23 fev 2016

Creche ou deixar o bebê aos cuidados de alguém?

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos

Creche: a maior adaptação é sempre a da mãe

berçário

Já vamos completar dois meses de vida nova, Stella na creche e eu trabalhando. As coisas estão indo bem por aqui, mas já passamos por um bocado de coisas. Stella já ficou gripadinha, teve reação forte a vacina, nariz que vira e mexe está escorrendo… eu tenho ficado bem menos tempo do que gostaria com ela e com Benjamin. Ainda bem que nesse período, tivemos um intervalo com o Carnaval e deu para aproveitarmos um pouco mais, assim como deu para ficar a família toda reunida. Muitas pessoas vem me perguntar o que acho melhor: deixar o bebê na creche ou deixá-lo aos cuidados de alguém, se não tive outra opção e por isso optei pela creche (?!).

Quando Benjamin nasceu a ideia inicial era deixá-lo com a minha mãe. Mas ela morava longe de nós, teria que atravessar a cidade todos os dias e Deus na sua sabedoria infinita, me fez avaliar bem todas as opções e por fim optei pelo berçário. Agora com a Stella cogitamos contratar alguém, mas achei que devia seguir a mesma história do irmão. Se deu certo com ele, por que não daria com ela?! Os benefícios do berçário são inúmeros: a criança aprende a comer de tudo, tem mais disciplina, fica mais sociável, são constantemente estimuladas, entre outros fatores positivos. Claro, tem o lado negativo também, o bebê por ter a imunidade mais baixa, fica mais propenso a ficar doentinho e tem várias coisinhas em relação a instituição que também fogem do nosso controle e precisamos aceitar, mas são detalhes que no dia a dia, vendo que nosso bebê está sendo bem tratado, viram irrelevantes.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

05 jan 2016

Adaptação no berçário

por
Gabi Miranda

Bebê, Comportamento, Destaque, Filhos

Imagem Revista Guia Infantil/UOL

Imagem Revista Guia Infantil/UOL

Passada a crise normal de indecisão sobre colocar ou não Stella no berçário, optamos por seguir o mesmo que fizemos com Benjamin, colocá-la no berçário. Algumas coisas são decisivas para essa escolha: o irmão ter ido e ter ficado bem, além do desenvolvimento dele; o fato de me sentir mais segura deixando responsável pela minha filha pessoas que estão numa instituição; o berçário seguir regras básicas de rotina, alimentação, entre outros. Existem prós e contras para opção berçário ou deixar o bebê aos cuidados de outra pessoa em casa. E a que mais levei e conta, na época do Benjamin, era o fato de depender da ajuda de alguém só quando necessário.

Benjamin está saindo da escola que está desde os 5 meses e indo para um novo colégio. Por isso, resolvemos procurar um berçário próximo à nova escola dele, para assim agilizar a logística. Depois de muitas visitas e pesquisa, decidimos colocar a Stella na mesma escolinha que começou o irmão, porque não encontramos outra mais adequada e que, principalmente, me fizesse sentir segura. Já que começaria esse processo tudo de novo, que fosse ao menos num lugar já conhecido, de confiança e que mesmo não sendo perfeito, sempre ocorreu tudo bem com o nosso primogênito. Sendo assim, marido ficará responsável por levar e buscar os nossos dois filhos.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

02 dez 2015

Berçário: 14 dicas para ajudar na escolha do perfeito

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos

Berçário – é muito difícil a escolha do perfeito, eu diria que não existe o perfeito, mas o quase perfeito sim, o mais adequado sim, o que atende melhor o que você busca sim.

Imagem Google

Imagem Google

Tem berçário para todos os estilos, gostos e bolsos, mas em minha opinião eles sempre terão algo que não é bem do jeito que gostaríamos. Ou as salas dos bebês são pequenas. Ou os pais não podem entrar para pegar o bebê lá dentro. Ou o chão não é bacana. Ou o lugar é velho e mal cuidado demais. Ou tem muitas crianças e poucas cuidadoras. E assim por diante, sempre vai ser assim, sempre encontraremos algo que não vai nos agradar 100%.

A busca pelo berçário é uma das fases mais angustiantes da vida de uma mãe. É sinal que chegou o momento de se afastar do bebê em tempo integral, na maioria das vezes é porque a mãe voltará ao trabalho e isso significa ficar longe do bebê por um longo período do dia. Outras pessoas cuidarão do tesouro que até então a mãe cuidou com tanto zelo. Surgem dúvidas, preocupações e a bendita culpa – esse infortúnio da maternidade. Será que vão deixar o bebê chorar por muito tempo? Será que ele vai se acostumar? Será que vão limpá-lo direito, trocar as fraldas corretamente? Será que ele vai dormir, comer, brincar? Vai sentir minha falta? Essas e muitas outras questões vem nos assombrar.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

29 maio 2013

A angústia da separação

por
Gabi Miranda

Desabafo, Maternidade

Colocar o filho no berçário ou na escolinha é uma decisão muito difícil. Mães de primeira viagem sofrem e não sabem como lidar com essa situação. É tudo muito novo, a maternidade chega ser avassaladora, transforma toda nossa vida.

Algumas mães tomam a decisão de parar de trabalhar. Outras não podem ou não querem seguir esse caminho. Por algum momento eu quis, mas logo depois esse desejo insano passou.

Embora goste da maternidade, não teria capacidade, muito menos paciência, para cuidar de filho e consequentemente da casa. Acho até que a forma como me entrego para a maternidade é justamente por essa escolha, por me dividir entre profissional e mãe. Se eu tivesse parado de trabalhar, tenho certeza que em alguns meses estaria sem paciência e disposição nenhuma para maternar (ou não?!).

Optei por colocar Benjamin no berçário e ele foi logo cedo, assim que acabou minha licença maternidade, aos 5 meses de idade. Sofri. A angústia da separação nos pegou. E perguntaram-me: como você superou isso? E o Benjamin como foi pra ele a angústia da separação? Eu não sei bem como responder, mas acho que alguns fatores contribuíram.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

6

comente!

14 jan 2013

Férias para a mamãe

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Hoje Benjamin iniciou uma nova fase. Marido voltou ao trabalho, aproveitei e mandei meu Ben para a escolinha. Parece falta de apego?! É eu queria um tempo só pra mim, sem marido, sem filho.

Organizei tudo para seu retorno ontem: mochila, lancheira, roupa. Chegou uma época do berçário em que eu não aguentava mais arrumar a bolsa dele, muito menos escrever (e olhar) na agenda. Mas desde quando soubemos que Benjamin começaria educação infantil, fiquei entusiasmada para arrumar a mochila e, principalmente, a lancheira.

Compramos tudo agora nas férias. O uniforme que consiste em bermuda/calça azul e camiseta branca. A mochila demorei para achar, não queria de tema (e isso você encontra em qualquer loja, impressionante, para todos os gostos: Carros, Galinha Pintadinha, Madagascar, Homem Aranha, Barbie, Toy Story…uma infinidade!). Como Benjamin ainda não se liga nessas coisas, optei por algo de mais qualidade, espaço e neutro (que não desse margem para o consumismo). Adorei a mochila porque além de preencher todos os requisitos que eu buscava, ela é bem bonita (a carinha ficou por nossa conta, é aquele cartão de identificação, atrás tem espaço para dados da criança). Olha só, coube tudo o que ele precisava levar: Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

26 nov 2012

As mudanças do maternal

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Participamos da primeira reunião da escolinha do Ben. O motivo da reunião era a mudança do Benzoca de berçário para maternal – o que eles chamam lá de início a Educação Infantil. A reunião estava marcada para às 08:00 da manhã, de um sabadão. Passamos a semana passada inteira preocupados em não perder a hora. O recado que convocava para a reunião era claro: Por favor, não se atrase, a reunião começará no horário!

Aqui em casa sempre tentamos cumprir os horários de nossos compromissos e estamos com problemas sérios para acordar cedo. Pra variar, eu acordei atrasada. Levantei no pulo, tomei banho e acreditem: saí de casa com pente, creme, sapato e bolsa na mão. Terminei de me arrumar no carro, a caminho da escolinha. E chegamos a tempo. Mas como não era esperado, a reunião começou atrasada.

Apesar de ir munida de caderno, caneta e um questionário, pensei que falaria pouco. Como se isso fosse possível vindo de mim. Mas como o marido disse, pensamos que teria outra mãe que falaria mais que eu. Engano. Sem dúvida Acho que fui a que falou mais. Descobri que existem três tipos de mães: as chatas exigentes, as moderadas, as mudas. Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

12 nov 2012

As dúvidas do maternal

por
Gabi Miranda

Bebê, Filhos

Outro dia uma amiga que acabou de ter bebê pediu dicas de como encontrar o berçário ideal. Eu acho mesmo que o berçário ideal seria aquele projetado por nós – mães. Não existe. Já dei dicas do assunto quando falei: sobre berçários, a escolha do berçário, berçário x babás, dicas para a escolha do berçário.

Um ano se passou e percebo o quanto sabemos tão pouco das coisas. Podemos ter uma ideia, mas nunca estamos preparados o suficiente para determinadas situações. Hoje percebo quanta coisa a mais podia ter perguntado no momento em que conheci o berçário e não perguntei. De fato, tem coisas que só aprendemos na prática, no dia-a-dia mesmo.

Então que na semana passada, recebemos um comunicado informando que meu bebê já não é mais tão bebê. Não dizia bem isso, mas era como se fosse. Em janeiro Benjamin vai mudar para a turma do maternalzinho. Já sabia disso verbalmente, mas esse era o comunicado oficial. E nós pais estávamos sendo convocados para a reunião que acontece ainda esse mês, quando seríamos informados sobre as novas rotinas da mudança.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

3

comente!

07 nov 2012

Chupeta, o berçário, a mãe – lá vem história

por
Gabi Miranda

Bebê, Filhos

A chupeta e mais um monte de coisas que estão acontecendo por aqui

chupeta

Há quase dois meses, iniciei o processo de tirar a chupeta do Benjamin. Eu sempre falei que meu filho jamais usaria chupeta (aquela velha história de quando não se é mãe “comigo vai ser diferente”. Conhece?) e na primeira oportunidade empurrei aquele trambolho boca a dentro.

Benjamin não pegava e eu insistia. Até hoje me pergunto por quê (?). Até que um dia ele pegou. Depois de um tempo comecei achar que ele estava usando demais aquilo e vi que era o sinal vermelho. Em casa já limitávamos o uso só para as sonecas e hora de dormir. Não tinha dúvidas com relação ao uso lá no berçário, pra mim era claro que ele ficava com ela o dia inteiro na boca.

Dois sinais me fizeram ter essa conclusão: 1. nas fotos da festinha de seu aniversário no berçário, Benjamin aparece em todas as fotos com a chupeta na boca e apático (eu não reconheci meu filho). 2. Todo santo dia eu entregava ele sem chupeta e todo santo dia ele era devolvido com a chupeta na boca. Eu até falava como quem não quer nada “mas de chupeta, não é hora de dormir”, “ah, de chupeta não dá pro bebê sorrir”…
Clique e continue lendo!

compartilhe!

3

comente!

30 out 2012

Da série: relação com o berçário x mudanças

por
Gabi Miranda

Bebê, Filhos

Eu adoro o berçário que meu Ben fica. Óbvio né?! Se eu não gostasse já tinha tirado ele de lá. Em novembro vai fazer um ano que Benjamin foi para o berçário. Sempre achei que acertei de primeira. Mas existe sim uma coisa que me incomoda um pouco: a falta de comunicação da escola com os pais dos bebês do berçário. Pelo que sei com os pais das crianças já em educação infantil, tem as reuniões periódicas e tal. Mas com os pais do berçário, que é o meu caso, fica só uma relação superficial.

Eu já disse que uma vez Benjamin foi mordido no berçário e simplesmente veio um recado na agenda. Aquilo me deixou furiosa. O mínimo que eu esperava era alguém me ligar para avisar ou conversar comigo quando eu fosse buscar o Benjamin. Eu não ia fazer escândalo na porta, entendo perfeitamente que essas coisas acontecem, mas gostaria de ser preparada verbalmente e não por um aviso frio na agenda (ou como foi: perceber a mordida sem ler o aviso).
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

14 jun 2012

Morde e assopra, quer dizer morde e passa pomada

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Meu Ben hoje levou uma “leve” mordida de um coleguinha da escola. Tão leve que a marca está lá visível na mãozinha dele.

Eu sei “acontece” e vai acontecer muitas outras vezes. Mas é complicado…primeiro que veio recado na agenda dizendo que ele tinha recebido uma leve mordida e que passaram pomada. O mínimo que podiam ter feito era ter me avisado pessoalmente ou por telefone. Eu tenho interesse em saber em que tipo de situação meu filho foi mordido: a) ele agrediu e recebeu o troco; b) foi uma agressão gratuita; c) a intenção era dar um beijinho, enfim…

Segundo, será que na agenda do pequeno agressor foi o recado para os pais “seu filho mordeu de leve um coleguinha”?! Porque na minha opinião, esse é o tipo de coisa que tem que ser falado para os pais. Está certo, eles tinham que me avisar sobre a mordida, mas é algo tão perceptível que se não avisassem eu saberia. Mas e os pais do agressor mirim vão saber como?! Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!