18 mar 2012

Como não falar “NÃO”?

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Sou contra falar a palavra “não” para crianças. Acho que essa palavra assusta e não inibe em nada a criança a fazer determinada coisa, muito pelo contrário, quanto mais você fala “não“, mais ela quer puxar aquele fio, colocar o dedinho naquela tomada, levar o objeto à boca. Ela sabe que você não quer que ela faça aquilo, porque a criança te olha com uma carinha de sapeca como quem pensa “vou por a mão ali só pra ver o que vai acontecer“.

Lembro de ter lido uma vez na biblioteca da faculdade, parte de um livro de psicologia que falava sobre a importância de deixar de falar “não” às crianças. Já faz muito tempo isso e nem me lembro exatamente a explicação. O “não” tem sentido negativo e ao invés de repelir as ações “proibidas” acaba causando (inconscientemente) marcas no comportamento do indivíduo.

E aí entra um método que eu pensei ser super fácil: ao invés de falarmos repetidas vezes “não”, “NÃO”, nããããão”, podemos dizer de forma diferente que determinada ação não pode ser feita. Exemplo 1: a criança vai colocar o dedo na tomada, você pode dizer: “filho, se colocar a mão aí vai levar um choque“. Exemplo 2: colocando objeto na boca “esse objeto está sujo e contém germes, vai dar dor de barriga“. Exemplo 3: puxando o cabelo do coleguinha “assim é feio, faça carinho no seu colega”. Blá, blá, blá… Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!

04 mar 2012

Mundo da Criança

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Eu adoro música! Gosto de prestar atenção nas letras, descobrir o momento, a história da canção. Pretendo oferecer música de qualidade ao meu filhote e não só modinha o que o mundo do consumo injeta em nossas vidas diariamente. Tenho guardada na minha memória muitas canções infantis e ultimamente tenho descoberto preciosidades musicais destinado às crianças.

Recentemente, conheci Toquinho no Mundo da Criança. É um DVD com 7 faixas. Inclui as músicas Aquarela, O caderno e A casa (lembra?! “era uma casa muito engraçada não tinha teto, não tinha nada…” adooooro!). Os clips das músicas são feitos de animação, bem feito e com coerência. Achei super original! São animações de André Lieban, ganhadoras de 3 prêmios no Festival Anima Mundi.

A música Errar é Humano é uma lição! Fala sobre não ser vergonha, por exemplo, não saber andar de bicicleta, pedir ajuda para fazer lição ou ser o mais baixinho, mais alto, gordinho, que aos poucos a vida ensina que a gente aprende errando. Achei o máximo a letra dessa música. Aprendi desde cedo que não tinha problema errar e muito menos reconhecer os meus erros. Não nascemos sabendo tudo e é sim, errando, que se aprende. Conheço pessoas mais velhas que eu, que erram e por algum motivo (talvez vergonha), não assumem e ainda colocam a culpa nos outros. Esse tipo de coisa me tira do sério. Música também pode ser um jeito de ensinarmos ao nossos filhos, valores que consideramos importantes. Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

25 fev 2012

Bater não é forma de educar!

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Estou no meu quarto tranquila, brincando com meu Ben quando ouço uma mulher gritando e dando várias palmadas numa criança dentro de um carro. Ela não parava de sentar a mão num bebê, de um pouco mais de um ano, quando eu gritei chamando sua atenção, mandando ela parar. A mulher permaneceu um instante no carro sem se mover. Fora do carro uma senhora que acompanhava a mulher me explicava “ele jogou seu sapatinho pela janela, pode ficar calma que a mãe sempre faz isso”. Mas isso não era motivo pra mulher bater no menino! Fiquei quieta só olhando. A mulher saiu do carro e começou a procurar o sapato pelo chão. Para minha surpresa a mulher estava grávida. Incomodada com a minha observação ela indagou porque eu estava olhando e falou que eu podia entrar (estava na sacada do meu quarto) e ficar tranquila. Eu disse que não entraria e que ficaria ali e que se ela batesse no menino novamente, eu iria até lá. Começou uma discussão entre nós duas. Ela disse que havia dado só umas palmadas e “estou educando meu filho”. Essa frase ecoou na minha cabeça. Uma mulher pronta para colocar mais um filho no mundo e dar aquela educação! Com a confusão, os vizinhos foram saindo na rua e a mulher ficou toda constrangida. No fundo quero acreditar que ela sabia que estava errada. Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

10 fev 2012

Atividades educativas já!

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Eu e muitas mães por aí faço parte da era do papel, já meu Ben é da era tecnológica por completo. Desconfio até que quando ele começar a frequentar a escola não precisará de caderno, fichários, lápis, estojos e sim de um iPad (que vai ser mega atualizado). E hoje em dia quem consegue viver sem a sensacional internet?! Com ela temos acesso a (quase) tudo e de qualquer lugar – a mobilidade que a tecnologia nos oferece hoje em dia é incrível! E nossos filhos também, desde muito cedo! Se não controlar, as crianças passam horas a fio em frente ao vídeo game e computador. Mas como controlar, se muitas vezes os pais trabalham o dia inteiro? E como controlar o conteúdo que nossos filhos vão consumir? Como protegê-los? Eis aí um dilema…

Meu Ben ainda é muito pequeno, mas já me preocupo com essas questões. Acredito que deve haver um limite para o uso de eletrônicos como TV, vídeo game e computador. Acho que deveríamos limitar por idade e, obviamente, por conteúdo. É difícil, eu imagino. Mas não tem porque uma criança de 3, 4 ou 5 anos ficar presa em frente a um vídeo game, por exemplo. Criança tem que brincar! Brincadeiras que estimulem seu desenvolvimento intelectual, cutural, criativo, que o faça gastar energia, enfim. Cadê as brincadeiras tradicionais como esconde esconde, pega pega, mímica, ciranda (corre Cotia na casa da tia, lencinho na mão, caiu no chão…quem lembra?), jogo da velha, da memória, tabuleiros, cadê o Lego?! Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

06 jan 2012

Alô, é a mãe do Benjamin!

por
Gabi Miranda

Uncategorized

Hoje liguei no berçário do meu Ben para conversar com a diretora sobre uma possível isenção ou desconto na mensalidade – terá reajuste no mês de fevereiro. Eu achava uma possibilidade remota, mas como diz o ditado “quem não chora…não mama”. Para minha surpresa (e antes de entrar no assunto que me fez ligar) a diretora desata a falar sobre o Benjamin:

 “Olha, daqui a pouco vai chegar um comunicado na agenda do Ben. Ele está muito taradinho! Uma menininha que já engatinha passou ao lado dele e na mesma hora ele apertou o bumbum dela. Foi muito engraçado, porque ela olhou pra ele e ele estava com uma carinha de sem vergonha! Todos em volta riram”.

Juro. Eu falo todos os dias para esse menino: Ben você tem que se tornar um gentleman!

Tocou-me o que ela falou depois. Benjamin está se saindo muito bem, come muito bem, é um bebê muito esperto, ativo, peralta, gosta de participar das atividades e estava às gargalhadas com uma apresentação de teatro com fantoches, que chegava lhe faltar o ar. Emocionei-me. Conheço muito bem essa gargalhada dele, é a música mais linda para os meus ouvidos. Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!