30 set 2016

Hora de dormir

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos

hora-de-dormir

Toda noite na hora de dormir, passo no quarto das crianças para dar uma espiada nelas. No Benjamin sempre dou um beijinho. Mentira. Dou uma cafungada no pescoço dele, cheiro e beijo muito. Na Stella só verifico se está coberta e se não estiver, a cubro com o maior cuidado do mundo – não ouso encostar nela, pois sei quanto me custa fazê-la chegar nos sonos dos Deuses. É diferente o hábito que tenho com cada um. A Stella ainda dou de mamar (ela toma mamadeira) e a faço dormir no colo. Esse é o nosso momento de paz, tranquilidade, quando antes de colocá-la no berço ainda dou um beijinho, fico bem pertinho dela para sentir aquele cheiro de bebê. Uma vez colocada no berço, me limito a chegar perto novamente.

O Benjamin chega em casa na maioria das vezes dormindo, marido que coloca pijama e o leva pra cama. Por isso, sempre dou uma passada pelo quarto na hora de dormir, para lhe dar um beijo e sentir aquele cheirinho, o melhor do mundo. Chego a deitar ao lado dele. Fico bem pertinho para sentir aquele cheiro delicioso, reparo naquela boquinha aberta transmitindo aquele hálito gostoso que só os nossos filhos tem. Gosto também de sentir o coração deles enquanto eles dormem. E lembrar que aquele mesmo coração já bateu dentro de mim.

Eu sentia medo deles acordarem de madrugada. Daquele chamado em plena madrugada ser vontade de brincar. Ou febre. Ou cama molhada (e dá-lhe banho, troca de lençóis, história para dormir e oração pro sono voltar). Não tem momento mais precioso que a hora de dormir. Na hora das sonecas, me perco no tempo admirando eles dormirem. Como ficam mais lindos os filhos quando dormem. Há quem alerte “não deixe dormir muito, melhor acordar senão depois não dorme“. Sábio é o conselho da tia Rosana, sempre diz o contrário “não se acorda criança em hipótese alguma“. Quem tem criança como o Benjamin, sabe que o melhor a fazer é deixar dormir se não quiser ter um ataque de nervos, porque a manha que ele faz quando é acordado não está escrito em lugar algum.

Ah! e quando estamos grávidas o conselho que mais ouvimos é “dorme bastante agora porque depois…“. Era também o que eu mais odiava ouvir. De sábio esse conselho não tem nada, afinal, dormir mais na gravidez não elimina a necessidade de dormir depois que o bebê nascer. Vamos passar noites em branco e viver com olheiras perambulando por aí. Já amamentei Stella pescando a luz do dia. Que período… vivemos nos perguntando quando vamos voltar a dormir outra vez. E também ouvimos que depois dos filhos nunca mais dormiremos a noite toda. Exagero. Como tantos outros que ouvimos por aí em relação a maternidade.

Se você está nessa fase com bebê novinho, passando horas em claro, relaxe. Voltamos a dormir sim! Até porque chega a hora em que eles passam a dormir a noite inteira. Pode levar um mês, como foi com o Benjamin. Pode demorar alguns (longos) 5 meses, como aconteceu com Stella. Pode durar um ano como já ouvi casos. Mas essa hora chega. E nós também voltamos a dormir a noite inteira, mas agora com uma diferença, um radar ligado 24h que ao menor barulho do filho se mexendo na cama, acordamos alertas para ver o que é.

Existe uma certa desesperança quando nossos filhos são recém-nascidos. Achamos que nunca mais vamos dormir a noite toda. Tanto desespero e desejo incontrolável de dormir para depois “perder” tempo admirando os filhos dormirem. O melhor tempo perdido. Não tem tempo mais precioso.

Despeço-me aqui, vou ali dar mais uma cafungada, um cheiro e um beijo. 😉

compartilhe!

1

comente!

Uma resposta para “Hora de dormir”

  1. Eu também acho que eles ficam ainda mais lindos quando estão dormingo! Por aqui, o filhote de 3 anos dorme na nossa cama (a história é longa) e diz que vai continuar assim até uns 20 anos! hehehe

Comente!