11 nov 2016

Por que gastamos quando estamos tristes?

por
Gabi Miranda

Destaque, Dinheiro, Maternidade

Quando estou triste, deprimida, chateada com algo, sinto uma vontade imensa de gastar. Esse sentimento não é algo incomum. Muitas pessoas sentem o mesmo desejo quando se sentem frustradas. E por que gastamos quando estamos tristes?

por que gastamos

Comprar traz uma sensação de satisfação. E quando estamos tristes, consumir é uma investida para fugir dos problemas e sentimentos negativos. Algumas pessoas procuram até aprovação para os seus gastos, afirmando para si mesma que merece, que trabalhou o ano todo, justificando assim seus atos de consumo. Quando a tristeza me abate, confesso, #soudessas.

Precisamos tomar cuidado, pois essa é uma grande armadilha que pode colocar por água abaixo a nossa saúde financeira. Gastar proporciona sim uma sensação prazerosa, mas é também uma sensação efêmera e passageira. É só chegar em casa com as sacolas que a exaltação de comprar algo que desejamos vai embora rapidinho. Além de dar espaço para o sentimento de culpa, volta aquela deprê que estávamos sentindo e nos fez consumir impulsivamente.

Há casos sérios em que a pessoa repete o ato de gastar toda vez que bate aquele desânimo. Devo confessar, há alguns anos (já distante), eu fazia parte desse grupo. Mas estou curada, rs. Talvez, não 100% porque em alguns momentos caio em tentação. Quem nunca?! Após a excitação de consumir, bate aquele arrependimento. É quando procuramos justificar os gastos e o convencimento de que merecemos.

No entanto, merecemos também uma vida financeira saudável. Estou falando de um momento pessoal de fragilidade, mas não gasto de maneira alguma se não tenho condições de pagar. Por mais que o momento seja de vulnerabilidade, tento ficar dentro do que acredito ser coerente com as minhas finanças. Não sou mais louca (já fui, juro!) a ponto de gastar sem ter como pagar. Sempre foco nos meus objetivos e sigo à risca as dicas que desenvolvi ao longo  dos anos em que comecei a me dedicar a uma vida financeira saudável.

5 dicas para não gastar quando estiver deprimida

 

1. Fuja do shopping
Tento nem passar perto de um shopping quando estou deprimida;

2. Se não resistir a ida ao shopping…
Se for irresistível a ida ao shopping, não gasto no cartão de crédito. Opto sempre por pagar em dinheiro. Cartão de crédito uso só para compras de valores elevados ou compras na internet;

3. Questione-se
Fico me perguntando se é desejo ou necessidade. Na maioria das vezes é desejo. Outras vezes é desejo + necessidade. Então junto o útil ao agradável e acabo comprando coisas que preciso. Exemplo: no último final de semana acabei comprando um vestido que eu precisava para a formatura de um primo que acontecerá em dezembro, um pó facial porque o meu tinha acabado há uma semana e eu estava me virando nos trinta com o restinho que fica na borda da embalagem (sabe como é?!), comprei um sapato dourado que eu estava namorando há um mês (ok, essa compra foi puro desejo);

4. Pesquise preços
Não é porque estou disposta a gastar que saio gastando um dinheirão não. Eu pesquiso e comparo preços SEMPRE. O vestido citado acima, comprei por um preço bacanérrimo (estava em liquidação e foi um daqueles achados!) e se não tivesse comprado agora, depois talvez pagaria mais caro em outro.

5. Desabafe
Toda vez que me sinto deprimida, converso com o marido. Falo francamente como estou me sentindo e da vontade incontrolável de gastar. Isso alivia um pouco a sensação, me faz enxergar com mais clareza a situação e coloca freio na minha vontade de comprar.

 

Leia também: você tem uma relação saudável com o dinheiro?

 

compartilhe!

0

comente!

Comente!