27 set 2016

A vida é uma coleção de perdas

por
Gabi Miranda

Desabafo, Destaque, Maternidade

“A vida é uma coleção de perdas”, disse meu pai num desses “sermões” cheios de conselhos sábios 

perdas

A vida é uma coleção de perdas. Perdemos espaço, oportunidades, tempo, chances, emprego, coisas, cabelo, energia, amigos, perdemos pessoas… Perdemos até parte de nós. Perdemos tempo brigando por coisas pequenas, com as pessoas que amamos. Perdemos o momento de ficar quietos. Existem momentos na vida de conclusão e a perda pode vir em diferentes aspectos e por circunstâncias externas, como o caso da morte. Assim como com a morte, para cada perda resta-nos passarmos por todas as etapas do luto. Há o choque inicial, o período de negação ou dúvida e o momento em que os sentimentos estão todos misturados de forma torrencial. Depois, vem o instante em que nos damos conta de que o fato é real e, por fim, a aceitação. Para toda perda, precisamos nos permitir vivenciar todos os estágios e aprender a dizer adeus. Deixar embora faz parte da existência.

Insistir numa situação conhecida, pode trazer uma tremenda insatisfação e algumas perdas. Numa discussão com uma pessoa querida, por exemplo, é preciso ponderar “vale a pena essa briga?”. Muitas vezes não vale. Perdemos energia. É difícil assumir que aquilo não vai levar a lugar algum, apenas amargura e tristeza. Nessa hora é preciso equilíbrio e coragem para virar as costas, não se deixar levar pela ira, apenas ouvir ou simplesmente se despedir. E isso não quer dizer desistência, abandono ou fracasso. Quer dizer maturidade. Porque não precisamos verbalizar tudo. Por isso, muitas vezes numa briga, a melhor coisa a fazer é atravessar a porta, deixando o oponente para trás, para você entrar em um outro ambiente. A mesma porta que se fecha atrás, impossibilitando seu retorno para o ambiente anterior, é a mesma que permite sua entrada num novo cômodo. Concluindo, o fim é sempre o começo de outra história.

Para a filósofa Dulce Critelli, a lucidez na finalização de um ciclo indica um importante sinal de maturidade: o indivíduo compreende que é responsável pela própria existência. E também pelos ganhos e perdas, acertos e erros de suas escolhas. Portanto, antes de tomar qualquer decisão, é necessário refletir e ponderar os próximos passos. Perguntar a si mesmo; por que quero fazer isso? É claro que em alguns momentos, não dá tempo de pensar. Nessas horas, é melhor nem agir, apenas atravessar a porta. Agir em coerência com os seus valores, o seu interior.

A vida é uma coleção de perdas. Mas também uma coleção de ganhos. Afinal, parafraseando Clarice Lispector, perder-se também é caminho. Acredito que para toda perda, há um ganho. Ganhamos novos amores, amigos, um novo emprego, novas oportunidades, novos dias, novos cabelos, renovamos as energias, ganhamos outras pessoas em nossa vida. Obviamente, ninguém substitui ninguém. As diversas experiências que vivemos diariamente vão nos alargando interiormente, nos ensinam a desapegar das escolhas antigas. E ganhamos novos aprendizados.

compartilhe!

1

comente!

Uma resposta para “A vida é uma coleção de perdas”

  1. […] Leia também: a vida é uma coleção de perdas […]

  2. Sobre esse tema, indico um livro antigo (li durante a faculdade), mas que continuo adorando: Perdas Necessárias, Judith Viorst. Fica a dica! 😉

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.