28 ago 2015

É uma menina!

por
Gabi Miranda

Gravidez, Maternidade

Quem nos acompanha sabe que não tínhamos conhecimento do sexo do bebê e expliquei minhas razões.

Leia qual o sexo do bebê

Tanto eu quanto marido e Benjamin, tínhamos uma intuição. Menina. Eu sentia isso muito forte dentro de mim, assim como senti que era menino quando esperava meu Ben. Mas ao contrário do que aconteceu na gestação do Ben – que eu sonhava ser menina quando não era, nessa sonhei 3 vezes que era menina e parecia sonho confirmação. Sabe esses sonhos que parecem avisos?! Benjamin além de ter sido o primeiro a falar que tinha um bebê na minha barriga sem mesmo eu desconfiar, falou desde sempre que teria uma irmãzinha. Dizia isso pra todo mundo e em nenhum momento titubeou. Ele já tinha até nome para ela: Smarfa.

Em uma das ultrasons que fizemos, o bebê estava de pernocas abertas e a médica aconselhou olharmos para o lado caso não quiséssemos mesmo saber o sexo. A Dra. após ter visto, perguntou se já tínhamos nome e comentei que só tínhamos opção para menina, ao que ela retrucou “é bom pensar opções para o sexo oposto também”. Pronto! A sementinha da dúvida foi plantada. E passei o restante da gravidez questionando minha intuição “será que é ou não?!”.

Durante toda a gravidez não saber o sexo foi motivo de discussão entre eu e marido. Após ter me confidenciado que gostaria de saber o sexo do neném, ele foi liberado para ter essa revelação desde que não contasse para mais ninguém. Mas a mesma médica citada acima não quis revelar para ele e desde então ele se conformou em esperar até o parto.

Eu não tive ansiedade em relação a isso e não alimentava expectativa. Tinha uma torcida muito grande para menina e outra menor que apostava ser menino. Cada um falava uma coisa em relação a barriga, a minha pele, meu jeito de grávida – acreditava-se que barriga pontuda apontava para o sexo feminino, mas como estava grande demais e tinha a linha nigra era um menino bem grandão. Eu ria dessas teorias todas, principalmente quando diziam ser menino.

Nesse período, dois episódios me emocionaram. O primeiro quando estava no aeroporto Santos Dumont, a trabalho, uma senhora segurou minha mão e disse que era uma menina. E uma semana antes do nascimento, saindo da feira, marido e Ben andavam na minha frente e uma senhora andando atrás de mim falou “agora vem uma menininha aí”. Fomos caminhando e conversando, quando entrei no carro estava chorando de emoção. Ao dobrarmos a esquina, marido brincou “você viu que a velhinha sumiu?!”, querendo dizer que ela não existia.

O dia do parto chegou e apesar das dores, naquele dia fiquei ansiosa. As horas demoraram pra passar mais que aquelas 40 semanas. E quando o Baby Bossinha chegou ao mundo, nunca vou esquecer a médica anunciando: É UMA MENINA! Nunca vou esquecer a fisionomia do marido, uma cara de felicidade…é uma surpresa imensa e inexplicável saber o sexo só na hora do parto.

E o Benjamin quando viu a neném pelada?! Ao ver a periquita, ele falou: o que é isso?! Hahaha

MENINA

A manta rosa deu o que falar. Ao ver foto da Stella com a manta e roupinha rosa, muitos acharam que eu já sabia o sexo. A manta foi presente de uma grande amiga minha. Após o parto, quando desci para o quarto, de madrugada, tinham várias mensagens no celular e uma delas era essa minha amiga, a Amanda, a quem eu respondi e mandei fotos da Stella. Nessa mesma madrugada, ela fez a manta, uma toalhinha, tudo bordado com o nome da neném. Foi o presente mais lindo, personalizado e feito com muito carinho por ela. Achei perfeito para a primeira foto dela nas redes sociais. A roupinha eu que comprei, seguindo minha intuição, era a única peça rosa que ela tinha.

Passei dias olhando a Stella sem acreditar no que via, a minha menininha. Por não saber o sexo durante a gravidez, nem ter escolhido nome, demora para assimilar tudo e acostumar com a ideia. Eu olhava meus dois filhos e também não acreditava que era mãe de casal. Ainda não sei explicar, mas isso tem uma forma diferente.

MENINA

Passaram-se 30 dias e aqui está ela, cheia de força, de vida, colorindo ainda mais meu mundo e já me ensinando que ainda preciso exercitar a paciência, controlar meu ímpeto de querer fazer tantas coisas ao mesmo tempo… E eu sei que ainda temos muito a ensinar e a aprender uma com a outra.
O universo foi muito generoso comigo. Sei que ela é um presente dos céus. E sou muito grata por tê-la e por ela ter me escolhido como mãe. E vou fazer por merecer essa escolha, sendo a melhor mãe possível para ela e seu irmão.

compartilhe!

4

comente!

4 respostas para “É uma menina!”

  1. Solange disse:

    Ola Gabriela , que linda sua filha … Parabéns !!! Sempre acompanhando suas postagem .. Felicidades para toda sua família .

  2. Amanda disse:

    Stellinha linda!! Só eu sei a ansiedade q eu estava aquela noite até receber a fotinho e ver q estava tudo bem é q é uma menina!! Aquela noite eu não ir dormir de jeito nenhum enquanto não fizesse uma mantinha p ela!! Fiquei c 2 tecidos separados a noite toda esperando p saber o sexo e montar a mantinha c o tecido certo!! Rsrsrs dormi as 4:30 h da manhã, mas isso é normal e o importante era ter a mantinha c nome bordado!! Rsrsrs
    E confesso, foi um alívio acabar essa expectativa toda na gravidez rsrsrsrs graças a deus temos um bebê lindo, uma princesa cheirosa e a cara do irmão!! Rsrs bjos

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.