23 nov 2015

Dicas para evitar acidentes domésticos

Decidimos que Stella vai para o berçário, assim como Benjamin foi desde o início. Mas confesso que dessa vez estava mais insegura e cogitei colocar uma babá para ficar com ela em casa. Pensando nos prós e contras, um dos fatores decisivos, foi pensar nos perigos que temos dentro de casa, coisas que nós vemos mas que outras pessoas podem não ver e que basta um segundo de distração para a criança sofrer um acidente doméstico. Todos os dias vemos coisas do tipo nos noticiários. Eu sabia que os perigos existiam, no entanto não imaginava que são inúmeros os riscos que bebês/crianças correm dentro do próprio lar. Foi no evento da Saúde4Kids, Criando um ambiente seguro para o seu filho, que descobri: os perigos são maiores do que pensamos e toda a atenção do mundo é pouca.

Acidentes domésticos podem só passar de um susto, mas podem também trazer consequências graves. Segundo dados do Ministério da Saúde, no Brasil, acidentes representam a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos. No total, cerca de 4,7 mil crianças morrem e 122 mil são hospitalizadas anualmente. A cada morte de uma criança, outras quatro ficam com sequelas graves – o que pode gerar consequências emocionais, sociais e financeiras para as famílias.

tabela

Proteger as tomadas, quinas dos móveis, deixar tesoura, secador, ferro fora do alcance dos pequenos é o básico da nossa lista de exigências. Até uma toalha de mesa com ponta grande representa risco para uma criança que pode puxá-la e trazer para cima dela algum objeto que pode machucá-la. Inclui também queimaduras (fogão ou com produtos químicos), sufocamento (com peças pequenas engolidas), quedas (em escadas ou por subir em algum lugar como mesa ou até por se pendurar em cortinas), intoxicações (medicamentos e produtos de limpeza) e até afogamentos (piscinas, baldes, vaso sanitário, banheiras). Basta menos de 3cm de água para uma criança se afogar. Ou seja, a banheira deixada com água após o banho, pode oferecer um perigo.

Os dois ambientes que oferecem mais riscos dentro de uma casa são: cozinha e banheiro. Na cozinha o perigo está no gás, fogão, tomadas, facas de fácil acesso, as gavetas, armários, materiais de limpeza, entre outros. Abaixo, a imagem da nossa cozinha mostra vários perigos.

Blog_fotos-2015

No banheiro, representa perigo: o chão molhado, as gavetas, o vaso sanitário, banheira, fiação/tomadas, secador de cabelo, janela, chão sem tapete antiderrapante, aquecedor de gás…

Blog_fotos-2015_2

Mas não é por isso que os outros ambientes não precisam de atenção. Sala, quartos, corredor também podem representar perigos como: televisão colocada em móvel que não a deixa estável, cortinas, fios, tomadas, móveis com quinas pontudas, fósforo e isqueiros deixados em qualquer lugar, janelas, luminárias, plantas ornamentais, ente outros. Medicamentos e produtos de limpeza não podem ser deixados em hipótese alguma em lugares de fácil acesso e muito menos ser armazenados em recipientes potencialmente de consumo, como por exemplo, garrafinha de água, garrafa pet, pote de sorvete.

Pensamos e ficamos mais atentos sempre no perigo fora de casa. Porém, nosso lar, deve ser, além de aconchegante e confortável, seguro para nossos filhos. Quando temos crianças, é necessário fazer algumas adaptações na casa, pois crianças são sempre curiosas e faz parte do desenvolvimento delas explorar o mundo em que vivem. Mas algo também muito importante é ensiná-las e conscientizá-las, através de nossos exemplos, explicar os perigos que podem acontecer até para que ela aprenda a evitar acidentes, dizer porque não pode mexer em determinado lugar, mostrar o que é certo e errado e não simplesmente repetir a todo instante “não”, “não pode”, “não mexe”.

Dicas para evitar acidentes domésticos 

  • Estabeleça regras de forma a orientar aonde a criança pode explorar;
  • Não cozinhe com a criança no colo, nem com ela próxima ao fogão. Cozinha é lugar proibido para crianças;
  • Ao cozinhar, utilize as bocas de trás do fogão e com os cabos das panelas virados para dentro;
  • Não passe roupa com a criança engatinhando/andando por perto;
  • Use fechos próprios para fechar gavetas, evitando que a criança abra;
  • Não use toalhas de mesa muito grandes de modo que a criança possa alcançar e puxar a ponta;
  • Não utilize embalagens de comida para armazenar medicamentos, produtos tóxicos (como os de limpeza), nem de higiene;
  • Guarde medicamentos, produtos de limpeza e higiene nas embalagens originais e fora do alcance das crianças;
  • A mesma regra vale para bebidas alcoolicas;
  • Objetos cortantes (tesouras, facas, espetos, agulhas, etc) também devem ser guardados fora do alcance das crianças;
  • Proteja as tomadas e cantos dos móveis com protetores;
  • Evite guardar talheres com as pontas para cima;
  • Tente manter escondidos os fios dos eletrodomésticos (existem organizadores de fios e cabos que podem contribuir para isso);
  • Evite móveis próximos à janela;
  • Cortinas não devem ter puxadores;
  • Proteja todas as janelas, inclusive dos banheiros, com grades ou redes;
  • Fique atento aos brinquedos e suas faixas etárias. Eles devem ser escolhidos de acordo com a idade da crianças, pois peças pequenas podem ser engolidas. Além disso, o barato pode sair caro, portanto cuidado ao comprar um brinquedo genérico;
  • Peça para as crianças guardarem os brinquedos após brincarem. Brinquedos espalhados podem provocar quedas;
  • Evite beliches para crianças menores de 12 anos;
  • No banho, fique atento à temperatura da água, pois pode provocar queimaduras;
  • Coloque um tapete antiderrapante no banheiro;
  • Mantenha o vaso sanitário fechado (utilize uma trava própria para isso);
  • Não deixe, em hipótese alguma, a criança brincar sozinha na banheira;
  • Certifique-se de deixar os baldes vazios;
  • Proteja piscina com cercado próprio para isso;
  • Proteja as escadas com portãozinho;
  • Na garagem, estacione sempre com o carro de frente para a saída, pois uma criança pode passar correndo e nem ser vista;
  • Cuidado com as plantas, algumas espécies podem ser venenosas e causar intoxicações às crianças;
  • Por último, mas não menos importante, tenha à mão telefones de emergência: bombeiro, ambulância, polícia e das pessoas da casa que podem estar fora.

Sobre a Saúde4kids: três pediatras que se uniram para compartilhar informações sobre o crescimento e desenvolvimento adequado da criança desde bebê até a adolescência. Ambas trabalham em UTIs e vivenciam de perto experiências com crianças em estados graves causados por acidentes domésticos e na rua.

Esse post não tem a intenção de assustar, mas alertar pais e cuidadores sobre os perigos que existem dentro da nossa própria casa. Algumas providências só tomamos quando acontece algo que impacte nossa vida de maneira que nos faça mudar. Não devemos esperar a criança pegar uma tesoura para travar as gavetas, enfiar a mão dentro do vaso sanitário para travar a tampa, ver na TV mais uma criança que caiu da janela para protegê-las com redes. Infelizmente, o mal pode acontecer na vida de todos, mesmo sendo atentos… e quem dirá não sendo.

compartilhe!

1

comente!

Uma resposta para “Dicas para evitar acidentes domésticos”

  1. […] Leia também: dicas para evitar acidentes domésticos […]

  2. Mateus disse:

    ótimas dicas, forma de escrever fácil e simples de entender, adorei o site, obrigado!

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

?