30 nov 2015

6 perguntas e respostas sobre sono do bebê

6 perguntas e respostas sobre sono do bebê

sono

O sonho de toda mãe quando tem um bebê é que ele durma a noite toda sem interrupções. Nos três primeiros meses isso é algo difícil de acontecer, pois a tendência é o bebê acordar de 3 em 3 horas (ou até menos) para mamar. Com o tempo, o bebê vai crescendo, consequentemente o estômago também e a fome começa dar uma espaçada. então o sono do bebê tende a ser algo mais tranquilo. Mas até o bebê ter uma rotina adequada para dormir, os pais já tentaram de tudo e estão exaustos.

Uma das coisas fundamentais para criar esse hábito, é estabelecer rituais desde o nascimento do bebê. Primeiro, é essencial ensinar a diferença entre dia e noite. Durante o dia não precisa evitar barulhos, iluminação (é até bom que os cochilos sejam feitos em um lugar com um pouco de luz), ouvir música. Já à noite, é bom não estimular muito o bebê, manter os ambientes com pouca luz, fazer uma massagem. Estipular uma rotina com horários para cada atividade e ficar atenta aos sinais que indicam o cansaço do bebê, contribuem, e muito, para o sono do bebê ser cada vez melhor.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

24 nov 2015

O segundo filho é mais fácil?

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

A pergunta mais frequente que me fazem agora é essa: o segundo filho é mais fácil?

Blog_fotos-2015_3

Alguns dizem que sim. Eu acho que nem tanto. Algumas coisas são mais fáceis e só precisam novamente pegar a prática, como segurar um recém-nascido, fazer dormir, trocar fralda, dar banho, essas coisas. Tem também coisas que fazíamos no primeiro que deixamos de fazer no segundo, isso é verdade (!), como ferver a chupeta todas as vezes que ela cai no chão de casa, medir temperatura da água do banho com termômetro, usar apenas a melhor marca de fraldas, limpar o bumbum só com algodão até os 4 meses… Com o segundo filho meio que já sabemos que não fará mal algum ouvir mais a nossa intuição do que seguir à risca a orientação do pediatra, estamos prontas para as etapas que estão por vir, mesmo sabendo que um filho é diferente do outro. Estamos um pouco mais calejadas, experientes e menos melindradas.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

23 nov 2015

Dicas para evitar acidentes domésticos

Decidimos que Stella vai para o berçário, assim como Benjamin foi desde o início. Mas confesso que dessa vez estava mais insegura e cogitei colocar uma babá para ficar com ela em casa. Pensando nos prós e contras, um dos fatores decisivos, foi pensar nos perigos que temos dentro de casa, coisas que nós vemos mas que outras pessoas podem não ver e que basta um segundo de distração para a criança sofrer um acidente doméstico. Todos os dias vemos coisas do tipo nos noticiários. Eu sabia que os perigos existiam, no entanto não imaginava que são inúmeros os riscos que bebês/crianças correm dentro do próprio lar. Foi no evento da Saúde4Kids, Criando um ambiente seguro para o seu filho, que descobri: os perigos são maiores do que pensamos e toda a atenção do mundo é pouca.

Acidentes domésticos podem só passar de um susto, mas podem também trazer consequências graves. Segundo dados do Ministério da Saúde, no Brasil, acidentes representam a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos. No total, cerca de 4,7 mil crianças morrem e 122 mil são hospitalizadas anualmente. A cada morte de uma criança, outras quatro ficam com sequelas graves – o que pode gerar consequências emocionais, sociais e financeiras para as famílias.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

17 nov 2015

Pesquisa revela: filhos sentem-se trocados por smartphones

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Semana passada escrevi sobre o comportamento do Benjamin em chamar a nossa atenção a todo instante para ver o que ele está fazendo. Vira e mexe é um tal de “mãe, olha o que sei fazer“. Daí que recentemente, uma pesquisa da AVG Technologies, empresa líder de segurança on-line, revelou que os filhos sentem-se trocados por smartphones.

mãe-e-celular

Quero ressaltar alguns dados da pesquisa que me soaram assustadores, confira:

  • 71% dos pais acreditam checar demais seu smartphone  (87% dos filhos concordam);
  • 58% acreditam que seus filhos passam mais tempo no celular do que eles (65% dos filhos concordam
  • 29% afirmam não dar um bom exemplo em relação ao uso de dispositivos móveis (24% das crianças concordam)

Piores Hábitos

  • Se distrair enquanto conversam com os filhos – 65% (50% das crianças concordam que seus pais fazem isso);
  • Usam o smartphone ou tablet durante o jantar – 48% (28% das crianças concordam);
  • Usam o smartphone enquanto brincam com os filhos – 29% (33% das crianças concordam);
  • Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

16 nov 2015

Os segredos de uma encantadora de bebês

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros, Puericultura

Li a primeira vez “Os segredos de uma encantadora de bebês – como ter uma relação tranquila e saudável com seu bebê” logo quando Benjamin nasceu. E li novamente agora com o nascimento da Stella. Impressionante como a gente esquece as primeiras semanas com o bebê, assim como esquecemos algumas leituras que fazemos. Esse livro é cheio de boas dicas que podem ser aplicadas no dia a dia. Claro, é aquela velha história, nem tudo que tem num livro tem cabimento e nem sempre cabe para todas as famílias e bebês, mas sempre dá pra tirar algum proveito, ainda mais dos segredos da encantadora de bebês.

encantadora de bbs

No início da obra tem um teste “conheça seu bebê”. São 20 questões a respeito do bebê e para cada uma o leitor escolhe a melhor resposta que descreve o comportamento do seu filho na maior parte do tempo. Foi uma surpresa descobrir marcações que tinha feito na época em que li, há pouco mais de 4 anos. O resultado sobre Benjamin era um empate entre bebê anjo e bebê livro-texto. Refiz o teste avaliando a Stella e por estar com ela no colo acabei não fazendo as contas para ter o resultado. Já sabia que daria algo como bebê sensível, desencanei e decidi ler o livro novamente sem saber a resposta.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

13 nov 2015

Site Começar Saudável – conteúdo e interatividade no mesmo canal

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Sabemos que vida de mãe é maravilhosa e também exaustiva.  Às vezes estamos muito cansadas e impacientes, mas basta ler um depoimento motivador para nos lembrarmos de que tudo não passa de uma fase. Por isso, tenho uma lista de sites maternos nos quais entro toda semana, religiosamente, para me informar, ver novidades, pesquisar sobre algum determinado assunto e até me inspirar para colocar em prática no meu dia a dia de mãe. O site Começar Saudável está no topo da minha lista, um espaço com conteúdo relevante e interatividade.

Comecei no Começar Saudável de fininho, lendo as histórias compartilhadas no blog Vida de Mãe. Um espaço produzido por mães e pais como eu e você, com suas dúvidas, aprendizados, experiências. É possível encontrar depoimentos saudosos das lembranças de infância e como essas memórias influenciam sua maternagem hoje, além de dicas interessantes sobre rotina do sono, volta às aulas, como lidar com ciúmes do filho com a chegada do bebê, férias, pós-parto, entre outros assuntos. O que gosto nele é que são textos curtinhos e objetivos, o que para mim é ótimo, pois facilita a leitura nessa vida corrida.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

12 nov 2015

Birra e os momentos que ninguém vê

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

Imagem Google

Imagem Google

Sexta-feira passada comecei o dia bem. Acordei ao lado dos meus dois filhos amados, até postei uma foto nas redes sociais dizendo o quanto Benjamin é fofo com a irmã, o quanto é bacana ver a relação deles se construindo. Levantamos, preparei o café da manhã, tomamos, ajeitei as coisas e fui me arrumar. Benjamin sempre prestativo disse que ficaria brincando com a Stellinda. Era dia de pediatra e quando estava perto de sairmos, começou um daqueles momentos que ninguém vê. Benjamin começou fazer a maior birra dos últimos tempos. Benjamin é uma criança de ouro, muito comportada, boazinha, educada, mas ele tem tido momentos de birras. Ele nunca fez birra em público (meu maior pavor) e a birra aqui não é algo constante, no entanto, quando acontece dura um tempo interminável e nunca acaba como eu gostaria.

Geralmente, começam do nada e mesmo que eu o alerte sobre seu comportamento, ele continua. Não foi diferente na última sexta. Falei e respirei fundo uma, duas, três, quatro, cinco vezes e nada dele parar. Ele começou a gritar e eu perdi a paciência. Pareço boa mãe, mas fiz uma ameça horrível: “Benjamin, o prédio inteiro está ouvindo você gritar desse jeito, vão chamar a polícia pra mamãe. Quer que eu seja presa?!”. Obviamente ele disse que não, mas esse aviso não foi suficiente para ele parar. Pela primeira vez na vida, senti vontade de dar umas boas palmadas no Benjamin, mas eu continuava a respirava fundo. Stella só olhava atenta a tudo. Chegamos no carro e Benjamin continuava chorando e gritando. Foi terrível. Fiquei tão nervosa que mal conseguia dirigir. E nesse meio-tempo já havia dado a sentença a ele: sem televisão o final de semana inteiro, de sexta a domingo.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

10 nov 2015

Maternidade contribui para o desempenho profissional da mulher

por
Gabi Miranda

Destaque, Maternidade, Trabalho

Imagem Google

Imagem Google

Que a maternidade transforma a vida, não é nenhuma novidade. Mas ela também aumenta o desempenho das mulheres em vários setores, inclusive o profissional. Uma pesquisa, realizada há algum tempo, pela Microsoft, com 2.000 funcionárias e 500 empregadores, afirma que a maternidade contribui para o desempenho profissional da mulher, que a performance das mulheres muda (para melhor) após o nascimento dos filhos. Segundo a pesquisa:

  • 62% das mulheres afirmam ter se tornado melhores na realização de multitarefas
  • 46% disseram sentir melhoras na gestão do tempo
  • 34% comentaram sobre o aumento das relações cordiais com os colegas de trabalho
  • 27% se tornam mais organizadas
  • 57% dos empregadores concordaram que mulheres com filhos trabalham melhor em equipe dos que aquelas que ainda não são mães.

Não sou nenhuma especialista no assunto comportamental, mas segundo a minha experiência materna, imagino o motivo de tanta mudança. Sobre o aumento da gentileza nas relações, acho que tem a ver com o nosso desejo em querer um mundo melhor para nossos filhos, portanto começamos a mudança dentro de nós, gerando gentileza. Tratamos melhor as pessoas para que se torne uma corrente do bem. E acho que tem uma questão de espírito e alma leves, a maternidade nos faz tão felizes que acaba espelhando em nosso modo de agir com o mundo.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

09 nov 2015

Levante por mulheres grávidas

por
Gabi Miranda

Destaque, Gravidez, Maternidade

Não tem jeito, parece algo cultural (e mundial), enraizado no ser humano sem noção, mas é algo costumeiro ver grávidas e idosos em pé no transporte público. Mesmo tendo cadeiras reservadas para esse grupo. É difícil encontrar um ser que se levante por mulheres grávidas. As pessoas fingem que não veem, fingem que estão dormindo. É verdade! Eu já me deparei com isso na gestação do Benjamin. Na gravidez da Stella não me lembro de ter andado de metrô ou ônibus, mas senti o desrespeito nas filas em lugares públicos. As pessoas simplesmente não dão lugar e ainda acham ruim quando você (ou algum cidadão do bem) faz prevalecer o seu direito.

Definitivamente, acho que esse é o tipo de coisa que não devia precisar de avisos, mas é sempre bom alertar. E foi pensando nas grávidas que os chineses lançaram uma campanha pra lá de criativa “Stand Up For Pregnant Women” (Levante por mulheres grávidas). Com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do respeito para aqueles que precisam. Principalmente as grávidas, os cartazes são ilustrados com desenhos geniais, além de muito meigos.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

03 nov 2015

Apego demais é bom ou ruim?

apego

Tenho lido bastante sobre a criação com apego e me identifico muito com as teorias. Ao contrário do que muita gente prega, criação com apego não se resume em carregar o bebê no sling, compartilhar cama, amamentar até os dois anos de idade, não mandar para escola até não sei quantos anos, não deixar chorar por mais de um minuto, etc. E lendo sobre isso, fica claro que existem dois lados.

De um lado, estão aqueles que acreditam que você deve “treinar” o bebê. Isso significa fazê-lo dormir sozinho, deixá-lo chorar, não mimá-lo, não pegá-lo no colo, torná-lo independente, etc. É como um regime militar. Você ensina seu bebê a agir de acordo com sua necessidade, de acordo com o seu desejo. É rígido demais para um bebê. Do outro lado, estão os defensores do avesso, os que acreditam na importância dos pais seguirem o ritmo do bebê. Os que estão desse lado, acreditam que para ter uma criança bem acomodada e adaptada, a mãe precisa atender a todas as suas necessidades. Só que se nós mães, seguirmos isso à risca, significa também abrir mão da própria vida.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!