05 set 2013

Desfralde – Entrevista com educadores

por
Gabi Miranda

Entrevista

Existe uma série de dicas que são bacanas seguir para o desfralde não se tornar um pesadelo. Não tenho dúvidas, aqui em casa o que funcionou foi a parceria com a escola – que nos orientou desde o início, além de percebermos que Benjamin já estava preparado.

Na escola, as crianças estão com profissionais experientes que sabem lidar com cada fase. Geralmente, eles começam o desfralde em duplas ou grupos, acompanham os pequenos constantemente ao banheiro, conversam, contam estórias e explicam todo o processo de forma lúdica. Ainda acalmam os pais.
 
Pensando nisso, fui conversar com algumas educadoras do Colégio Santa Maria e ver como e quando iniciar o desfralde e quais são as dicas para um desfralde sem traumas. Uma coisa é unânime: paciência, muito amor e carinho são fundamentais. 

BM: Quando a escola percebe que chegou a hora de tirar as fraldas de uma determinada criança?

Gisele Coli:
Acredito que a  criança demonstra com algumas atitudes, verbaliza quando sente vontade de urinar e evacuar, mostra interesse ao observar um coleguinha fazendo xixi no vaso, muitas vezes ela mesma pede para sentar-se no vaso, apresenta controle dos esfíncteres, a fralda permanece seca por um tempo maior do que o usual e a criança pode demonstrar certo desconforto com a fralda chegando às vezes a tentar tirá-la. Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

29 ago 2013

Desfralde – Entrevista com especialista

por
Gabi Miranda

Entrevista, Uncategorized

Se existe um segredo para o desfralde ser um sucesso, além de muita paciência por parte dos adultos, é iniciar esse processo quando a criança realmente estiver pronta. Quando isso acontece? Vários sinais podem revelar se seu filho está realmente pronto. Mas alguns sinais básicos podem dar o start: geralmente, acontece por volta dos 2 ou 3 anos, a criança já anda bem, sabe falar, entende instruções simples, entende o que é “xixi”, já fica seca por mais tempo (geralmente 3 horas) e se fica incomodada com a fralda suja e até a arranca.

O fato é que o controle das esfíncteres é a fase mais difícil no desenvolvimento infantil. Exige da criança um poder até então desconhecido para elas: perceber o movimento intestinal, segurar esse movimento, ir até o penico – a metros de distância, coisa que até então elas não se preocupavam, se posicionarem e então fazer o xixi ou o cocô. Imagina, isso tudo é praticamente um cálculo aritmético para uma criança de dois anos. Clique e continue lendo!

compartilhe!

5

comente!

27 ago 2013

Por um mundo melhor #sem trabalho infantil

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Ontem foi realizado o IV Encontro Internacional sobre trabalho Infantil e o Bossa Mãe esteve lá para conferir um dos maiores problemas que afetam o Brasil: o trabalho infantil.

Aberto pela Françoise Trapend, presidente da Fundação Telefônica Vivo, o evento tem como principal objetivo alertar contra o trabalho infantil – “o assunto mais invisível do país”, disse Françoise.

Fiquei super feliz com o convite e principalmente em ter participado. Esse é um tema importante  e que está diretamente ligado com meu desejo de um mundo melhor. Falando de crianças carentes, por exemplo, dói meu coração vê-los serem explorados por adultos, sendo obrigados a trabalharem vendendo balas ou panos de prato nos faróis, em portas de restaurantes.

Comecei a trabalhar muito tarde e talvez porque naquela época nem tinha a opção de Aprendiz, como encontramos em algumas empresas atualmente – adolescente pode trabalhar nessa condição.

O que caracteriza o trabalho infantil? Para a OIT (Organização Internacional do Trabalho), é qualquer atividade econômica  exercida por crianças com menos de 12 anos, bem como funções exercidas por jovens abaixo de 18 anos, enquadradas em tarefas que em geral afetam a saúde mental e física do adolescente. Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

26 ago 2013

Ele só diz não

por
Gabi Miranda

Uncategorized

E na pegada do Terrible Twos e/ou desenvolvimento emocional, hoje vou falar a resposta que Benjamin mais gosta de dar: NÃO!

É isso aí, além de falar a sua sentença preferida “é meu”, Benjamin ama nos devolver respostas com um “não” em alto e bom tom.

Benjamin, vamos tomar banho?
Não!

Benjamin, vamos trocar de roupa?
Não!

Benjamin, vamos comer?
Não!

Benjamin, vamos colocar o sapato?
Não!

Benjamin, vamos dormir?
Não, não e não!

E assim vamos vivendo…

Em casa, evitamos dar “nãos” desnecessários para o Benjamin. Isso não significa que não damos limites. Já fui contra “nãos”, mas hoje sei que alguns deles são necessários. Outros, não! Então não usamos demasiadamente. Usamos o “não” com parcimônia. Fica descartada a hipótese de que ele usa “não” porque ouve a todo instante.

O menino que até outro dia era um bebê está cheio de teimosia. Andam dizendo que puxou a mãe. Mas acho cedo uma avaliação. Parece-me mesmo uma fase. Ele apenas descobriu que tem vontades próprias. Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

23 ago 2013

Diário do desfralde

por
Gabi Miranda

Bebê, Desenvolvimento, Filhos

12/08, Segunda-Feira

Primeiro dia do processo. Como disse AQUI, enviei a quantidade de roupas que pensei ser necessária, mas não enviei fraldas – imprescindíveis para a hora da soneca e para ir embora pra casa. A tia do Ben, muito querida, deu um jeitinho e conseguiu duas. Todas as roupas voltaram molhadas. TODAS! Inclui meias e até o tênis.

13/08, Terça-Feira

A mãe aqui ficou o dia inteiro sofrendo. Pasmem, comecei a achar que não era preciso iniciar isso agora, mesmo com os sinais que Benjamin já havia demonstrado. Sei lá, poderiam ser sinais dele ou sinais de mãe que adora contar vantagem – não que esse seja o meu caso. Apenas duas roupas voltaram molhadas. Mas Benjamin não pediu para ir ao banheiro.

14/08, Quarta-Feira

Fiquei mais tranquila ao ver que o processo era assim mesmo, meio lento e que tudo daria certo. E para tranquilizar ainda mais, nenhuma roupa veio suja. Mas Benjamin não pediu para ir ao banheiro.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

19 ago 2013

Desfralde – Orientações da escolinha

por
Gabi Miranda

Comportamento, Filhos

O desfralde começou e o processo está sendo em parceria com a escola. Como disse AQUI, gostei muito do comunicado da escola e quero compartilhar resumidamente – porque é grande e bem detalhado, com vocês.

Acredito, inclusive, que isso pode ajudar alguém na mesma fase que não tenha tido orientações e dicas da escola.

  • Uma vez retirada a fralda, independente do local onde a criança vá, o uso da fralda fica proibido, pois isso pode confundir a criança;
  • Cuidado para não obrigar a criança ficar muito tempo no penico;
  • Não brigar com a criança, nem expô-la ao ridículo por não ter conseguido se controlar. Nessa fase é comum escapar muitos xixis e cocô. Nada de broncas;
  • Incompreensões e intolerância por parte do adulto, pode causar sérias consequências psicológicas na criança;
  • Nessa fase de adaptação ao penico, é bom que os pais deixem a criança a vontade para, até mesmo, utilizar o vaso sanitário, se assim desejar. Nesse caso, improvise um degrau e um redutor de assento. Fique sempre perto da criança;
  • Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

14 ago 2013

Chegou a hora da vistoria no apartamento

por
Gabi Miranda

Organização, Terapia do lar

Em janeiro desse ano, anunciei aqui a VENDA da casa em que moramos e falei da nossa aquisição: a casa o apartamento próprio.

Pois é, 7 meses se passaram, a casa ainda está a venda e nós ainda moramos nela.

A novidade é que estamos bem próximos de nos mudarmos. Dias atrás numa ligação, isso ficou evidente. Era chegada a hora da vistoria do apartamento.

Pode parecer bobo, mas gente, ninguém tem noção da ansiedade, alegria e emoção que tomou conta de mim. Tudo junto e misturado. Data e horário marcado estávamos os três lá: eu, Marido e Benjamin. Ah, a Ana, arquiteta também.

Quando vi Benjamin andando pela área da piscina, quadra de futebol, quase tive uma parada cardíaca causada por forte emoção. Ok, exageros a parte, fiquei bem emocionada. Uma sensação de tarefa sendo cumprida. Porque agora, depois do meu Ben na minha vida, é diferente o sonho da casa própria. É por ele, é para ele.

Ao entrar no apartamento….sei lá, passou um milhão de coisas na minha cabeça – das quais vou registrando por aqui ao longo das próximas semanas. Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

13 ago 2013

Promessa de mudança de hábito

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Sabe promessa de final de ano? Eu estou assim com relação ao apartamento. Ando falando que vou fazer tudo quando mudarmos.

“Quano mudarmos….vou fazer a transição do Benjamin do berço para caminha”

“Quando mudarmos…. vou colocar o Benjamin na natação.”

“Quando mudarmos….vamos voltar a fazer as refeições à mesa.”

A mais nova promessa é: vou colocar uma rotina para tomarmos café da manhã, mas só….quando mudarmos.

Calma, Benjamin toma café da manhã! Quem não toma são os pais. Durante a semana, não comemos e bebemos absolutamente nada. Estamos sempre com horário apertado e não temos esse costume.

No entanto, Benjamin está crescendo e está na hora de implementarmos algumas rotinas para que ele tenha o costume. É o tal do exemplo.

Aos 32 anos, vivo ouvindo sermão dos meus pais e de tias sobre a importância de tomar café da manhã, que é a refeição mais importante do dia, dá mais disposição e ainda aumenta nossa capacidade de concentração. Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

12 ago 2013

O Desfralde

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Sabe notícia inesperada? Então, recebi sexta-feira passada. Chegou a fase mais temida pela mãe aqui, o desfralde!

O mais engraçado é que nesse mesmo dia, uma colega da faculdade, também mãe, me perguntou sobre o desfralde do Benjamin. Respondi toda relax que ainda demoraria.

Nesse ano já havia conversado com a escola sobre o assunto e fui informada que ainda demorava, que Benjamin precisava dar mais sinais, além de saber falar, que provavelmente o desfralde aconteceria só no segundo semestre.

Interpretei a mensagem da seguinte forma: só quando Benjamin construir frases literárias, lá com 2 anos e 6 meses. Ou seja, final do segundo semestre.

Mas o segundo semestre começa em julho, Benjamin já completou 2 anos, já fala, já compreende o que falamos, algumas vezes arranca a fralda, faz xixi no vaso quando vai pro banho, reconhece o penico, e por mais que seja díficil para mãe assumir, o bebê já se tranformou numa criança, um moleque arteiro.

Receber notícia que você não espera, na maioria das vezes te pega de supetão. Eu que quase nunca abro a agenda do Benjamin, encasquetei de abrir na sexta-feira passada e me deparei com um comunicado extra oficial e gigante: Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

25 jul 2013

Laços de Família

por
Gabi Miranda

Na Mídia

Produzi a matéria “Mãe com açúcar”, que está na edição de julho da revista Pais & Filhos. Nela, abordo os novos relacionamentos das avós com seus netos. Mostro como as avós mudaram ao longo do tempo. Todas são muito antenadas, realizam atividades diversas, tem vida social ativa, ajudam seus filhos na medida do possível e, mesmo com tantas mudanças, ainda mantém o posto de avó – um dos principais personagens na vida das crianças.

Adorei fazer a matéria porque toda a informação que colhi veio de encontro com o que acredito e fomentou ainda mais minhas crenças. Uma das coisas que tenho refletido muito é a importância da continuidade dos laços, a construção do vínculo, isso tudo falando de avós e netos. Pergunto-me: quem cria esses laços, quem forma tal apego?

A minha crença é de que os pais tem papel fundamental nessa construção. São os pais que devem fazer ponte entre netos e avós. Falo isso por experiência própria: minha mãe e meu pai são separados desde sempre. Ele morando no Rio de Janeiro desde que me conheço por gente. Ela, assim como meus avós, aqui em São Paulo. Lembro-me dela dando, o que na época eu julgava ser sermão, sobre a importância de visitar meus avós. Ela me levava até a casa deles, de ônibus até o outro lada da cidade – ela sempre morou numa ponta e eles em outra. Ela nos incentiva ir às festas de família, participar, estar junto. Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!