22 dez 2017

Livros que li em 2017

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros

Ano passado fiz um post sobre meus livros lidos em 2016 e fez o maior sucesso. As pessoas entravam em contato comigo me pedindo indicações. Fiquei feliz em perceber que muitas pessoas ainda tem o gosto pela leitura. Não podia deixar de reunir aqui os livros que li em 2017. A ideia do post surgiu porque eu tinha lançado uma meta para ler pelo menos 10 livros em 2016. Naquele ano, acabei lendo 15 e coloquei como meta para 2017 repetir a dose. Afinal, 15 livros no ano, da uma média de 1 livro por mês. Comecei postando no instagram todos os livros que terminava de ler.

O ano está acabando e me surpreendi ao ver a minha lista dos livros que li em 2017. Ao total foram 27 livros, 12 a mais do que tinha colocado como meta. É pouco, claro, mas não para quem é mãe de dois. Principalmente, quando são duas crianças na idade do Ben (6 anos) e Stella (2). O mais gratificante foi perceber que inspirei muitas mães a lerem também. Muitas que já tinham o gosto pela leitura, mas que se diziam sem tempo para ler. Essa é a desculpa comum entre nós mães. E o que percebi depois que me tornei mãe de dois, é que eu nunca mais teria tempo pra nada se eu deixasse me levar pela vida com a maternidade. O que precisamos é de rotina – outra coisa difícil. E como organizamos a rotina? Listando nossas prioridades.

Ler é um dos itens do topo da minha lista de prioridades. Ainda não leio com a frequência que gostaria, mas tento ler um pouco todo dia antes de dormir (e quando estava trabalhando fora, lia na condução). Abaixo listo todos os livros que li em 2017.

1, 2, 3, 4 – Tetralogia Elena Ferrante

A Amiga Genial, História do Novo Sobrenome, História de quem foge e quem fica, A filha perdida

Essa é a sequência da tetralogia da autora cuja identidade é mantida em segredo e acho que por isso amo tanto. Esse mistério em torno da sua identidade, deixa suas obras ainda mais interessantes. Confesso que não foi amor a primeira vista. Comecei a ler o primeiro livro, parei na metade porque começou a me cansar a falta de acontecimentos extraordinários na trama. Foi quando ganhei de Natal do meu pai, o próximo livro da lista, Dias de Abandono. Devorei em poucos dia, me apaixonei e voltei para o primeiro livro da tetralogia. Do segundo livro para o quarto, a obra fica arrebatadora. Incrível. Você termina um livro e já quer a sequência dele. Imagina quando acabei o terceiro e não tinha o último no Brasil?! Foi lançado só no meio do ano, então fiquei aí uns três meses na espera. E quando chegou fiquei com dó de começar a leitura porque sabia que seria o último livro da história.

AMEI e daria mil estrelinhas de avaliação.

5. Dias de Abandono

Depois de 15 anos de casamento, o marido chega para Olga e diz que está tudo acabado, que tem uma amante 18 anos mais nova e simplesmente vai viver sua vida ao lado dela. Então ela se vê abandonada com filhos, cachorro e não quer assumir o papel de abandonada como foi o caso de algumas personagens reais de sua infância. Olga passa por todo um desespero e o leitor pode sentir isso. É uma história até comum nos dias de hoje. O comovente, é a forma como a personagem vive tudo isso até dar a volta por cima. Adorei!!!

6. A mágica da arrumação, Marie Kondo

AMEI esse livro que foi transformado na minha vida esse ano. Li no início do ano e com ele aprendi e coloco várias coisas em prática. Tem um post aqui no blog dedicado só a ele: a mágica da arrumação.

7. Um amor incômodo, Elena Ferrante

Se a ideia era deixar o leitor incomodado, Elena conseguiu. É incômodo ao cubo quando Delia volta para sua cidade por causa do enterro de sua mãe, Amalia. Sua mãe foi encontrada morta numa praia e sem marcas de agressões, Delia começa uma busca das possíveis causas. Então encontra três homens que marcaram a vida de sua mãe no passado. E aí começa uma viagem…

8. A filha perdida

AMEI! Conta a história de Leda, uma mulher de meia idade, cujas filhas crescidas moram com o pai. Sua única preocupação no momento é com o trabalho. Porém, ela está de férias e decide ir para uma praia. Ali, encontra uma jovem mãe com sua família, o que lhe traz várias lembranças da sua própria maternidade. Gostei muito desse livro porque apresenta sentimentos reais sobre a maternidade que muitas de nós não temos coragem de assumir. Para ler, tem que se despir dos julgamentos. Eu não consegui julgar a personagem principal, pelo contrário, sinto até empatia por ela. Gostei muito dessa história.

9. Cinco esquinas, Mario Vargas Llosa

Conta a história de uma amizade entre duas mulheres que acabam passando uma noite juntas – o que desencadeia uma relação maior entre elas. Paralelo a isso, o marido de uma delas tem um segredo revelado que transforma a vida dele profissionalmente e no casamento. Gostei bastante, é uma leitura que prende o leitor.

10. Criando Meninas, Steve Biiddulph

Essa leitura me fez pensar muito sobre a criança que fui, sobre algumas experiências que tive na infância, o quanto estou me conhecendo melhor através do convívio com a Stella, sobre a minha responsabilidade em criar uma menina – pois sabemos, os perigos de ser uma mulher é grande!, na mulher que eu desejo que ela se torne, no quanto precisamos ensinar as meninas se defenderem e expressar claramente suas necessidades e opiniões, no quanto terá de mim dentro da minha filha (nós somos muito parecidas com as nossas mães, embora possa não parecer), na importância de ter por perto mulheres fortes que exerçam outras formas de influências (e aí sinto muito por minha mãe não estar aqui e ser uma dessas mulheres). E me fez pensar, sobretudo, outra coisa: que oportunidade maravilhosa essa tal de maternidade. Tem post completo sobre o Livro criando meninas aqui no blog.

11. Simples assim, Martha Medeiros

Eu adoro Martha Medeiros e fazia tempo que não lia nenhum livro dela. É daqueles livros que nos faz lembrar das coisas simples da vida.

12. Os bebês e suas mães, D. W. Winnicott

Adoro psicologia e tudo que tem ligação com a maternidade e desenvolvimento infantil. Nesse livro, Winnicott fala sobre a capacidade natural que as mães possuem. Falo um pouco dele no post “a mãe dedicada“.

13. Paris para dois um, Jojo Moyes

Adoooro um romancinho com açucar. Esse é bem adocicado. São vários contos curtinhos, sendo que um deles originou outro livro da Jojo, também nessa lista “a garota que você deicou para trás“.

14. A Equilibrosa, Monica Calderano

Ahhhh, Elena Ferrante nos uniu. Esse livro reúne várias crônicas do blog Equilibrosa. Além do livro, esse ano ganhei de presente a amizade da autora. Super recomendo.

15 e 16. Sejamos todos feministas e Para educar crianças feministas, Chmamanda Ngozi Adichie

Adorei esses livrinhos e tem post sobre eles e com 15 sugestões para educar crianças feministas.

17. Pequenas Grandes Mentiras, Liane Moriarty

Indicação e presente da Equilibrosa, é um livro que demorei para engatar, mas quando engatei foi bom demais. É incrível como a autora narra a trama. Tem série inspirada por ele. E conto no post Big Little Lies o que é melhor,a série ou o livro.

18. A garota que você deixou para trás, Jojo Moyes

Mistura a história de uma moça na França de 1916, na Primeira Guerra, com a de outra moça nos anos 2000, em Londres. Uma história de amor, fé e esperança. Nos faz pensar sobre o que a gente perde tentando se agarrar a umas poucas coisas. E reforça aquilo que nossas mães falavam: “que na vida há coisas muito mais importantes do que vencer”. É uma história extraordinária, com final surpreendente. Indico muito!

19. Que ninguém nos ouça, Leila Ferreira e Cris Guerra

Fui do riso ao choro com esse livro. Mas que delícia de leitura! É como se o leitor fizesse parte também do diálogo. Eu me identifiquei do início ao fim, porque muitos dos relatos são coisas que vivemos ou que vimos alguém viver. Trata-se de uma troca de e-mails entre a Cris Guerra e Leila Ferreira. Começa quando a Cris envia um e-mail elogiando um livro da Leila e daí em diante elas conversam sobre os assuntos mais diversos. Maternidade, família, amizade, trabalho, perdas, ganhos, sexo, escolhas….

20. O segredo do meu marido, Liane Moriarty

Genteeeee, vocês não tem noção do segredo do marido!!! Choquei! Essa obra faz a gente pensar em como é incrível os percursos que a vida pode dar e a gente nem imagina. Eita livro bom!!! Aliás, a narrativa da Liane Moriarty é ótima. Ela também é autora do livro “Pequenas grandes Mentiras”.

21. Cazuza – só as mães são felizes, Lucinha Araujo

“…A impotência me doía os pensamentos, as intenções. Mas eu ainda acreditava ser possível recuperá-lo. Diante de uma sentença tão avassaladora, num instante em que a realidade não nos interessa e sim a esperança e o sonho, cheguei a acreditar que Deus ainda me concederia poderes divinos para mudar o curso da história. Rodopiar o globo terrestre ao contrário, como o Super-Homem, e levar os perigos do passado”.

Quando Cazuza morreu, eu tinha 9 anos e por causa da minha mãe eu nasci gostando dele. Eu já tinha lido “O tempo não para, Viva Cazuza”, escrito por Lucinha, sua mãe. Agora acabo de ler esse. Os dois são igualmente comoventes. Quando se é mãe, não é difícil imaginar a dor de perder um filho. Lucinha é uma mulher forte! Durante todo o tempo ela viveu de tentativas para manter seu filho vivo. E de certa forma, ela conseguiu com a sociedade Viva Cazuza. O depoimento dela nesse livro, é emocionante. De fazer o leitor chorar em vários momentos. ⠀

22. O milagre da manhã, Hal Elrod

O milagre da manhã parte de um princípio que acredito muito: todo dia em que acordamos é uma oportunidade para fazer algo diferente, principalmente tornar seu dia com sentido. Se você acorda reclamando por ter acordado e por todas as coisas que tem a fazer, tem grande chance do seu dia ser ruim. Mas se você acorda desejando que seu dia seja bom e incrível, ele será. Tem post aqui no blog sobre o milagre da manhã.

23. Desligue – um guia simples de meditação, Suze Yalof Schwartz

Uma das minhas metas para 2018: meditar. E esse livro ajuda a desmistificar impressões equivocadas sobre a meditação. Fiz até um post dele contando os mitos e verdades que são reveladas na obra. Para ler é só clicar AQUI.

24 Propósito, Prem Baba

Livro ma-ra-vi-lho-so para quem como eu está buscando autoconhecimento. É um livro sobre entender o propósito da nossa vida, nossa missão e buscar caminhos para o amor e felicidade. É um livro que nos faz viajar para dentro de nós. Estou muito apaixonada por ele, não quero largar e vai fazer parte da minha cabeceira. Bendita hora que conheci uma pessoa que me indicou ele.

25. Extraordinário

Livro que deu origem ao filme, é a história de um menino com o rosto deformado. O livro tem momentos narrados por ele e também por outros personagens.

26. Essencialismo

Metade de mim é essencialismo, mas a outra metade… amei esse livro! Terminei a leitura e fiquei andando com ele na bolsa ainda porque estava difícil soltar. Aí minha irmã pediu emprestado e eu larguei. Ainda quero escrever sobre ele aqui no blog.  É daqueles livros para ter perto e consultar sempre. ⠀

Vamos imaginar: o que aconteceria ao mundo se todas as pessoas eliminassem uma atividade boa mas banal e substituíssem por algo verdadeiramente essencial?!

E uma das perguntas do livro, da Poeta Mary Oliver, que não para de pipocar nesse meu cabeção: “Diga-me: o que planeja fazer com sua vida, fantástica e preciosa?”

No instagram, é possível acompanhar minhas leituras, basta procurar a hastag #bibliotecabossamãe.

Livro que comecei a ler e ainda não terminei

Estou na metade do livro Frantumaglia, da Elena Ferrante. Nele foi publicado cartas entre a autora e sua editora, entrevistas que ela deu para alguns jornalistas e até trechos inéditos de algumas obras da autora. É um pouco impactante no início porque Elena parece uma pessoa, digamos, curta e grossa, ao explicar sua escolha por manter em sigilo sua identidade. Mas no decorrer da leitura, pelo menos foi o que aconteceu comigo, passei a admirar ainda mais a autora. Ela defende que a obra é mais importante do que o autor. E compartilha como acontece seu processo criativo.

Livro que comecei a ler e desisti

Porque a vida é muito curta pra gente insistir em livro ruim… Eu comecei e parei de ler A estrela de Prata, Jeannette Walls. É narrado por uma criança, mas não conseguiu me conquistar. Se alguém leu e gostou muito, me conta porquê e me dê um motivo para continuar. 😉

 

compartilhe!

1

comente!

Uma resposta para “Livros que li em 2017”

  1. Com certeza já ler 1 sendo mãe de dois já seria sensacional e sendo 27, está mais do que ótimo … Adorei as dicas dos livros

    Bjs Mi Gobbato

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.