11 jul 2016

Se os dias são comuns, é porque temos tranquilidade

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

Já parou para pensar que se os dias são comuns, é porque temos tranquilidade?!

dias são comuns

Imagem do Freepik escolhida pelo Benjamin

Semana passada tivemos dias conturbados por aqui (tanto que o blog ficou abandonado). Stella foi tacada novamente por uma conjuntivite, juntou com um resfriado e dentes nascendo. Foi tudo junto e misturado. Por conta dos dentes, tivemos noites mal dormidas e muito chororô. Por conta de tudo misturado, principalmente pela conjuntivite, Stella foi afastada do berçário a semana toda, consequentemente a mãe também foi do trabalho. Eu estava na semana antes das minhas mini férias, algumas coisas ainda por resolver e, para ajudar (sqn), estouraram vários problemas no trabalho e fiquei tentando driblar os cuidados com a pequena, a resolução dos problemas na empresa, a falta de tato das pessoas. Foi uma semana daquelas.

É em período assim que penso em largar tudo e me dedicar aos meus filhos. Sinto certa satisfação pessoal em trabalhar fora, mas me decepciona depositar esforço em algo no qual sinto não ser valorizada. Falta empatia no mercado de trabalho. A sensação que tenho, é quanto mais você faz nunca está bom e os resultados positivos é como se você não fizesse mais do que a sua obrigação. Enquanto que em casa, sinto que sou insubstituível, indispensável, necessária. Não é qualquer pessoa que pode desempenhar o meu trabalho. E sim, cuidar dos meus filhos é minha obrigação. Obrigação pela qual ganho muito mais. Tem sim os dias de confusão mental, stress, vontade de ficar em silêncio, dias em que não damos conta de nada. Contudo, os filhos estão sempre demonstrando de alguma forma, o quanto somos importantes, o quanto o papel que desempenhamos é fundamental na vida deles.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

28 jun 2016

11 meses da BabyBossinha Stella

por
Gabi Miranda

Bebê, Destaque, Filhos

11 meses-stella

Fiquei grávida, passei mal durante os 4 primeiros meses, ela nasceu transbordando uma surpresa radiante – afinal era uma menina!, contrariando alguns e afirmando nossas suspeitas e o que muitos disseram durante as 41 semanas, inclusive seu irmão. Ficamos 5 meses interruptos juntas. Período em que sofri novamente a falta da minha mãe e amadureci. Voltei a trabalhar e vejam só…do período em que ela nasceu até agora, já se passaram 11 meses. Isso significa que ela fará 1 ano no próximo mês. Um ano!

É clichê, mas foi num piscar de olhos. Até outro dia eu tinha um recém-nascido que só queria o colo da mamãe e acordava ao ser colocada em qualquer outro lugar que não fosse o meu colo. Hoje ela desbrava nosso apartamento inteiro, tem uma queda pelos cômodos dos quais mais tento deixá-la longe: banheiros e cozinha. Dia desses o irmão estava fazendo xixi, quando pego a BabyBossinha em pé do lado dele enfiando a mão na privada. Os dois levaram bronca, ele por continuar fazendo xixi com a menina ali enfiando a mão e ela por ser tão atrevidinha. Noutro dia, ela estava na cozinha comendo ração da Capitu. Pareceu não gostar muito, pois peguei ela tirando da boca e fazendo careta. Há que se colocar portão de segurança na cozinha e um bilhete na porta do banheiro: mantenha a porta fechada!
Clique e continue lendo!

compartilhe!

5

comente!

27 jun 2016

O poder do discurso materno

O poder do discurso materno

As lembranças se organizam na consciência por meio de palavras, que quase sempre foram proferidas por nossa mãe. Assim, organizamos as lembranças do ponto de vista do discurso materno – que em geral está distante da nossa real experiência infantil – e acabamos por vestir certos personagens, atuando sempre da mesma forma na esperança de obter amor e aceitação. Quantas de nossas dificuldades afetivas, profissionais e familiares advém daí? – (O poder do discurso materno)

o poder do discurso materno

Tenho muitas opiniões sobre o livro de Laura Gutman: O poder do discurso materno. A autora me decepciona um pouco ao final da obra, quando fala sobre abuso sexual. Na verdade, a Laura me decepcionou na palestra que assisti recentemente, quando afirmou que a culpa dos abusos sexuais que algumas crianças sofrem, é da mãe. Mas não quero falar sobre isso nesse momento. Quero falar do aprendizado positivo do livro. Achei um pouco dolorido lê-lo porque nos reconecta com a nossa infância, com a criança que fomos, com os rótulos e personagens que ganhamos ao longo da vida. Por outro lado, essa conexão é importante para nos fazer enxergar o mundo e os nossos filhos a partir da nossa vivência.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

16 jun 2016

Feliz 5 anos, filho!

por
Gabi Miranda

Desenvolvimento, Destaque, Filhos

Feliz aniversário, feliz 5 anos filho!

5 anos

São 43.800 horas.
1.825  dias.
260 semanas.
60 meses.
5 anos. CINCO anos!

São cinco anos, filho.
Em cinco anos, as pessoas pagam financiamentos de carro, fazem planos a médio prazo, se formam na faculdade. Nesses cinco anos, você aprendeu a andar, a falar, a comer sozinho, a se socializar, a dobrar suas roupas, a tomar banho, escrever seu nome, o alfabeto inteiro, a soletrar, a desenhar, a jogar vídeo-game, andar de bicicleta, a falar inglês melhor que eu e mais um monte de coisas… já viajou bastante e se tornou um irmãozão. E são só 5 anos, filho.

Você gosta de dançar, de fazer gracinhas, assistir filmes, ir ao cinema, escutar música (e cantar), de pular e anda pelo apartamento como se fosse um macaquinho.

Você já faz perguntas difíceis e conexões incríveis que me fazem pensar “como não pensei nisso antes?!”. Mas eu sei porque. Porque você me convida a olhar o mundo com calma e com outros olhos, com outro frescor. Eu te apresento o mundo, mas é você quem me mostra o quanto ele é bonito.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

3

comente!

30 maio 2016

A birra de todo dia

Não tem jeito, por mais que você ame, dê carinho e faça de tudo para evitar, a birra sempre aparece. Pode ser em menor ou maior intensidade, mas ela vem

birra

Os ataques de birra são comuns e fazem parte do desenvolvimento cerebral da criança. Dizem que tem hora para começar e terminar. Por aqui começou uma onda de birra(s) e às vezes é mega difícil manter o controle da situação. Benjamin, prestes a completar 5 anos, faz birra, pirraça, manha e algumas vezes chega a chorar – pra mim esse é o momento em que a situação perdeu mesmo o controle. Primeiro tento conversar, como quase nunca adianta naquele instante da birra que só aumenta, eu passo a ignorar e é quando ele não para de vir atrás de mim pedindo atenção. Faço um esforço enorme para ignorar, me dói pra caramba e quando vejo que ele realmente está disposto a dar fim ao show, paro, abraço, sento e converso com ele.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

7

comente!

17 maio 2016

10 coisas que aprendemos com a maternidade

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

Maternidade e muito mais no encontro com Cris Guerra no Seminário Pais & Filhos “Mãe Também é Gente”

Maternidade -Cris Guerra

Domingo aconteceu o Seminário Pais & Filhos “Mãe Também é gente”. O evento contou com a participação de palestrantes bem interessantes, conteúdo relevante e de qualidade. Todos merecem destaque, mas hoje vou falar da Cris Guerra, publicitária, mãe de Francisco, autora do blog Hoje Vou Assim e dos 4 livros: Para Francisco, Moda Intuitiva, Mãe, e, Que ninguém nos ouça – esse escrito com a jornalista Leila Ferreira.

Cris Guerra mesmo com toda a sua história de perdas, é uma pessoa leve e com senso de humor. Consegue transmitir leveza àqueles que estão por perto e a sensação de que a vida vale a pena sim apesar de tudo. E afirma:

A vida é feita de duas partes: uma que a gente não escolhe e outra que está em nossas mãos.

Em sua palestra “Mãe não é um bicho frágil”, ela compartilha um pouco da sua vida, fala sobre temas universais e nos alerta: a vida não tem controle, e quando aprendemos isso, aprendemos a entregar. Saí com algumas reflexões, uma delas sobre o quanto nós mães, às vezes, podemos ser egoístas com os nossos próprios filhos. Basta pensar no nosso desejo de não querer perder nenhuma primeira vez dos nossos pequenos. Queremos que eles andem, mas que sejam conosco os primeiros passos. Que andem de avião, mas que seja com a gente. Cris contou um episódio, no qual Francisco foi ver pela primeira vez o mar com os avós paternos. Sofreu, mas depois pensou: que bom que ele viu o mar! Depois verá outro dia comigo. E por falar em sogros… Cris faz uma ponte entre o filho e os avós paternos, inclusive únicos avós.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

6

comente!

05 maio 2016

Coração de mãe é gordo

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

coração de mãe

Estávamos lanchando antes de entrar no cinema. A bebê no sling e os meninos, eram 3, todos soltos. O mais novo da outra família, me observando com a bebê, comentou baixinho com a mãe dele:

“Mãe, quando a gente tem um bebê em casa, a mãe gosta mais do bebê?!”

Aquilo me preocupou. Será que o meu menino, o mais velho da nossa família, pensava isso também?!

Quando meu Ben nasceu eu achava esquisito não sentir aquele amor todo arrebatador que ouvia falarem por aí. Ainda hoje, confesso, estranho quando vejo as colegas nas redes sociais comentando o grande e infinito amor ao ver o bebê pela primeira vez após o nascimento. Mais ainda quando vejo foto do pai agarrado a barriga fazendo declarações de amor. Estranho, inclusive, não vê-las reclamando das noites mal dormidas ou de cansaço ou do marido. Na verdade, eu me acho a esquisita porque pra mim o meu bebê era um estranho.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

5

comente!

26 abr 2016

O poder de empatia das mães

por
Gabi Miranda

Comportamento, Destaque, Maternidade

“Ser mãe te traz habilidades de criar empatia com o mundo”
Foi assim que uma colega de trabalho me disse porque nós mães nos colocamos tanto no lugar do outro. É o poder de empatia que toda mãe tem.

empatia

Eu vinha pensando muito nisso nos últimos dias. Quando nos tornamos mães passamos a desejar um mundo melhor, tomamos alguns cuidados como o de separar o lixo, puxar assunto e falar com todas as pessoas sem se importar com a aparência delas, desejamos um mundo com mais paz e ficamos atento com nossos atos e atitudes que possam contribuir para isso. Mas por que isso acontece? Tem a ver com o pequeno ser que colocamos no mundo. É a partir dessa relação que começamos a nos colocar realmente no lugar do outro. É aí que conquistamos um poder incrível e que pode transformar o mundo, a empatia.

A partir do momento que sabemos estar gerando uma vida dentro de nós, começamos a nos preocupar com a nossa alimentação. Estamos pensando no bebê e mudamos hábitos por ele. Então ele nasce e através do olho no olho, nasce a empatia. Segundo Alain Berthoz, diretor do Laboratório de Fisiologia da Percepção e da Ação, do Collège de France, na troca do olhar encontramos três componentes da empatia: 1. eu te olho; 2. você me olha, mas eu devo compreender o que esse olhar, experimentado por nós e dirigido para mim, significa; 3. e nasce da troca do olhar um elo que não pertence nem mais a mim nem a você, mas ocorre entre nós. De repente um elo nos liga no mundo.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

9

comente!

06 abr 2016

Conversar com o bebê ajuda no desenvolvimento

por
Gabi Miranda

Bebê, Desenvolvimento, Destaque, Filhos

Estudo revela que conversar com o bebê é uma das atividades mais praticadas pelas mães, além de ser um dos fatores que ajudam no desenvolvimento infantil

Imagem Google

Imagem Google

Pouca gente sabe que conversar com o bebê ajuda no desenvolvimento infantil. A boa notícia é que conversar com o bebê é uma das atividades mais praticadas pelas mães brasileiras. Em outubro/2015, a Fisher-Price, divulgou no evento “O fator felicidade”, resultados do estudo “Esperanças e desejos das mães”, no qual foi pesquisado os principais desejos das mães e como elas lidam com o desenvolvimento da primeira infância. Foram entrevistadas 3.500 novas e futuras mamães, no Brasil, China, México, Rússia, França, Reino Unido e Estados Unidos. As entrevistas, revelaram que apesar das diferentes culturas, as mães têm muito mais desejos em comum do que se imaginava.

A pesquisa apresentou que, no Brasil, são 10 atividades mais praticadas pelas mães, a principal é conversar com o bebê. Confira:

1. Conversar com meu bebê (89%)
Clique e continue lendo!

compartilhe!

0

comente!

05 abr 2016

A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória

por
Gabi Miranda

Destaque, Livros, Puericultura

A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória, mostra como a sociedade não acolhe a mãe

Li o livro “A Mãe e o tempo: ensaio da maternidade transitória” grávida da Stella. Ao ler achei um pouco pesado para o momento, mas na época fiz anotações no próprio. Dia desses estava refletindo sobre como a maternagem nos transforma e nos faz questionar, no quanto a prática de maternar é diferente da teoria. Isso tudo porque eu pensava no esquema de vida que tenho com as duas crianças e traçava com os conselhos alheios. Porque sempre tem alguém, na tentativa de querer ajudar, pronto para “aconselhar” o que é melhor para você e sua família – e acredito mesmo que não seja por mal. Mas a realidade é sempre bem diferente da teoria. Foi quando procurando um livro, me deparei com esse novamente e peguei para folhear. Lá estavam todas as questões grifadas por mim, todas que nessa licença maternidade me assombraram ainda mais do que em qualquer momento desde que me tornei mãe.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

1

comente!