12 jul 2018

Coisas que você dizia antes da maternidade

por
Gabi Miranda

Comportamento, Filhos, Maternidade

dizia antes da maternidade

Conta pra mim, coisas que você dizia antes da maternidade e acabou fazendo com a chegada dos filhos?

Falamos que não vamos dar chupeta, muito menos oferecer doce antes dos dois anos. Jamais ficaremos descabeladas ou sem fazer as unhas  após o parto. Criança que faz manha, faz por culpa dos pais. Meu filho, vai comer de tudo! Filho meu nunca vai dormir sem banho e sem escovar os dentes. Perder a paciência e gritar com meus filhos? Jamais!

Porém, a verdade é uma só! A antes de ter filhos julgamos o que é certo ou errado, do nosso ponto de vista. No entanto, quando a maternidade bate na porta, ela dá um soco na nossa cara, joga um balde de cuspe em nossa cabeça. E assim, como diz o ditado: pagamos a língua. Nesse vídeo, eu e a Mari, compartilhamos algumas coisas que a gente dizia que nunca faria na maternidade e acabamos fazendo. Até tem um item ou outro que mantivemos a palavra… mas são tão poucos.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

30 maio 2018

Lição de casa: qual a importância mesmo?

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Educação, Filhos

Estamos finalizando o primeiro semestre do segundo ano do fundamental e confesso que o começo foi bem conflituoso por aqui. Primeiro não compreendia o motivo de ter tanta lição de casa todos os dias. Sinceramente, sou a favor da criança ser livre para brincar. Uma criança precisa de tempo para essa atividade tão importante na vida dela: BRINCAR! Mas sei também que precisa aprender a lidar com suas responsabilidades. Segundo, tivemos alguns pequenos problemas em relação a falta de qualidade de sono que andou atrapalhando um pouco a aprendizagem escolar do menino. Terceiro, por mais que eu seja contra lição de casa, eu não posso instigar isso. É meu papel incentivar e demonstrar a importância da lição de casa.

Quem participa efetivamente da lição de casa é o marido. Sou coadjuvante nesse departamento. Confesso, não tenho paciência. Paciência é o ingrediente fundamental para ajudar a criança nesse momento. (quando paciência não é exigida na maternidade mesmo?!)
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

24 abr 2018

Visualização criativa pode mudar a sua vida

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros

Como a visualização criativa pode mudar a sua vida?

Mariana Ferrão citou esse livro num dos eventos que participei, contando como passou a colocar seus desejos numa bolha de luz rosa e soltar para o universo. Visualização criativa nada mais é do que fazer um mergulho interior e imaginar o que desejamos muito como se já fosse realidade. Descobri que já faço muito isso, porém de forma inconsciente. E depois de ler esse livro, percebi que muitas coisas que conquistei na vida passaram por esse processo antes. Mas sempre teve o medo andando ao lado, nunca achei que tivesse o poder de fazer do meu sonho realidade. Esse livro diz exatamente isso, que temos esse poder e ensina a fazer a visualização criativa de forma consciente.

A força da vida e o poder do universo

A vida tem uma força que nos puxa, que nos leva a vencer desafios, a superar dificuldades e mesmo grandes sofrimentos. Não acreditamos nisso até que a gente passe por situações difíceis e de grandes dores. E se você parar para refletir, vai lembrar de algum momento de desespero, em que a vida não parecia fazer sentido algum e pouco a pouco, você foi superando o acontecimento. Eu nem preciso pensar muito para afirmar qual foi esse momento da minha vida. Foi quando perdi minha mãe. Hoje olho para trás e me pergunto como consegui sobreviver à morte dela. Não só sobrevivi, como aprendi muitas coisas e evoluí como ser humano.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

06 nov 2017

Como se planejar para viver o sonho de maternar

como se planejar

Até outro dia, estava escrevendo sobre a volta ao trabalho após a licença maternidade. Ou dicas para ser feliz no trabalho. E cá estou agora, exercendo algo que desejei por quase dois anos. A tal liberdade para maternar. O pedido que mais escuto nos últimos dias é para compartilhar ideias de como se planejar para viver o sonho de maternar. Parar de trabalhar fora, curtir mais os filhos e quem sabe até empreender.

Segundo a pesquisa “Licença-maternidade e suas consequências no mercado de trabalho do Brasil“, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), 48% das mulheres entre 25 e 35 anos, ficam desempregadas 12 meses após o início da licença maternidade. E isso acontece por dois motivos: ou ela foi demitida ou ela decidiu largar o emprego. Que as empresas não valorizam a mãe no mercado de trabalho, é uma verdade. Mas acontece muito das mulheres ao se tornarem mães, darem uma banana para o mundo corporativo. Porque você percebe que seu filho precisa muito mais de você em casa do que a empresa de você lá para faturar.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

24 mar 2017

Por que mudei minha filha de escola

Depois que contei nas redes sociais que tinha mudado a Stella de escola, muitas pessoas me mandaram mensagens perguntando por que mudei minha filha de escola, já que anteriormente ela estava na mesma escolinha onde o Benjamin ficou 4 anos. Eu podia listar algumas coisas que nunca me agradaram desde a época do Benjamin. Mas acho injusto se eu primeiramente o mantive lá e depois ainda deixei a Stella. Ou seja, algo de bom tem. Prefiro explicar porque não mudei o Benjamin antes e a resposta é simples: porque ele era muito bem cuidado. Embora isso fosse um fato, a Stella não iria pra lá se eu tivesse encontrado um lugar que me agradasse totalmente. No entanto, a verdade é que faltam berçários com ambientes apropriados e profissionais preparados para lidar com bebês. E porque lá era um local físico adequado e com profissionais carinhosos, a matriculei lá também.

Penso que nós, pais, não podemos ter papel de coadjuvantes no aprendizado do nossos filhos. Acho que colocar o filho no berçário/escolinha é uma das decisões mais difíceis dos pais de primeira viagem. Adquirida a experiência, acredito que nosso primeiro papel, é escolher uma instituição de ensino que deve se aproximar ao máximo possível do nosso estilo de vida e, principalmente, dos nossos valores de vida.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

4

comente!

28 dez 2016

Mude seus hábitos em 2017

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Está no meu criado mudo desde o primeiro semestre de 2016 e resolvi que vou ler ele em 2017: O poder do hábito – Por que fazemos o que fazemos na vida e nos negócios. Nessa obra, super recomendada por muitas pessoas, o autor diz que a chave para educar os filhos, fazer atividades físicas, ser mais produtivo, alcançar sucesso em vários setores da vida, é entender como os hábitos funcionam.

Chega o final do ano, fico muito introspectiva e sempre acabo fazendo uma retrospectiva da minha vida. Tenho visto muitas pessoas reclamarem de 2016. Tiveram muitos fatores externos, como política, crise financeira do país, as guerras no mundo, as dores de alguma pessoa próxima… No entanto, meu ano, particularmente, posso defini-lo como tranquilo. Eu brinco que depois de 2014 – ano em que perdi minha mãe, tenho um saldo com Deus de pelos menos uns 10 anos bem tranquilos. Como esse foi o primeiro realmente tranquilo desde que ela se foi, acho que começa a contar a partir de agora.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

26 out 2016

Simplesmente mãe

Mãe de casal, mãe de meninas, mãe de meninos, não importa, simplesmente mãe

simplesmente mãe

Desde que Stella nasceu eu passei a expressar que era como ganhar na loteria ter um casal. Até que um dia externei isso, assim despretensiosamente, num grupo de amigas. Eu e essa minha mania de falar antes de pensar! Dizer isso me incomodou e desde então tenho pensado muito a respeito. Primeiro deixa eu explicar o que eu quero dizer com isso. Eu desejei muito ter uma menina, esse sempre foi um sonho. Stella chegou e quem nos acompanha aqui sabe que ela veio num momento da vida me trazendo muitos significados. A euforia e felicidade foram tão grandes que até hoje não encontrei palavras para definir meu sentimento, então passei a  usar essa referência, ter um casal é como ganhar na loteria. Que porcaria de definição!

Dia desses, minha prima, mãe já de um menino, deu à luz a uma menina e eu soltei outra das minhas pérolas. “Bem-vinda ao mundo cor de rosa”. E saí da maternidade com a frase ecoando na minha cabeça. O que eu quis dizer com aquilo? Obviamente, era algo como bem-vinda ao mundo dos flus flus. Não adianta fugir, existem algumas diferenças entre meninos e meninas. A minha menina eu encho de laços, enquanto meu menino é super básico com suas camisetas de super heróis. No entanto, ela já brinca com os carrinhos dele. Ele adorou quando a irmã ganhou uma boneca que já fez parte de suas brincadeiras com seus bonecos heróis.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

14 set 2016

Entre amor e… paciência!

 

Tenho vivido entre amor e ódio com meu filho mais velho, quando na verdade preciso viver entre amor e paciência

 

amor-e-paciencia-2

Imagem Google

Passei 4 anos mãe de um filho só. Algumas vezes achei que era difícil, como também achei que tirei de letra. É aquela coisa, as fases vão passando, nós ganhamos experiência, aprendemos a lidar com as situações e comportamentos da criança e de alguma forma vai ficando mais fácil mesmo. Fica tão fácil que a gente decide ter outro filho, porque não tem como complicar mais. Ou tem? Só um pouquinho.

Quando temos dois (ou mais) filhos, vivemos aquela situação de ter que dar atenção simultaneamente para ambos. Sim, porque se isso não acontecer, vai chegar uma hora que um dos filhos vai se sentir abandonado e estou com a impressão que acontece com o filho mais velho. Porque ele depende pouco menos dos pais, tem mais autonomia e a gente acha que ele está indo bem. Amor não falta. Mas paciência… Amor e paciência não andam juntos, obrigatoriamente, o tempo todo.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

5

comente!

16 ago 2016

Filhos: um é pouco, dois é bom, três…

Um filho é pouco, dois é bom, três… ensinam muito mais!

 

Filhos-um é pouco-dois é bom- três-bossa-mae

Imagem Google

Já faz algum tempo, conheci uma mamãe de muitos. Ela tem 7 filhos e esbanja um sorrisão de orelha a orelha. Pensei: para essa aí um é pouco, dois é bom, sete é melhor ainda! Conheço algumas mães de três. Além das amigas blogueiras Diiirce e Marina, no trabalho tenho uma colega mãe de três e, recentemente, minha melhor amiga, minha irmã de coração, madrinha da Stella, anunciou sua terceira gravidez – muito desejada já há algum tempo.

Aqui em casa, tínhamos um combinado: se a segunda gestação viesse um menino, teríamos o terceiro só para ver se vinha uma menina. Marido tremia na base até que nasceu Stella e ele deu por encerrado esse assunto. Mas a mamãe aqui, para assombro do papai, começou a dizer que precisava vir um desempate, que um terceiro filho fecharia o ciclo familiar. É comum tremular após o primeiro, quem dirá após o segundo filho. É claro, depois que passamos todo aquele perrengue de enjoos nos 4 primeiros meses de gestação, noites mal dormidas, fraldas, choro, dentes nascendo, os primeiros 6 meses de vacinas intermináveis, aquela ansiedade toda… quem quer enfrentar o terceiro filho?!
Clique e continue lendo!

compartilhe!

8

comente!

27 jun 2016

O poder do discurso materno

O poder do discurso materno

As lembranças se organizam na consciência por meio de palavras, que quase sempre foram proferidas por nossa mãe. Assim, organizamos as lembranças do ponto de vista do discurso materno – que em geral está distante da nossa real experiência infantil – e acabamos por vestir certos personagens, atuando sempre da mesma forma na esperança de obter amor e aceitação. Quantas de nossas dificuldades afetivas, profissionais e familiares advém daí? – (O poder do discurso materno)

o poder do discurso materno

Tenho muitas opiniões sobre o livro de Laura Gutman: O poder do discurso materno. A autora me decepciona um pouco ao final da obra, quando fala sobre abuso sexual. Na verdade, a Laura me decepcionou na palestra que assisti recentemente, quando afirmou que a culpa dos abusos sexuais que algumas crianças sofrem, é da mãe. Mas não quero falar sobre isso nesse momento. Quero falar do aprendizado positivo do livro. Achei um pouco dolorido lê-lo porque nos reconecta com a nossa infância, com a criança que fomos, com os rótulos e personagens que ganhamos ao longo da vida. Por outro lado, essa conexão é importante para nos fazer enxergar o mundo e os nossos filhos a partir da nossa vivência.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

Página 1 de 8123456...Última