08 maio 2017

O que você quer de dia das mães?

Dia das mães

Toda mãe quer vale-banheiro, uma noite inteira de sono, tempo pra ler ou para rever as amigas, presente de dia das mães não falta. Só quem é mãe sabe o quanto é maravilhoso e enriquecedor esse cargo, mas também o quanto é cansativo. Vivemos ligadas mesmo dormindo, muita coisa para pensar, tem o medo de errar, a vontade de querer ser a mãe perfeita e a culpa para nos assombrar vez ou outra. A responsabilidade é grande: participar e promover uma vida para que nossos filhos cresçam bem e saudáveis.

Estão aí as infinitas (e emocionantes) propagandas sobre as mães rolando desde abril e que não me deixam mentir. Mãe tem uma missão importante! Acompanhar, proteger – não em demasia, ensinar o caminho, deixar ir e estar sempre pronta para receber de volta. Mãe também não está pronta para ser mãe, nos construímos nessa relação transformadora que é a maternidade. Mãe é um ser humano como qualquer outro, sendo assim temos nossas próprias limitações. Mãe vale ouro (e não é de ferro). Amamos incondicionalmente. Mas temos vontade de jogar tudo para o alto sim, às vezes gritamos, perdemos o controle, incontáveis vezes, a paciência – principalmente quando a criança faz manha bem na hora que precisamos sair, quando pela milésima vez colocamos o bebê no berço e ele arregala os olhinhos.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

24 abr 2017

Higiene do sono

por
Gabi Miranda

Destaque, Filhos, Saúde, Sono

É fundamental criar uma rotina para hora do sono. E isso inclui uma higiene do sono. Mas o que é higiene do sono?

higiene do sono

Higiene do sono é uma espécie de limpeza nas atividades antes de dormir. É a calmaria para entrar a rotina do sono.

Consiste em uma hora antes de iniciar o ritual do sono, entre 18h e 19 horas, propor a criança atividades mais tranquilas, como contação de história, desenhar, brincar de blocos de montar. A partir do momento que começar a rotina do sono, fica proibido a criança ter acesso TV, tablet ou celular, pois qualquer um desses eletrônicos emite luz e inibe a melatonina – um neuro-hormônio relacionado à regulação do sono. Por volta das 19h e 20 horas, a produção de melatonina sobe e adrenalina desce. Com a adrenalina baixa, a criança tem mais facilidade para pegar no sono.

Leia também: mitos e verdades sobre o sono

.
Por volta das 19h a criança deverá dar os sinais de sono, então chegou a hora de colocá-la na cama. Explique que chegou o momento de dormir, coloque o pijama, escove os dentes, leve para o quarto, conte uma história e boa noite! O adulto poderá ficar no quarto até que a criança adormeça.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

12 abr 2017

A mãe dedicada

Não basta ser a mãe dedicada, você também tem que seguir tudo do jeito que os outros falam

 

a mãe dedicada

O bebê nasce e ao nosso lado estão avós, vizinhos, tias, médicos, enfermeiras, todo mundo palpitando em como você deve cuidar do seu filho. A criança cresce mais um pouquinho e sempre tem um palpiteiro de plantão dizendo “ah, ela tá com fome”. “está com sono”. “coloca ela pra dormir”. “essas crianças não saem de frente da televisão”. “ixi, o nariz está escorrendo, ele está ficando gripado”. “compra comida pra essa criança”. “essa criança vai ficar mal acostumada” e blá blá blá. Claro, as pessoas tem a melhor intenção do mundo! Parece que a mãe é que não tem.

É sempre mais fácil alguém apontar o dedo do que levar seu filho mais velho para passear, enquanto você fica com o recém-nascido. Ou palpitar em como você deveria cuidar melhor dos seus filhos, quando poderiam oferecer-lhe ajuda. Há algo que as pessoas não se dão conta! Mães, de primeira viagem ou não, sabem cuidar de seus filhos e o fazem muito bem. Porque a mãe se dedica a essa tarefa. Ela se prepara durante 9 meses e quando seu filho chega em seus braços, a mãe está pronta, embora não pareça, para dedicar-se à missão que tem pela frente.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

24 mar 2017

Por que mudei minha filha de escola

Depois que contei nas redes sociais que tinha mudado a Stella de escola, muitas pessoas me mandaram mensagens perguntando por que mudei minha filha de escola, já que anteriormente ela estava na mesma escolinha onde o Benjamin ficou 4 anos. Eu podia listar algumas coisas que nunca me agradaram desde a época do Benjamin. Mas acho injusto se eu primeiramente o mantive lá e depois ainda deixei a Stella. Ou seja, algo de bom tem. Prefiro explicar porque não mudei o Benjamin antes e a resposta é simples: porque ele era muito bem cuidado. Embora isso fosse um fato, a Stella não iria pra lá se eu tivesse encontrado um lugar que me agradasse totalmente. No entanto, a verdade é que faltam berçários com ambientes apropriados e profissionais preparados para lidar com bebês. E porque lá era um local físico adequado e com profissionais carinhosos, a matriculei lá também.

Penso que nós, pais, não podemos ter papel de coadjuvantes no aprendizado do nossos filhos. Acho que colocar o filho no berçário/escolinha é uma das decisões mais difíceis dos pais de primeira viagem. Adquirida a experiência, acredito que nosso primeiro papel, é escolher uma instituição de ensino que deve se aproximar ao máximo possível do nosso estilo de vida e, principalmente, dos nossos valores de vida.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

4

comente!

10 mar 2017

20 coisas para uma criança ser feliz

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos

20 coisas para uma criança ser feliz

para uma criança ser feliz

Imagem Google

O que precisa para uma criança ser feliz?

Acho curioso quando alguém fala que não tem condições de ter filhos. Entendo que o fator financeiro pesa bastante. Mas criança nasce pedindo para fazer judô, balé, natação, ir para a escola mais cara? Criança nasce pedindo para viajar, aparelho celular de última moda, tênis e roupas de marca? Pede um quarto cheio de brinquedos? Para uma criança ser feliz acho que precisa tão pouco. Apenas 20 itens e concordo com a lista abaixo do Ilan. 😉

20 coisas para uma criança ser feliz

Por Ilan Brenman, para Revista Crescer, edição de agosto/16

  1. Ter sido desejada pelos pais;
  2. Caso não tenha sido desejada, ter conquistado o coração deles após o nascimento;
  3. Carinho é uma pomada protetora poderosa;
  4. Alimentação saudável (mas uma tranqueira de vez em quando não mata ninguém);
  5. Ambiente minimamente limpo, mas sem neuras demais;
  6. Muitas histórias contadas e lidas;
  7. Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

06 mar 2017

Quando trocar o bebê conforto pela cadeirinha?

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos, Produtos

Essa é uma dúvida comum entre os pais: quando trocar o bebê conforto pela cadeirinha?

Trocamos o bebê conforto  pela cadeirinha. Agora Stella está sentada de frente como aparentemente sempre desejou. Ao contrário do Benjamin que trocamos o bebê conforto pela cadeirinha com um ano de idade, trocamos a Stella somente agora com um ano e meio. Isso porque ela não tinha o peso ideal para a troca. Agora, ela não chegou no teto do peso, mas a altura já tinha ultrapassou o limite.

Antigamente, o uso da cadeirinha não era obrigatório. Mas desde 2010 o uso do bebê conforto e cadeirinha são obrigatórios e reconhecido pela Lei da Cadeirinha que determina o uso do bebê conforto, cadeirinha, assento de elevação. Qual desses usar depende da idade, peso e altura da criança:

  • Bebê Conforto: deve ser usado apenas para recém-nascidos com até 13 kg ou 1 ano de idade. Ou ainda quando a cabeça do bebê estiver próxima do topo do equipamento num formato de concha. Deve ser sempre instalado no banco traseiro e de costas para a frente do veículo;
  • Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

03 mar 2017

O poder do discurso infantil

Uma vez, alguém me disse que criança perde a graça a partir dos 5 ou 6 anos. Os bebês sempre ganham presença por serem mais graciosos e fofos. Certamente essa pessoa, que já não lembro quem seja, não convive com uma criança de 5 anos, não imagina o poder do discurso infantil. Digo isso, porque convivo diariamente com uma criança nessa idade e posso afirmar, uma criança de 5 anos tem tanta graça quanto um bebê. Falo com certeza, pois tenho as duas experiências aqui em casa.

Talvez o meu menino de 5 anos tenha desenvolvido habilidades para superar as comparações e a invisibilidade causada por um bebê a uma criança de 5 anos. Porque aos olhos de adultos desatentos, o menino de 5 anos (ou mais), torna-se invisível. Percebo isso nos corredores e elevadores por onde andamos. Meu filho também percebe e já me questionou porque um adulto não o cumprimentou e só falou com sua irmã. Sim, acontece – e muito – disso. E me sobe um sentimento próximo a raiva. Uma vontade de ir lá tirar satisfação com o indivíduo mal educado que simplesmente ignorou a presença do meu primogênito e causou-lhe certa angústia e frustração. Quiçá algum dia ele desenvolva um sentimento até negativo contra a irmã, achando que ela pode ser uma ameaça à sua sociabilidade.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

6

comente!

20 fev 2017

Dicas para adaptar o sono do bebê com o fim do horário de verão

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Sono

dicas para adaptar o sono do bebê

Com o fim do horário de verão, precisamos atrasar o relógio em hora e temos que nos adaptar com esse novo horário. Alguns adultos acham mais fácil se ajustar ao fim do horário de verão, mas a mudança deixa as crianças um pouco confusas, inclusive o relógio biológico delas. E pode sim atrapalhar a rotina, afetando, por exemplo, o sono noturno. Para se adaptar ao novo horário, as crianças podem levar de 5 a 7 dias, depende de cada criança. Particularmente, acho mais fácil se adaptar ao fim do horário de verão, pois favorece a melatonina – o hormônio regulador do sono. Volta a escurecer mais cedo, fica mais fácil de colocar as crianças para dormir por volta das 19:00/20:00h quando a melatonina sobe.

Nesse período, muitas mamães ficam preocupadas em acertar a rotina do bebê. Esquecemos que as crianças são adaptáveis, podem sentir ou não a mudança do horário. E mesmo que sinta, conseguem se adaptar facilmente se seguirmos a rotina tranquilamente. Hoje compartilho algumas dicas para que pais e filhos não sofram com essa mudança. Abaixo, algumas dicas para adaptar o sono do bebê. Dicas simples mas úteis, que farão a diferença para se adaptar ao novo horário.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

15 fev 2017

Sorvete de frutas preparado no Processador de Alimentos para Bebês da Hamilton Beach

Recebemos recentemente, o Processador de Alimentos para Bebês da Hamilton Beach. E lá fui eu sem nem conhecer a máquina, gravar um vídeo testando o produto. Gosto disso, de testar e falar da minha experiência com sinceridade para os leitores.

Sobre o vídeo digo, apesar da timidez, da falta de traquejo, foi uma delícia produzir. Parecia que estava fazendo ao vivo. Era como se fosse, pois separei os ingredientes e, se algo desse errado, não tinha como voltar atrás porque não tinha mais os itens em casa. Ou seja, precisava dar certo para que eu pudesse formar minha opinião sobre o aparelho.

Sobre o produto, estou pensando até agora… COMO EU NÃO TINHA ISSO EM CASA ANTES?!

A primeira receita que fiz no meu processador, foi um sorvete de frutas e você confere o vídeo abaixo:

O Processador de Alimentos para Bebês

.

O processador de papinhas Hamilton Beach é ótimo para quem tem bebê em casa em fase de introdução alimentar. E para mamães, como eu, que trabalham fora, é uma maravilha. Sabemos o quanto a vida com bebê em casa é corrida. Precisamos otimizar nosso tempo para que possamos aproveitá-lo junto dos nossos filhos ao invés de passar o tempo todo na cozinha. Pensando em facilitar a vida de mães e pais, que a Hamilton Beach lançou o Processador de Alimentos para Bebês.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

8

comente!

07 fev 2017

A bebê está virando menina

por
Gabi Miranda

Bebê, Desenvolvimento, Destaque, Filhos

Stella, Stellinda, Amora. Minha bebê está virando menina! Ela completou 1 ano e 6 meses! Isso significa 18 meses, 547 dias, 13.128 horas, 787.680 minutos, 47.260.800 segundos. Nesse período todo, são muitas mudanças, aprendizados, medos, ansiedade, maturidade.

Ontem fui visitar uma grande amiga na maternidade. Ah! É a madrinha da própria personagem desse post. Ao contemplar um bebê no berçário e a nova condição da minha amiga, mãe de RN, é claro que me bateu a nostalgia. Já me parece tão distante o dia em que a Stella era um RN e quando paro pra pensar, lembro exatamente do dia em que me dei conta que precisava aproveitar ao máximo aquele bebezinho que adorava dormir no colo 24h ao invés de ficar em seu berço. Quando redescobri a maternidade.

Olhando a pitica, percebo o quanto ela desenvolveu nesse tempo, já está virando menina. Comecei despretensiosamente a listar na nota de blocos do celular, tudo o que ela anda fazendo. Porque muitas coisas ela já faz há meses e já não lembro quando começou. E nesse momento eu queria mesmo é ter uma memória de elefante para não esquecer cada detalhe do seu desenvolvimento e guardar para sempre todas as sensações que me causam ao vê-la fazendo algo novo, cada sorriso, o som da sua gargalhada. Porque parar o tempo, é impossível e nem teria graça né?! Pararia-se o tempo e também o andar dos acontecimentos.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

Página 6 de 23Primeira...456789...Última