23 ago 2017

Ser mãe não basta pra mim

por
Gabi Miranda

Destaque

ser mãe não basta

Tem gente que não entende o que quero da vida quando falo que quero passar mais tempo com meus filhos, mas sem deixar de trabalhar. Até algum tempo atrás eu também não entendia. E não achava possível somar as duas coisas. Hoje tenho convicção de que ser mãe não basta pra mim. Eu não tenho a ilusão de que parar de trabalhar fora e cuidar dos filhos é sinônimo de felicidade. Basta um final de semana prolongado em tempo integral com filhos + casa para ter certeza de que ser mãe não basta pra mim. Não sei ficar em casa, embora tenha desejado muito isso nos últimos tempos.

E o que basta pra mim? Fazer o certo em doses que sejam boas para todos. Atualmente, meus filhos precisam de mim e eu preciso dedicar tempo a eles. Não só por uma necessidade, mas um desejo pessoal meu. Sinto que estou perdendo a melhor parte da vida deles. A relação mãe e filho é uma das mais poderosas, além de ser mágica. E como li outro dia, no blog Antes que eles cresçam, para acontecer a magia dessa relação você precisa estar presente.

Vivo um conflito interno. Porque não é fácil admitir que ser mãe não basta pra mim, que não seria feliz me dedicando 100%  do tempo aos meus filhos. Poxa, são meus filhos! Que tipo de mãe eu sou? Sou o tipo que ama muito a independência financeira, a vida social, e não sente falta das obrigações domésticas – aliás eu nem sei cuidar da minha casa sozinha. Mas sinto falta de saber cuidar mais da casa e das crianças. De coisas que não cabem exercer com perfeição na minha rotina atual.

Não quero passar a vida pensando como teria sido se eu tivesse aproveitado mais essa fase deles. Porque vai passar. Já está passando rápido demais. Só que neste momento eu reflito também sobre como será o meu futuro quando eles já tiverem crescidos. E passei a pensar nisso quando ouvi Mara Luquet, jornalista e economista, falando sobre o melhor investimento que podemos fazer para os nossos filhos é cuidar de nós mesmasEla falou isso no sentido financeiro. Então, passei a olhar ao meu redor, para mães que pararam de trabalhar e questiono como será o meu futuro se eu tomar a decisão de parar de trabalhar fora.

Será que vou viver reclamando das situações cotidianas? Será que dará certo empreender? Acostumarei-me a não ter hora para entrar e sair? Terei disciplina para trabalhar home office? Terei recursos suficientes para fazer minha própria renda? Será que futuramente consigo voltar ao mercado de trabalho?

Desde que comecei meu processo de coaching tenho refletido sobre o que me faz ser completa. Sobre o que basta pra mim para ter uma vida plena e satisfatória. Penso sobretudo, sobre o que me faz infeliz. Porque eu penso e foco muito na minha felicidade, no que me faz ou traz ela. E pela primeira vez na vida acho que parei para pensar no que preciso resolver para que de repente a felicidade seja uma consequência. Obviamente, essa felicidade não precisa ser diária. O que não dá é para viver uma vida que não é a que desejamos para nós, muito menos uma vida mentirosa.

Estou na fase em que me agrada mais chegar ao fim do dia pensando em três coisas que me encheram do sentimento de gratidão, do que escrever três que me fizeram feliz. Ser mãe não basta pra mim. Mas sem dúvida, ser mãe me faz feliz e me enche de gratidão nos dias em que a felicidade parece ter ido dar uma volta.
.

Leia também: meu processo de coaching

compartilhe!

6

comente!

6 respostas para “Ser mãe não basta pra mim”

  1. […] que ser mãe não basta pra mim. Eu preciso continuar trabalhando. Mas precisa ser no mesmo formato? Não. E preciso abrir mão […]

  2. […] Penso que nem para todas as mulheres seja assim, mas entendo essa reflexão que chega à conclusão de que não basta ser mãe para mim. […]

  3. Falou a pessoa que não tem saudade da vida antes de ser mãe! Entendo o que queres dizer, Gabis. Também penso que a maternidade não me basta. (Falou a pessoa cuja mãe diz que sempre quis abraçar o mundo! Hehehe)

    • http://bossamae.com.br/novo/wp-content/themes/bossa-mae/img/img-coment.png Gabi Miranda disse:

      Pois é, nem lembro mais da vida antes de ser mãe. Eles definitivamente completam a minha vida. Mas não bastaria ser só mãe. Alguns podem me achar egoísta, não sei. Eu fui criada só pela minha mãe. Mãe solo que trabalhava duro para nos sustentar e criar. Acho que muito da mãe que sou hoje, tem a ver com a mãe incrível que eu tive. 🙂

  4. Lu Martiniano disse:

    Muito lúcido esse post! Adoro seus textos! Você escreve de um jeito sensato sobre os conflitos e delícias da maternidade! Pra mim é um fôlego a mais, sabia? Leitura obrigatória! Sempre aprendo muito aqui! ♡♥

  5. Paula disse:

    Eu me vi nas suas palavras, sinto exatamente a mesma coisa. Amo minhas filhas, elas são a melhor parte de mim, sem duvida nenhuma, mas eu amo trabalhar, me sinto bem com o meu trabalho e nunca pensei em parar, mas sinto que preciso ficar mais tempo com elas… Vivo nesse dilema… Continue compartilhando sobre seu coaching, estou adorando. Beijos

Comente!