06 mar 2019

Meningite meningocócica – a importância da vacina

por
Gabi Miranda

Filhos, Saúde

Na última sexta-feira (01/03), a notícia da morte do neto de Lula, Arthur Lula da Silva, de apenas 7 anos, vítima de meningite meningocócica, abalou o Brasil. Eu, particularmente, fiquei muito chocada. Não é sobre o Lula, mas sobre uma criança de 7 anos que podia ser um dos meus filhos, o seu, o da vizinha, o de uma amiga. Esse é o tipo de coisa que mexe, principalmente, com quem é mãe. Fico pensando na dor dessa mãe, no que está passando pela cabela dela. E me dói. Quando uma mãe perde um filho, é como se todas nós perdêssemos também.

Durante todos esses dias eu tenho pensado no que aconteceu. Não entra na minha cabeça que essa criança não tivesse tomado a vacina. Será que foi manipulação errada? Será que estava vencida? Será que mesmo vacinado, as crianças correm o risco de pegar a doença? Não consigo entender. Eu sou do tipo neurótica com vacina. Não vacilo. Acho que porque a minha carteira de vacina é incompleta, preciso preencher a dos meus filhos. Brinco: não sei como estou viva! Claro que minha mãe deve ter me levado para tomar as vacinas. Mas como também nos mudamos muito durante uma fase de vida, talvez ela tenha perdido a carteira de vacina e a que tenho seja a que ela conseguiu guardar. Não sei.

Leia aqui: como manter segura a carteira de vacina do seu filho

Entenda a Meningite Meningocócica

Sei que existe uma grande parcela de pessoas que não levam seus filhos para vacinar. Há quem acredite que vacina pode dar autismo na criança. E já existem muitos estudos que desmistificam isso. E há também a parcela que, na correria cotidiana, acaba deixando passar. E só há uma verdade: vacina é coisa séria!!!

Quando a gente não leva nossos filhos para serem vacinados, estamos colocando não só a vida deles em risco, como também a de outras pessoas que eles convivem. Sei também que nem todas as vacinas que previnem a meningite meningocócica são dadas na rede pública, somente no particular e é uma vacina caríssima!!! Para vocês terem uma ideia, meus filhos tomaram há apenas 1 ano e meio. No entanto, é uma vacina é importante porque previne a doença que não é de brincadeira e como pudemos confirmar, leva a morte. A vacina meningococo do tipo C é dada na rede pública nas crianças até 5 anos.

Confira AQUI a lista de vacinas, o que cada uma previne e se está disponível na rede pública ou em clínicas privadas

Meningite meningocócica

O que é meningite meningocócica?

É um processo inflamatório das meninges – que são as membranas que que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Ela pode ser causada por diversos agentes infecciosos (bactérias, vírus ou fungos) e atinge adultos, idosos, e inclusive, crianças. A meningocócica é uma meningite bacteriana e, junto com a pneumocócica, é considerada uma das formas mais graves e preocupantes da doença. Enfim, a meningite meningocócica é uma doença contagiosa!!!

Leia também: 7 motivos para vacinar seu filho

Dados do Ministério da Saúde mostram que, em 2018, foram registradas 1.072 ocorrências de doença meningocócica no Brasil e 218 mortes. Em 2017, no mesmo período, foram 1.138 e 266, respectivamente.

Em relação à meningite pneumocócica, foram 1.030 ocorrências e 321 mortes em 2017, e 934 e 282 em 2018. As meningites causadas por outras bactérias somaram 2.687 notificações e 339 óbitos em 2017, e 2.568 e 316 em 2018.

No caso da viral, o governo registrou 7.924 casos e 107 mortes em 2017. No ano passado, foram 7.873 casos e 93 mortes. Já meningites com outras causas contabilizaram 796 ocorrências e 169 óbitos em 2017, e 624 e 122 em 2018. Informações retiradas AQUI.

Parece pouco se considerarmos que a população brasileira foi estimada em 208,5 milhões!!! Mas ccho loucura dar sopa para o azar.

Meningite meningocócica

Sintomas e sequelas da meningite meningocócica

Os sintomas mais comuns são: febre alta, dor de cabeça, rigidez da nuca (não consegue colocar o queixo no tórax), aumento de sensibilidade à luz, manchas avermelhadas e, além disso, confusão mental. Em bebês os sintomas são ausentes.

Sequelas da meningite meningocócica: quando não leva à morte, pode ocorrer diminuição da força dos braços, pernas, perda de audição, estrabismo, alterações no desenvolvimento neurológico da crianças.

O que aconteceu com o neto do Lula

Arthur teve a meningite meningocócica bacteriana – a mais preocupante!!! Ela tem rápida evolução e ocorre quando a bactéria cai na corrente sanguínea e promove a liberação de fatores inflamatórios. Isso faz os vasos dilatarem, tendo como resultado queda de pressão arterial e taquicardia, podendo levar a pessoa à morte. Se a pessoa não morre pode ter sequelas graves como cegueira, surdez e até amputação de membros.

Portanto, a mensagem que eu quero deixar com esse post é: cuide do que é mais importante para você. Vacine seu filho!!!

compartilhe!

0

comente!

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.