29 maio 2017

Penteados infantis para meninas

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos

Sempre sonhei em ter uma menina, mas juro que nunca pensei no trabalho que dá arrumar uma menina pra sair de casa. Meninos são muito mais simples. Meninas poderiam ser também, se a mãe não inventasse tanto. E eu sou dessas. Uma das coisas que tenho descoberto são os penteados infantis e adoro fazer na Stella antes de sair.

Acontece que ela não para quieta e aí tenho sempre que estar inventando algo para convencê-la a me deixar penteá-la. Até agora, duas formas deram certo. 1. Levá-la pra frente do espelho e mostrar que arrumaríamos o cabelo dela. Mas passei a achar isso meio narcisista. Sem contar que logo ela começa a ficar inquieta e brava. 2. Pentear o cabelo dela com ela penteando o do Benjamin. Essa tática é a que mais dá certo aqui em casa, mas coitado do Ben. Hihihi

Dessa forma, tenho conseguido fazer alguns penteados infantis na Stella, mas claro, tô longe de ser expert no assunto. As tias da escola são graduadas nisso e fazem penteados infantis lindinhos na pequena. Com elas que aprendo um pouquinho. Precisa de muito talento pra isso. Eu me esforço.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

03 abr 2017

Criando meninas

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros, Puericultura

Criando meninas

Li recentemente o livro “Criando meninas”, do psicólogo Steve Biddulph, mesmo autor de “Criando meninos”, e a obra me trouxe bastante reflexões. A leitura me fez pensar muito sobre a criança que fui, sobre algumas experiências que tive na infância, o quanto estou me conhecendo melhor através do convívio com a Stella, sobre a minha responsabilidade em criar uma menina – pois sabemos, os perigos de ser uma mulher é grande!, na mulher que eu desejo que ela se torne, no quanto precisamos ensinar as meninas se defenderem e expressar claramente suas necessidades e opiniões, no quanto terá de mim dentro da minha filha (nós somos muito parecidas com as nossas mães, embora possa não parecer), na importância de ter por perto mulheres fortes que exerçam outras formas de influências (e aí sinto muito por minha mãe não estar aqui e ser uma dessas mulheres). E me fez pensar, sobretudo, outra coisa: que oportunidade maravilhosa essa tal de maternidade.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!