13 out 2016

Mãe não tira férias

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

E chegou a tão desejada férias da mãe que trabalha fora. Mas a minha conclusão é que mãe não tira férias, mesmo de férias!

mãe não tira férias

Planejei milhões de coisas para fazer. Ler aquela pilha de livros da cabeceira. Organizar os armários (não só arrumar, mas limpar tudo por dentro). Passar a montanha de roupas. Colocar a casa minimamente em ordem. Assistir a alguns filmes da infinita lista marcada no bloco de notas do celular. Terminar a séria preferida na Netflix. Fazer um bolo da tarde. Talvez uns biscoitinhos. Uma receita mais elaborada (eu gosto de ir pra cozinha quando tenho tempo). Trabalhar em projetos pessoais. Viajar. Descansar. E… acabaram as férias. Foram tantos planos como se eu fosse sozinha na vida e não tivesse dois filhos. Aliás, o primeiro ano de férias como mãe de dois. Sendo um dos filhos, uma pitica no frescor de seu primeiro ano e dois meses, com moléculas de energia percorrendo o corpo todo. Ah, também não foram 365 dias de férias, foram apenas 20.

Foi com a caçula que programei passar a primeira semana de férias. E fiquei completamente exausta. Stella está num período de explorar o mundo sem noção do que ele oferece, por isso, o cuidador precisa ficar 101% do tempo alerta, diferente do que acontece com uma criança de 5 anos. Ela dorme cedo e acorda mais cedo ainda, a todo vapor. Tira duas sonecas durante o dia, nas quais nesse período, eu tentava deitar junto dela se estivéssemos em casa, porque muitas vezes estávamos passeando e ela cochilando no meu colo.

Mãe não tira férias e licença maternidade não é férias!

Concordo plenamente com o pai Potencial Gestante, o trabalho que bebê dá não tem comparação com o trabalho fora de casa. Você está o tempo todo atrás da criaturinha, e agacha, sobe, anda pra lá, pra cá, pega no colo, dá banho, troca roupa, troca fraldas (o dia todo!), alimenta, amamenta, brinca, tenta fazer dormir, desiste e quando consegue fazê-lo dormir, você está só o pó, não sobrou nada, apenas o desejo de se jogar no sofá e não fazer absolutamente nada. Foi uma semana sem descanso e folga nenhuma. Mas foi também uma semana de aprendizados, reflexões e de muita curtição da pequena.

Eu não pararia de trabalhar porque não me vejo feliz envolvida integralmente com os cuidados da casa e dos filhos. Ao mesmo tempo, lido com a culpa por não passar mais tempo com meus filhos e perder as melhores fases de desenvolvimento e descobertas deles. A maternidade é assim, contraditória. A semana sozinha com Stella foi exaustiva de todas as formas, mas teve o lado positivo. Pude curtir ao máximo a pequena, ensinar coisas, vê-la descobrir outras. É incrível ver de perto o desenvolvimento de um bebê, todos os dias eles aprendem algo novo. Esses momentos valem muito. Eu não tinha coisa mais importante para fazer, até olhar ela dormindo era melhor do que fazer qualquer outra atividade.

E como é ficar longe de um filho?

Fiquei longe do Benjamin durante uma semana e a todo instante eu pensava nele e no quanto ele gostaria de estar aonde estávamos, ver o que víamos, como correria em determinado lugar ou como se irritaria ao ter que pisar na areia (isso se desmistificou na semana juntos). Foi bom esse afastamento, porque eu andava muito impaciente com ele e mais uma vez tive a companhia da culpa por não saber lidar com o meu filho, mas foi bom porque pude ponderar tanto o meu, quanto o comportamento dele.  Também porque precisava de um tempo para dedicação exclusiva a Stella, assim como eu e ele tivemos um tempo só para nós dois quando tiramos alguns dias de férias em julho – nos quais mesmo sem viajar ficamos sozinhos durante o dia.

Depois da semana nada sabática com a Stella, viajamos a família toda e dá-lhe trabalho! Aparentemente a conta parece fechar quando pai e mãe estão juntos. Dois filhos, é igual, um pra cada um. Mas a verdade é que estamos o tempo todo em função das crianças e não sobra tempo nenhum para uma folguinha. Ah, mas tem a hora do banho! Hora de dar banho também. Nem a hora de ir ao banheiro é sossegada, porque tem um pentelho batendo a porta. Resultado, não li uma revista inteira, quem dirá fazer biscoitos!

Conclusão

Cada vez mais admiro as mães solteiras – e penso na minha mãe criando duas filhas sozinhas e me vejo com tanto para falar e perguntar pra ela… como deve ter sido difícil. Também admiro as mães de três, quatro ou mais… Tirei férias, já voltei ao trabalho e me sinto ainda mais cansada do que quando saí para as férias. A vida com filhos exige tempo, esforço, energia. Mãe não tem férias! Nesses momentos de cansaço, dá vontade de largar tudo e fugir para uma ilha deserta, mas lembro que isso tudo é apenas uma fase. Convenhamos, a mais exaustiva mental, física e emocional. Mas também a mais cheia de cor e beleza.

Mãe não tira férias! Acho que nem se largar tudo e viajar sozinha. Porque certeza, a culpa fará companhia e, lidar com ela também é tão cansativo…

compartilhe!

2

comente!

2 respostas para “Mãe não tira férias”

  1. Uma das poucas certezas da vida: mãe não tira férias mesmo!
    Mas consegui superar a culpa e conto com a ajuda necessária para sonhar com uma viagem a dois em 2017. Vamos ver se consigo concretizar…

Comente!