02 mar 2016

Paternidade é uma função própria do pai

por
Gabi Miranda

Comportamento, Maternidade

Paternidade é uma função própria do pai, com direitos e obrigações familiares importantes. Pai não é coadjuvante da mãe, é seu complementar. Içami Tiba

 

paternidade-bossa mae
     

Para Içami Tiba, Família de alta performance é quando todos os membros da família fazem o melhor possível, integrando tudo o que sabem usando para o bem de si mesmo, das pessoas ao seu redor, sua família, sociedade e do planeta. Hoje uma família de alta performance precisa de pais e mães que participem, assumem suas funções e que sejam educadores.

Desde que voltei a trabalhar tenho pensado muito na paternidade de uma forma mais integrada na vida dos filhos. Por aqui, marido participa efetivamente da educação e cuidados das crianças, inclusive tem me saído muito bem em seu papel como pai de dois. Constantemente, tenho pensado na vida das mães solteiras e na coragem da minha mãe que criou duas filhas sozinhas. Acho que nunca tinha pensado no valor dessa condição. É difícil criar dois filhos com companheiro, nessa correria do dia a dia, com as finanças, os compromissos profissionais, familiares, pessoais, quem dirá sozinho.

Por uma questão de logísticas, facilidades e outras coisas, marido acabou assumindo a responsabilidade de levar e buscar as crianças nas respectivas escolas. Consequentemente, ele também tem corrido com Stella a pediatra quando necessário. Dia desses a culpa veio bater à minha porta e eu não abri. Pensava eu que tipo de mãe estava me tornando. Concluí que sou a melhor mãe para meus filhos, que além de fazer tudo o que está ao meu alcance por eles, deixo espaço para o pai assumir suas funções.

Porque é necessário que as mães deixem o pai realizar a sua paternidade de carne e osso, não atribuindo a ele o papel de coadjuvante e nem  ela o papel principal. Todos, juntos, precisam de equilíbrio e ser os melhores no que podem. 😉

Trecho do Livro Família de Alta Performance – Conceitos contemporâneos na Educação, Içami Tiba:

A mãe costuma pedir ajuda ao pai: Ajude aqui, por favor, fique um pouco com as crianças! Ele acha que está apenas ajudando a mãe e não se sente fazendo a sua parte. Muitos pais nada fazem enquanto suas mulheres não pedem. Para os filhos não interessa se é a mãe que está muito ativa ou se o pai é muito passivo. O que eles precisam é de pai e de mãe. Neste ponto, alguns pais reclamam que suas mulheres os tratam como se fossem filhos.

Paternidade é a atitude de estar pronto a atender seus filhos, sem esperar que a mãe peça.

Um pai acomodado, além de não ser um bom exemplo na família, estimula o filho a explorar a mãe. Numa família assim pode se estabelecer uma confusão entre pai acomodado/pai bonzinho e mãe ativa/mãe rabugenta – quando na realidade o pai é negligente e a mãe ativa é obrigada a cobrar as obrigações de todos.

Fica muito clara esta situação quando uma mãe reclama que ela é a “pãe” da família. Ela tenta preencher também as funções de pai, o que é quase impossível.

Há muitos homens, no entanto, que já assumem bem mais seu papel. Muito longe de querer substituir a mãe, eles querem tomar parte na educação do filho. Reparei em um passageiro que, em pleno voo, trocava as fraldas de seu bebê, que deveria ter um ano de idade. A mãe não estava presente. Um bebê cuidado pela mãe e pelo pai cresce com menos preconceitos e com menos machismo. Aquela família parece estar desenvolvendo a Alta Performance.

compartilhe!

0

comente!

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.