03 jun 2016

De quem é a culpa?

Por que acontece tantos casos de estupros? Por que as pessoas matam, violentam e se drogam? De quem é a culpa?

culpa

Há uma semana estou tentando digerir essa história do estupro coletivo cometido por #33 homens. Há tempos venho tentando digerir comentários das pessoas na internet, whatsapp sobre tudo. Política, racismo, piadas infames. E agora mais essa, sobre o estupro. Ao mesmo tempo que a internet nos aproxima um do outro, também nos aproxima da imbecilidade e boçalidade do outro. Nesse mundo digital conhecemos um pouco o lado B do seres humanos, porque é através da internet que rostos ganham vozes. E, gente, como essas vozes são boçais. É impressionante como em pleno século 21 o mundo ainda reaja com tanto descaso, tanto preconceito.

Dessa história toda dos #33 estupradores, muita coisa me deixa absurdamente incrédula. Uma jovem foi estuprada. Não importa se foi 1, 2, 33. É fato. Foi estuprada. E isso acontece a cada 11 minutos no Brasil. Como uma mulher é estuprada, violentada e  ainda não tinham, até domingo passado, prendido nenhum suspeito?! Gente, os caras não só filmaram a barbaridade, como compartilharam nas redes sociais orgulhosos do seu feito. Além de tirar sarro da vítima, isso indica sarro da sua cara, da minha, da polícia, da sociedade em geral, porque ao fazerem isso eles acreditam fielmente que não serão punidos. Desconfio que devem ter razão, afinal por que não prenderam os caras na hora que esse vídeo vazou na internet?! O negócio tomou uma proporção imensurável no mundo e simplesmente ninguém tinha sido preso até outro dia. Impressionante e assustador, muitas pessoas culparem a vítima e não os agressores. Simplesmente porque os ignorantes acham que “as meninas que vão para o funk procuram isso; a mulher não se dá o respeito vestindo certas roupas; se tivesse lavando louça em casa, não teria sido estuprada; etc, etc, etc”. Oi? Para o mundo que eu quero descer! Aliás, que mundo é esse? É o mundo no qual a palavra da mulher não tem valor.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

30 maio 2016

A birra de todo dia

Não tem jeito, por mais que você ame, dê carinho e faça de tudo para evitar, a birra sempre aparece. Pode ser em menor ou maior intensidade, mas ela vem

birra

Os ataques de birra são comuns e fazem parte do desenvolvimento cerebral da criança. Dizem que tem hora para começar e terminar. Por aqui começou uma onda de birra(s) e às vezes é mega difícil manter o controle da situação. Benjamin, prestes a completar 5 anos, faz birra, pirraça, manha e algumas vezes chega a chorar – pra mim esse é o momento em que a situação perdeu mesmo o controle. Primeiro tento conversar, como quase nunca adianta naquele instante da birra que só aumenta, eu passo a ignorar e é quando ele não para de vir atrás de mim pedindo atenção. Faço um esforço enorme para ignorar, me dói pra caramba e quando vejo que ele realmente está disposto a dar fim ao show, paro, abraço, sento e converso com ele.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

23 maio 2016

A vida pós licença maternidade

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

A licença maternidade é um período sabático da vida profissional, é exaustiva, mas também é uma pausa maternal deliciosa

Vertical shot of a woman being deep in thought

Quando estamos grávidas idealizamos a licença maternidade e a esperamos como se fossem férias – mesmo achando ruim quando alguém se refere à licença maternidade como férias. Licença maternidade está longe disso. Trabalhamos igualmente, mas para uma causa maior. Ficamos longe do cotidiano profissional, porém somos envolvidas por outro tipo de rotina. É inexplicável tudo o que se passa conosco nesse período. Mas quero falar da vida pós licença maternidade. Após um período curto de 4 meses, precisamos nos adaptar à vida real. Nova, a vida já é desde quando o bebê nasceu, mas a realidade vai mudando a cada período. A mudança mais radical é quando a mãe tem que voltar ao trabalho. Começa aí uma adaptação para a vida funcionar. Eu lembro exatamente como foi essa moldagem com a chegada do Benjamin e agora vivo com a Stella.

Há 5 meses voltei ao trabalho, nos primeiras semanas é tudo maravilhoso. Você volta a se relacionar, ver as coisas acontecerem, se sente em movimento, volta a se sentir parte do mundo, a conversar de outros assuntos. Só que é um mundo diferente. Com o passar do tempo, você percebe que nem todo mundo vive a mesma realidade que a sua, as conversas, embora não sejam de filhos, fraldas e melhor pomada para assadura, nem sempre são tão interessantes, faltam coisas em comum. O assunto acaba sendo sempre o mesmo, na maioria das vezes: trabalho. A correria do dia-a-dia profissional passa a te consumir, cada vez temos menos tempo para pagar as contas com calma, marcar um médico, ler uma notícia, uma revista, estabelecer horários e por aí vai…
Clique e continue lendo!

compartilhe!

4

comente!

17 maio 2016

10 coisas que aprendemos com a maternidade

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Maternidade e muito mais no encontro com Cris Guerra no Seminário Pais & Filhos “Mãe Também é Gente”

Maternidade -Cris Guerra

Domingo aconteceu o Seminário Pais & Filhos “Mãe Também é gente”. O evento contou com a participação de palestrantes bem interessantes, conteúdo relevante e de qualidade. Todos merecem destaque, mas hoje vou falar da Cris Guerra, publicitária, mãe de Francisco, autora do blog Hoje Vou Assim e dos 4 livros: Para Francisco, Moda Intuitiva, Mãe, e, Que ninguém nos ouça – esse escrito com a jornalista Leila Ferreira.

Cris Guerra mesmo com toda a sua história de perdas, é uma pessoa leve e com senso de humor. Consegue transmitir leveza àqueles que estão por perto e a sensação de que a vida vale a pena sim apesar de tudo. E afirma:

A vida é feita de duas partes: uma que a gente não escolhe e outra que está em nossas mãos.

Em sua palestra “Mãe não é um bicho frágil”, ela compartilha um pouco da sua vida, fala sobre temas universais e nos alerta: a vida não tem controle, e quando aprendemos isso, aprendemos a entregar. Saí com algumas reflexões, uma delas sobre o quanto nós mães, às vezes, podemos ser egoístas com os nossos próprios filhos. Basta pensar no nosso desejo de não querer perder nenhuma primeira vez dos nossos pequenos. Queremos que eles andem, mas que sejam conosco os primeiros passos. Que andem de avião, mas que seja com a gente. Cris contou um episódio, no qual Francisco foi ver pela primeira vez o mar com os avós paternos. Sofreu, mas depois pensou: que bom que ele viu o mar! Depois verá outro dia comigo. E por falar em sogros… Cris faz uma ponte entre o filho e os avós paternos, inclusive únicos avós.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

6

comente!

19 abr 2016

10 Coisas que não se deve dizer à mãe que trabalha fora

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

Existem muitas coisas que não se deve dizer a uma mãe que trabalha fora e ao pensar em dizer, acho que vale o ditado: em boca fechada não entra mosca

mãe que trabalha fora

É comum muitas mulheres pararem de trabalhar após a maternidade e não sei se por isso, está ficando cada vez mais comum as pessoas estranharem quando encontram uma mãe que trabalha fora. Sim, ainda existem milhares de mães que não largam o emprego. Os motivos são diversos, entre eles a necessidade financeira ou realização pessoal. Afirmo, os dois fatores são meus motivos. Mas o segundo pesa mais. Eu amo meus filhos mais do que qualquer coisa nessa vida, no entanto não me vejo sem trabalhar. Eu preciso disso.

Nessa, vivo e sofro um conflito imenso na vida, pois assim como gosto de ser uma mãe que trabalha fora, gostaria de ter mais tempo com os meus filhos, óbvio. E como gostaria! Por isso, não descarto a ideia de um dia vir trabalhar meio período em casa. Mas essa ainda não é minha realidade. E fico triste porque as pessoas, em geral, não valorizam o esforço que muitas mães fazem ao optar por essa escolha. Somos julgadas por isso. Esse julgamento vem por diversas vezes explícito num comentário ou simplesmente estampado na cara de quem não vive a mesma realidade da mãe que trabalha fora.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

13

comente!

12 abr 2016

Grande Magia: vida criativa sem medo

Saber identificar os nossos medos é importante para nos conhecermos melhor e ter uma vida mais criativa, mesmo que isso dê medo. A grande magia está em aprender com os nossos medos e ensinar nossos filhos aprenderem com os deles.

Grande Magia

Em seu novo livro “Grande Magia: vida criativa sem medo”, Elizabeth Gilbert, compartilha histórias pessoais e de pessoas que enfrentaram seus monstros internos para ter uma vida mais produtiva e faz uma reflexão interessante sobre o que significa uma vida criativa. Para a autora, ser criativo é levar uma vida pela curiosidade, e, mesmo sentindo medos, ter coragem. Não dá para comparar os livros, pois são bem diferentes, mas não gostei tanto desse quanto gostei do Best Seller “Comer, Rezar e Amar”. No entanto, deu para tirar uma lição proveitosa: eu preciso ensinar meus filhos a lidarem com seus medos.

Quando falo  de “viver criativamente”, estou falando de maneira mais ampla. Estou falando de viver uma vida mais motivada pela curiosidade do que pelo medo. Elizabeth Gilbert

Clique e continue lendo!

compartilhe!

3

comente!

06 abr 2016

Conversar com o bebê ajuda no desenvolvimento

por
Gabi Miranda

Bebê, Desenvolvimento, Destaque, Filhos

Estudo revela que conversar com o bebê é uma das atividades mais praticadas pelas mães, além de ser um dos fatores que ajudam no desenvolvimento infantil

Imagem Google

Imagem Google

Pouca gente sabe que conversar com o bebê ajuda no desenvolvimento infantil. A boa notícia é que conversar com o bebê é uma das atividades mais praticadas pelas mães brasileiras. Em outubro/2015, a Fisher-Price, divulgou no evento “O fator felicidade”, resultados do estudo “Esperanças e desejos das mães”, no qual foi pesquisado os principais desejos das mães e como elas lidam com o desenvolvimento da primeira infância. Foram entrevistadas 3.500 novas e futuras mamães, no Brasil, China, México, Rússia, França, Reino Unido e Estados Unidos. As entrevistas, revelaram que apesar das diferentes culturas, as mães têm muito mais desejos em comum do que se imaginava.

A pesquisa apresentou que, no Brasil, são 10 atividades mais praticadas pelas mães, a principal é conversar com o bebê. Confira:

1. Conversar com meu bebê (89%)
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

05 abr 2016

A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros, Puericultura

A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória, mostra como a sociedade não acolhe a mãe

Li o livro “A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória” grávida da Stella. Ao ler achei um pouco pesado para o momento, mas na época fiz anotações no próprio. Dia desses estava refletindo sobre como a maternagem nos transforma e nos faz questionar, no quanto a prática de maternar é diferente da teoria. Isso tudo porque eu pensava no esquema de vida que tenho com as duas crianças e traçava com os conselhos alheios. Porque sempre tem alguém, na tentativa de querer ajudar, pronto para “aconselhar” o que é melhor para você e sua família – e acredito mesmo que não seja por mal. Mas a realidade é sempre bem diferente da teoria. Foi quando procurando um livro, me deparei com esse novamente e peguei para folhear. Lá estavam todas as questões grifadas por mim, todas que nessa licença maternidade me assombraram ainda mais do que em qualquer momento desde que me tornei mãe.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

15 fev 2016

Primeiro filho – Prepare-se financeiramente

por
Gabi Miranda

Destaque, Dinheiro, Gravidez, Maternidade

Preparando-se financeiramente para a chegada do primeiro filho

Por Fabiana Ramos, Coach Financeira e Fundadora do Mulheres com Dinheiro.

Planejamento-primeiro-filho__

 

Que maravilha é a expectativa pela chegada do primeiro filho!! Que delícia receber o exame positivo, observar a sensação de ter um serzinho dentro de você, desfrutar da alegria do primeiro chute,… Que lindo ver a barriga crescendo e o corpo se transformando para acomodar aquele que é o seu maior tesouro.

A gravidez é, a meu ver, a etapa mais linda da vida de uma mulher.

A chegada do primeiro filho traz muitas mudanças à vida da nova mãe e do casal, tanto na questão do próprio relacionamento, quanto no que se refere ao tempo (que antes era somente do casal e agora será dividido por 3) e também em relação às finanças.

Vamos hoje falar sobre as finanças da nova família.

Todos sabemos que um filho traz muitas alegrias, mas também muitos novos gastos.

O ideal mesmo era que o casal tivesse feito uma “poupança-bebê” e tivesse separado uma quantia mensalmente para ir juntando aos pouquinhos… assim, quando a cegonha batesse à porta com o primeiro filho, não haveria motivos de preocupação.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

3

comente!

18 jan 2016

Segunda-feira, recomeço e oportunidades

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Pode parecer impossível, mas que quero viver um caso de amor com a segunda-feira. Afinal, por que não amá-la como se fosse sexta-feira?

39 -150p-01

Tudo começou quando conheci o pefil no instagram Mulheres.com.dinheiro, no qual a Fabina Ramos fala sobre finanças para mulheres e idolatra a segunda-feira de forma inspiradora.  Aí chegou o Natal quando recebi por mensagem instantânea aquele texto que dizem ser do Carlos Drummond de Andrade, no qual fala que a ideia de cortar o tempo em fatias se deu o nome de ano, entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez com outro número e outra vontade de acreditar que vai ser diferente…

Refletindo sobre essa coisa toda de ano novo, recomeço, oportunidades, pensei na segunda-feira. Todo mundo deseja a sexta-feira como se fosse o amor da vida, como se ela fosse a solução para todos os nossos problemas, cansaços e o começo da diversão.  No domingo todos já estão de bode, porque lá está a segunda-feira batendo a porta. A segunda-feira é sempre rejeitada e vista com maus olhos. Eu também tinha (ou tenho) certa repugnância por ela, mas passei a querer desejá-la bem, pois assim como o primeiro dia do ano, o primeiro dia do mês, a segunda-feira é o primeiro dia, o início de uma nova semana. Assim como o ano novo, a segunda-feira é o recomeço, também é renovação. Não deixa de ser uma oportunidade para fazermos algo novo, finalizar um projeto, planejar a semana, colocar sonhos em prática, de mudar o que nos incomoda, de fazer algo diferente no trabalho, em nossa vida… olhar além do horizonte.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!