23 maio 2016

A vida pós licença maternidade

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

A licença maternidade é um período sabático da vida profissional, é exaustiva, mas também é uma pausa maternal deliciosa

Vertical shot of a woman being deep in thought

Quando estamos grávidas idealizamos a licença maternidade e a esperamos como se fossem férias – mesmo achando ruim quando alguém se refere à licença maternidade como férias. Licença maternidade está longe disso. Trabalhamos igualmente, mas para uma causa maior. Ficamos longe do cotidiano profissional, porém somos envolvidas por outro tipo de rotina. É inexplicável tudo o que se passa conosco nesse período. Mas quero falar da vida pós licença maternidade. Após um período curto de 4 meses, precisamos nos adaptar à vida real. Nova, a vida já é desde quando o bebê nasceu, mas a realidade vai mudando a cada período. A mudança mais radical é quando a mãe tem que voltar ao trabalho. Começa aí uma adaptação para a vida funcionar. Eu lembro exatamente como foi essa moldagem com a chegada do Benjamin e agora vivo com a Stella.

Há 5 meses voltei ao trabalho, nos primeiras semanas é tudo maravilhoso. Você volta a se relacionar, ver as coisas acontecerem, se sente em movimento, volta a se sentir parte do mundo, a conversar de outros assuntos. Só que é um mundo diferente. Com o passar do tempo, você percebe que nem todo mundo vive a mesma realidade que a sua, as conversas, embora não sejam de filhos, fraldas e melhor pomada para assadura, nem sempre são tão interessantes, faltam coisas em comum. O assunto acaba sendo sempre o mesmo, na maioria das vezes: trabalho. A correria do dia-a-dia profissional passa a te consumir, cada vez temos menos tempo para pagar as contas com calma, marcar um médico, ler uma notícia, uma revista, estabelecer horários e por aí vai…

As perguntas que mais me fazem é: como você dá conta de ter filhos, trabalhar fora, cuidar da casa e ainda ter um blog? Não dou conta de nada, gente. Só parece que dou. Eu esqueço de responder e-mails pessoais, das leitoras, de marcar médico para meus filhos (estou há dois meses para marcar uma fono para o Benjamin e até hoje nada), de pagar conta (tenho pago atrasado ou quando não, agendo para data errada), de comprar leite para Stella, de tirar a roupa do varal (tem vez que fica a semana toda pendurada e fica aquela marca linda de pregador), raramente tenho cozinhado (meu primogênito tem me cobrado isso), meu closet está todo revirado, minha bolsa parece um depósito de tanta coisa que vou acumulando e só percebo quando troco, acordo atrasada para ajudar o marido com as crianças, aí eles saem, eu tento dar uma organizada na casa, estou sempre correndo e com as coisas por fazer. Vou escrevendo para o blog no bloco de notas do celular e, juro, tem muita coisa que quero escrever, muita coisa que quero compartilhar e não dá tempo. As ideias acabam fugindo se não anoto.

De repente chega  momento em que começamos a nos questionar: será que vale a pena isso tudo? Digo mais no sentido de trabalhar fora, (não) ver meus filhos crescendo e, principalmente, por conta da rotina deles. Eu morro de dó vendo-os sair de casa às 6 e tantas, pegar trânsito, passar o dia todo nas escolinhas e chegar em casa às 20 e tantas. Conclusão: não é nada fácil essa vida pós licença maternidade. Passado algum tempo da volta, o cansaço começa a nos consumir, entramos em crise existencial materna, passamos a desejar novamente estar em casa cuidando de um RN…

compartilhe!

4

comente!

4 respostas para “A vida pós licença maternidade”

  1. […] outro dia, estava escrevendo sobre a volta ao trabalho após a licença maternidade. Ou dicas para ser feliz no trabalho. E cá estou agora, exercendo algo que desejei por quase dois […]

  2. […] Quando a gente se acostuma com a licença maternidade, ela termina. E aí temos que voltar à vida real. […]

  3. Ai, Gabi… te entendo profundamente. Eu mesma vivo me questionando sobre essas coisas. No meu caso, meu trabalho formal é a maior renda da família, portanto, fora de cogitação largar esse emprego. O que eu faço: tento simplificar as coisas e levar a vida da forma mais leve possível.
    Aqui eu conto um pouco como organizo as coisas por aqui: http://somelhora.com.br/index.php/2015/12/08/como-organizo-minha-vida/
    No mais, sinta-se abraçada! 🙂

    • http://bossamae.com.br/novo/wp-content/themes/bossa-mae/img/img-coment.png Gabi Miranda disse:

      Vi e adorei seu post, ja estava com vontade de um Planner, fiquei com mais vontade ainda.
      A minha renda não é a maior, mas acho que tem outras questões em jogo e uma delas é a minha satisfação pessoal. Eu tenho certeza que não me daria bem largando o emprego, mas por outro lado tb não é legal passar tanto tempo fora…tão complicado, não dá para ter tud na vida, né? rs

  4. Gabis, não é fácil e o nosso dia-a-dia cheio de coisas dá essa sensação de que não vale a pena…
    mas já falamos sobre isso e te sugiro: coloque na balança os prós e contras, pense no médio e longo prazo antes de decidir algo.
    Já passei por isso e me questionei muito. A configuração de empresa que tenho hj é em função da vida dos filhos, mas eu já era autonoma quando eles nasceram…
    beijos
    Lele

    • http://bossamae.com.br/novo/wp-content/themes/bossa-mae/img/img-coment.png Gabi Miranda disse:

      Lelê, vc tem toda razão. Ultimamente o que mais faço é pesar na balança. De uma coisa eu tenho certeza, não ficaria feliz largando o emprego. Mas tenho que começar a pensar em outras possibilidades até de formas de trabalho. bjs

Comente!