08 jul 2015

Sonhos estranhos na gravidez

por
Gabi Miranda

Gravidez, Maternidade, Uncategorized

Sonhos estranhos na gravidez

Imagem do Google

Chega o final da gestação e começamos a ter sonhos esquisitos, pesadelos que nos fazem acordar trêmulas, buscando no escuro o que é real ou não. Eu tenho sonhos estranhos na gravidez! Semanas atrás sonhei que caminhava numa rua até chegar numa viela de paralelepípedo e, no final dela, uma luz forte iluminava dois caixões brancos, um de adulto e outro de criança. Quando os vi, não tive dúvidas, eram meu e de um dos meus filhos. Acordei no mesmo instante impressionada e esse pesadelo foi o motivo de um dia ruim, arrastado, choroso, terrível…

Tentei buscar algum significado para o tal sonho, compartilhei com as amigas que me deram explicações freudianas que acalmaram meu coração. Disseram-me: são seus medos se impondo. De fato tenho sentido vários medos. O de não dar conta de dois filhos, da rotina, das mudanças que a vida terá, o de não amar tanto o segundo filho como amo o primeiro, de ficar sozinha com ele, de não ter a minha mãe por perto, do parto, enfim…. nessa gestação é medo e ansiedade que não acabam mais. Além da progesterona (a culpada de tudo que acontece com as grávidas!), a apreensão com a gravidez e a perspectiva de um segundo filho, torna tudo mais intenso.
Clique e continue lendo!

compartilhe!

2

comente!

06 out 2014

Saudades

por
Gabi Miranda

Uncategorized

selo_2anos

Meu pai outro dia disse que sonhou com Benjamin fazendo bagunça em cima da mesa (sozinho) lá na casa de Campo Belo. Pena que meu Ben nunca vai conhecer essa casa de um jeito que ela já foi um dia…

“São muitos e milhões de jardins, e todos os jardins se falam. Os pássaros dos ventos do céu – constantes trazem recados. Você ainda não sabe. Sempre à beira do mais belo. Este é o Jardim da Evanira. Pode haver, no mesmo agora, outro, um grande jardim com meninas. Onde uma Meninazinha, banguelinha, brinca de se fazer Fada… Um dia você terá saudades… Vocês, então, saberão…” Guimarães Rosa

É preciso ter saudades para saber…

*

Texto escrito em 30 de abril de 2011

compartilhe!

0

comente!