24 ago 2018

Sarampo: a importância da vacinação

por
Gabi Miranda

Destaque, Filhos, Saúde

sarampo

Dia desses estava produzindo um conteúdo para um cliente sobre sarampo e a importância da vacinação. Pasmem, durante a pesquisa, descobri que exite um grupo de pessoas que não dão vacina nos filhos porque acreditam que vacina causa autismo. Sério, fiquei espantada. Resumidamente, teve até estudos para comprovar o contrário. E parece que comprovou, mas a informação não chega na sociedade.

Juro que fico espantada com essas coisas. Assim como me assusta quando os pais enviam para a escola os filhos doentes. Mesmo sabendo o que o filho tem (e mesmo que seja uma gripe inofensiva), não me parece correto enviá-lo para a escola. Enviar uma criança doente para o convívio coletivo é conviver com a hipótese de que ela poderá transmitir alguma doença para os coleguinhas e professores. O mesmo ocorre com a vacina. Não vacinar uma criança é deixá-la correr o risco de pegar uma doença e ainda transmitir para os outros. É pensar em si e ao mesmo tempo, no próximo, no bem coletivo.

Esse negócio de vacinação é coisa séria!

Algumas doenças graves que foram eliminadas no País há anos, voltaram a afetar a população recentemente. Vários estados brasileiros, como Amazonas, Roraima, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo, já confirmaram casos de sarampo, por exemplo. De acordo com o Ministério da Saúde, a meta de vacinação do calendário adulto está muito baixa e a imunização contra a poliomielite, vírus que pode causar paralisia, é considerada mínima e pode retornar em centenas de cidades brasileiras.

A vacinação é a forma mais eficaz de se prevenir o sarampo e outras doenças. Quanto mais pessoas imunizadas, menor a chance da população ficar doente. É uma questão de responsabilidade social. Porque quando nos vacinamos e vacinamos nossos filhos, estamos protegendo todos ao nosso redor.

Leia também: como manter segura a carteira de vacinação do seu filho

O sarampo era uma doença que não existia mais casos no Brasil. Mas recentemente tivemos outro surto. É uma doença de fácil transmissão e que gera diversas complicações. É uma doença muito séria!!! Embora as pessoas imaginam que seja uma coisa leve, o sarampo traz consequências gravíssimas, como: diarreia, infecção nos ouvidos, vômito, hemorragia, convulsões, hepatite, pneumonia bacteriana secundária e até sequelas neurológicas.

Por que estou falando tudo isso? Porque acho muito sério esse negócio de não imunizar os filhos. Incomoda-me um pouco saber que tem pais que enviam seus filhos doentes para a escola. Quem dirá pais que não levam para tomar vacina. Precisamos começar a pensar mais coletivamente. Não basta resolver só o “meu problema” e de repente criar um problema para outra pessoa. Vale parar para refletir. Sei das dificuldades de quem trabalha fora, por exemplo, e a única alternativa parece ser levar a criança para a escola. Mas quando enviamos um filho doente para a escola, além de ser ruim para a própria criança, é ruim também para quem convive com ela na escola.

Precisamos pensar o mesmo em relação a vacina. Quando nosso filho não toma vacina, além de estar correndo o risco de pegar uma doença infecciosa, ele corre o risco de transmitir a doença para outras pessoas.

Leia também: vacinas que precisam estar em dia para viajar tranquilo

compartilhe!

0

comente!

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.