03 fev 2016

O primeiro dia de aula

20741-NSXNOW

Lembro que no meu primeiro dia de aula na educação infantil, eu chorava, assim como outras crianças, agarrada à saia da minha mãe, afirmando que não queria entrar e sim ficar com ela. Com os anos, parei de chorar, mas o choro ficava entalado na garganta. Até o primeiro dia de aula na faculdade, eu carregava os sintomas de todos os primeiros dias de aulas da minha vida até ali: mãos suadas, frio na barriga, vontade de sair correndo dali. Manifestações que duravam até encontrar o meu novo lugar no mundo, até fazer a primeira amizade.

Depois que adentrei o ensino fundamental, passei a vida toda no mesmo colégio. E todo novo ano, era a mesma coisa. Uma tremenda ansiedade para rever os amigos, descobrir com quais deles permaneceríamos juntos por mais um ano na mesma sala, conhecer os novos professores, carregar os novos materiais em uma mochila nova e atravessar o portão da escola com o uniforme novinho.

Segunda-feira passada, dia 25 de janeiro, levei Benjamin para o seu primeiro dia de aula. Eu já havia contado AQUI que ele tinha mudado de escola e já havia começado a frequentá-la, mas ele estava em outra unidade e fazendo atividades de férias. Como era feriado em São Paulo, tive a oportunidade de acompanhá-lo à escola. Não sei o que mudou, se isso é algo atemporal, mas o comportamento das crianças hoje em dia é diferente. Benjamin entrou na escola sem nem olhar para atrás, voltando para me dar um beijo que cobrei. Ao sair da escola, olhei em volta, nenhuma criança chorava, todos estavam empolgados e felizes. Pensei: as crianças desse tempo são mais seguras.

Não foi só isso que mudou. No meu tempo, lembro da minha mãe encapando livros e cadernos, etiquetando cada item do material, escrevendo com a sua letra mais bonita os meus dados. Na época, levávamos na mochila uma toalhinha de plástico quadriculada para forrar a carteira – hoje chamada de mesa mesmo. Tudo tinha um cheirinho bom, de novo, carinho e amor de mãe. Agora recebemos uma lista de material, os cadernos já não precisam ser encapados, pois pedem de capa dura e numa cor específica. As etiquetas não levam mais a letra das mães, podem ser produzidas por uma engenhosa maquininha. Resultado da vida pós-ultra-moderna. Tudo feito pela praticidade, para ajudar a vida das mamães.

Só não muda o cuidado das mães na hora de comprar o melhor material e, principalmente, para que os filhos se sintam bem. Pode ter mudado o jeito de fazer algumas coisas, mas continuamos desejando e fazendo tudo para que nossos filhos se sintam seguros e felizes. Antigamente, as mães deviam sofrer pelas mesmas aspirações que nós e por nos deixar chorando na escola. Hoje sofremos pensando que nossos filhos sofrerão e eles tiram de letra. As crianças sabem deixar para trás o que é necessário, sabem seguir adiante. Como disse a Mônica, do Equilibrosa, meu novo blog preferido, ver um ciclo se fechar não costuma ser confortável, mas a naturalidade de uma criança para olhar para frente traz algumas lições. E precisamos aprender com elas.

compartilhe!

2

comente!

2 respostas para “O primeiro dia de aula”

  1. Gabriela, este post apareceu pra mim como obra do acaso, e eu fui ficando super tocada porque o seu relato de primeiro dia parece muito com os que tenho na memória… As cenas que eu vejo hoje, de meninos entrando quase que 100% seguros na escola, estão longe de ser as que eu vivi, não sei exatamente porque. Mas fico feliz demais de saber que estamos, nós, mães, conseguindo contribuir pra uma geração mais segura e que, quem sabe, vai se lembrar só da parte boa dos primeiros dias… Beijo! E muito obrigada pelas suas palavras!
    PS – Não encapei cadernos, mas escrevi o nome dele com letrinhas divertidas, pra ficar no coração! 😉

    • http://bossamae.com.br/novo/wp-content/themes/bossa-mae/img/img-coment.png Gabi Miranda disse:

      Ai que lindo, Mônica!!!
      Então, eu também não encapei, não foi necessário. Mas etiquetei cada item e a etiqueta levou minha letra.
      E pensei que isso fará Benjamin ter alguma recordação disso um dia, assim como eu tenho. 😉
      Amei o comentário.
      Beijo

Comente!