22 ago 2018

Amor pelos livros e um dica por mês até o final do ano

por
Gabi Miranda

Livros

Recebi um convite muito especial da minha amiga Gabriela Miranda. Eu escrevo aqui este texto para vocês, no Bossa Mãe e ela escreve um texto para o MãeLiteratura, o meu blog. A idéia desta participação especial surgiu porque temos muitos assuntos em comum, principalmente a maternidade e o amor pelos livros. Gabi, adorei o convite e espero que vocês gostem também!

Bem, a leitura ocupa um espaço muito importante na minha vida. Leio todos os dias, nem que seja uma página apenas (quase nunca é só isso). E vou mostrar aqui para vocês o que faço para manter meu ritmo de leitura.

Eu sempre adorei ler. Quando me perguntem o que eu gosto de fazer, a primeira coisa que eu penso é ler. Fui daquelas meninas que andam tropeçando, com o livro nas mãos e até hoje sou assim. Adoro falar sobre livros! Tenho ótimos amigos que os livros me deram de presente. Ou seja, livros são amores pra sempre.

Outro dia meu pai me perguntou como eu conseguia ler tanto e aí eu parei para pensar. Tenho algumas hipóteses, mas confesso que às vezes até eu me surpreendo com meu ritmo meio alucinado de leitura…rs.

Em primeiro lugar eu leio bastante porque amo ler e a leitura é muito prazerosa para mim.

Depois porque sempre tenho um livro por perto (esta é a maior das dicas). Não sei vocês, mas leio vários livros ao mesmo tempo. Então tenho um livro em casa, um no trabalho e o Kindle na bolsa, sempre comigo. Nos intervalos do trabalho, enquanto espero o filho sair da dentista eu leio. Esta é uma dica bacana, se o livro está por perto, você lê mais. Outra coisa que me ajuda muito é participar de grupos literários nas redes sociais. Neste grupo as pessoas que amam ler se reúnem e trocam dicas, idéias, comentários, fazem amizade.

É muito bom ter com quem discutir os livros que você lê (para isso os clubes de leitura também são ótimos). Com os grupos me mantenho motivada, animada e minha lista de futuras leituras não pára de aumentar. Adoro e recomendo participar de algum destes grupos.

Mas voltando ao tema inicial desse post, quantos livros você já leu em 2018?

Até este momento li 85 livros. Não importa se você leu 1, 10, 100 ou 200. Mais do que números, o importante é a diversão, a gratificação que a leitura traz. Gosto deste momento, de início do segundo semestre para fazer um balanço do ano. Como disse minha amiga Gabi, ainda temos 5 meses para colocar em prática todas aquelas promessas feitas na virada do ano e que ainda não cumprimos. Tempo de reavaliar o que temos feito até aqui. Tempo suficiente para ler.

Não precisa ter pressa! Podemos ler com calma, mais rápido, cada um no seu ritmo, no seu momento. Também separei cinco livros para serem lidos daqui até o final de 2018. Escolhi livros bem variados. Esta, aliás, é outra dica para manter a motivação da leitura. Procure alternar gêneros literários diferentes, isso faz com que você não canse dos livros facilmente e mantém a atenção. Deixo as sinopses para vocês se inspirarem. Estes ainda estão na minha lista de leitura, já separados aqui na minha pilha de cabeceira.

Quer ler comigo? Eu vou adorar! Vem!

amor pelos livros

Crônicas de um pai de menina – Ricardo Zastrow

Ser pai é ao mesmo tempo a tarefa mais árdua e mais recompensadora que pode haver, uma experiência quase inimaginável, que só entende quem teve a coragem de se aventurar por ela e aprender seus caminhos dia a dia, passo a passo.

Mas o Ricardo, o paizão da Laura e da Helena, com seu estilo leve e divertido, mas fruto de uma observação única e sensível, tem o dom de transmitir de forma tocante uma bela ideia dessa jornada.E você vai adorar conhecer esses três.

Quase antologia – Carlos Heitor Cony

Se eu morrer amanhã, não levarei saudade de Donald Trump. Também não levarei saudade da operação Lava Jato nem do mensalão. Não levarei saudade dos programas do Ratinho, do Chaves, do Big Brother em geral”, escreve Carlos Heitor Cony em um dos textos desta antologia, que reúne suas melhores crônicas publicadas na Folha de S.Paulo entre 2005 e 2017. Ele só pararia de escrevê-las poucos dias antes de morrer, em 5 de janeiro de 2018, aos 91 anos.

Organizada por Bernardo Ajzenberg, essa coletânea revela o cronista espirituoso e elegante que, na coluna que assinava na página 2 do jornal, observa as mudanças comportamentais, tecnológicas e políticas do momento em que escreve. Capaz de conferir registro lírico às situações mais inusitadas, Cony nunca deixa de lado o humor discreto e fino que o ajudaria a firmar-se como um dos grandes escritores de sua geração – o que o leitor poderá conferir neste livro.

De Espaços abandonados – Luisa Geiser

Ao mesclar cartas, trechos de livros, manuais de escrita, depoimentos e arquivos perdidos em computadores, Luisa Geisler costura a vida de uma série de brasileiros autoexilados na Irlanda, em busca de um futuro melhor, ainda que não saibam o que procuram. Este livro não traça apenas a jornada de uma mulher em busca da mãe. Ele refaz, também, a história de personagens perdidas, que buscaram uma vida melhor em outros países, mas acabaram reencontrando antigos problemas nelas mesmas. São pessoas que por anos ouviram histórias sobre ganhar em euro e a mítica da sorte irlandesa, mas que agora estão entre tentar achar uma forma de fugir da vida ou encará-la de frente.

O Cérebro que não sabia de nada – Dean Burnett

Acontece o tempo todo. Você vai até a geladeira, liga o computador, abre uma gaveta buscando algo e, quando se dá conta, não tem a menor ideia do que está fazendo. É como se o seu cérebro estivesse sabotando a sua vida. E está mesmo. Maravilha absoluta em muitos aspectos, o cérebro é, sem dúvida, um órgão “bem-intencionado”, mas algumas vezes também se mostra bastante confuso e falível. Percebendo isso, o neurocientista Dean Burnett decidiu pesquisar os principais mistérios, pontos cegos, apagões e outros aspectos risíveis do cérebro humano. Em O cérebro que não sabia de nada – best-seller internacional –, o autor celebra de maneira divertida as muitas falhas cometidas pela mente humana e, apoiado na ciência e na pesquisa, revela como o cérebro realmente funciona e por que somos criaturas tão confusas, caóticas e ilógicas. Culpa do cérebro, que não sabe de nada.

Amores ao sul – Lucão

Logo no primeiro dia percorrendo o Caminho de Santiago, Luca esbarra com a tristeza de Rodrigo, um peregrino brasileiro que procura desesperadamente por Sol, um amor que nasceu e se perdeu durante a jornada. Sem ter muito claro para si o motivo que o levou a Espanha, Luca mergulha no drama do conterrâneo e acaba por se perder ao viver um Caminho cheio de medos, dúvidas e encontros inesperados entre o passado e o presente. Seria o amor o único caminho para se chegar a Santiago de Compostela?

Conheça o blog da Mãe Literatura AQUI! 😉

Leia também: um livro por mês

compartilhe!

1

comente!

tags: ,

Uma resposta para “Amor pelos livros e um dica por mês até o final do ano”

  1. Querida Gabis!
    Que prazer participar do seu blog!! Adorei!!
    Vamos às leituras!!
    Bjs

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.