nosso coração e nos faz desejar passar por tudo de novo. O primeiro olhar, as visitas na maternidade, aquele cheirinho inconfundível de bebê, aquela mãozinha sobre o nosso seio na hora de mamar, aquele pacotinho que cabe perfeitamente em nosso colo, a primeira vez que sentou, a primeira vez que bateu palmas, observar aquele ser tão pequeno descobrindo o mundo. Pronto o terreno ficou fértil novamente, é só plantar a sementinha.

A chegada de cada filho é diferente. O primeiro filho é como descobrir o milagre da vida, tem coisa mais extraordinária (e inacreditável) do que gerar outro ser?! O segundo chega revolucionando a vida dos pais e do irmão mais velho, a casa, os relacionamentos. Antes você voltava atenção só para um, depois tudo aumenta e se direciona também para aquele segundo ser e dá-lhe paciência e jogo de cintura para administrar os desejos de cada filho.

E acredito que não dá muito para planejar melhor o terceiro filho. E entendo quem prefere parar no primeiro ou no segundo, assim como compreendo quem tem medo de ter o terceiro. A forma de vida mudou, existe certa insegurança financeira, a rotina é mais corrida. No entanto, acho solitário ser filho único, por exemplo. Além de ter irmãos, tenho vivido uma experiência única que é ver crescer essa relação entre Benjamin e Stella.

A relação entre irmãos é um laboratório de convivência entre dois seres superdiferentes que ficarão irremediavelmente ligados para o resto da vida. É uma educação afetiva, independente dos pais, que não encontra substituto na escola, nos amigos, ou e outros membros da família. Marcelo Tas

Pensando especialmente nessa arquitetura da relação entre irmãos, penso que um é pouco, dois é bom e três não é demais, mas maravilhoso. Obviamente dá mais trabalho sim, mas a ideia é criar pessoas para ajudar a construir um mundo melhor e também que nos ensine a viver melhor.

compartilhe!

8

comente!

8 respostas para “Filhos: um é pouco, dois é bom, três…”

  1. Tenho um amigo cuja filosofia de vida é “colocar gente boa no mundo” hehehe
    Já disse várias vezes que o Ben e a Stella me inspiram a ter o segundo, mas o terceiro… acho que para nossa família seria mesmo demais.
    Bom, mas antes eu preciso convencer o pai a ter o segundo!

    • http://bossamae.com.br/novo/wp-content/themes/bossa-mae/img/img-coment.png Gabi Miranda disse:

      Tá, eu já te disse, né? mas vou dizer, fico orgulhosa qd alguém diz que meus filhos inspiram a vontade de ter outro. Ao mesmo tempo sinto um medidinho disso. rsrsrs mas afirmo: é maravilhoso, eu não tinha tantas expectativas quanto a relação deles, não imaginava que seria como está sendo e tão cedo. Mas é lindo ver essa relação se construindo. E eu torço para ser sempre lindo assim. Que eles sejam eternos companheiros. 😉
      beijossss

  2. Gabriela disse:

    Eu sempre soube que teria no mínimo 2 filhos. Eu que sou filha única sempre senti muita falta de ter alguém para chamar de meu irmão. Encantador ver o amor entre meus filhos nascer e crescer em cada brincadeira.

    • http://bossamae.com.br/novo/wp-content/themes/bossa-mae/img/img-coment.png Gabi Miranda disse:

      Eu tenho 3 irmãos (duas meninas e um menino). Ou seja, somo em 4. Mas só com uma das meninas eu compartilhei a vida toda. Com os outros dois, ompartilhei férias, folgas, essas coisas. Mas tenho uma relação incrível com todos. Uma das meninas, por exemplo, é mais nova que eu 10 anos, mora no RJ e é como se tivéssemos vivido a vida inteira juntas, somos super amigas. Amo ter meus irmãos. E depois que minha mãe se foi, me dei conta o quanto é maravilhoso ter irmãos para compartilharmos essa jornada. 😉
      Beijos

      ps: meu marido é filho único. Ele diz que nunca se importou. Mas eu sempre disse que não teria um filho só. rsrsrs

  3. Você é muito romantica!!! #adoro
    Eu tb ja pensei em ter o 3o e… quem sabe, os anjos conspirem… mas por enquanto não terei, mesmo.
    beijos
    Lele

  4. Gabs, 3 filhos nunca é demais. por mim teria 5, 6. o ruim é a frustração de não poder ter mais tanto tempo p se dedicar a um só filho, prestar mais atenção… Qdo se tem mais filhos do q olhos ou braços, a vida se torna uma aventura mucho loka.
    bjs da diiirce

    • http://bossamae.com.br/novo/wp-content/themes/bossa-mae/img/img-coment.png Gabi Miranda disse:

      Mi, eu estava falando justamente sobre isso hoje com uma amiga. Eu adoraria ter o terceiro, mas no meu caso, a frustração é de não ter tempo suficiente para me dedicar a eles. E qd se tem mais de um filhos, tem a questão do tempo para se dedicar a um só filho e qd se trabalha fora tem isso mais o fato de não ter tempo para todos de uma vez. A chegada da Stella me faz sofre muito com essa questão de trabalhar fora, to sempre me questionando o sentido disso…amei a visita. beijossss

Comente!